segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Associação processa Facebook por vazamento de dados de usuários brasileiros
Proteção ao consumidor

Associação processa Facebook por vazamento de dados de usuários brasileiros

Ação pede indenização por danos morais coletivos.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

A Associação SOS Consumidor ingressou com uma ação civil pública contra o Facebook no Brasil pelo vazamento dos dados de 443 mil usuários brasileiros. O pedido é de pagamento de indenização por danos morais coletivos, cujo valor será revertido Fundo de Defesa de Direitos Difusos.

"Tendo em vista este faturamento altíssimo, espera-se que a indenização a ser fixada seja em montante capaz de punir a Ré, para que ela não volte a cometer as mesmas violações."

A petição inicial, assinada pelo jurista Rizzatto Nunes, aponta que, em março, houve o vazamento dos dados pessoais e perfis de comportamento de 87 milhões de pessoas conectadas ao Facebook, tendo esses dados sido entregues à uma terceira empresa, a consultoria Cambridge Analytica, que usou essas informações e dados para o marketing de seu negócios e marketing político.

Segundo o documento, no Brasil, no mínimo, 443 mil usuários foram violados e tiveram seus dados, informações e perfis de comportamento utilizados "clandestinamente pela empresa parceira da Ré, por culpa e responsabilidade desta".

O jurista pontua que, além de ampla e mundialmente divulgado, tal fato foi confessado pelo criador, representante legal e executivo chefe da empresa, Mark Zuckerberg, que, perante o Congresso dos EUA, pediu desculpas públicas e assumiu seu erro sobre o vazamento das informações. Leia-se parte do seu depoimento:

"Foi um erro meu, e eu sinto muito, eu comecei o Facebook, eu o controlo e sou responsável pelo que acontece aqui (...) Mas está claro agora que não fizemos o suficiente para impedir que essas ferramentas sejam usadas para o mal também. Isso vale para notícias falsas, interferência estrangeira em eleições e discurso de ódio, bem como desenvolvedores e privacidade de dados. Não tivemos uma visão ampla o suficiente de nossa responsabilidade, e isso foi um grande erro."

De acordo com a inicial, "o famoso representante legal da Ré, não só confessou o delito como expressamente reconheceu os erros e assumiu sua responsabilidade pela garantia da segurança dos dados de seus usuários e pelos danos causados" quando afirmou "nós temos a responsabilidade não somente de construir ferramentas, mas garantir que elas sejam usadas para o bem".

Rizzato aponta que a aplicação do CDC sobre determinado suporte fático requer a presença da figura do consumidor, do fornecedor, do produto e ou do serviço (relação de consumo). Quanto aos referidos conceitos, segundo ele, "não há a menor dúvida de que o usuário dos serviços prestados pelo Facebook é um consumidor e, a empresa é a fornecedora, já que presta de forma continua e remunerada, serviços via internet, mediante o fornecimento de espaços em seus sistemas, com a finalidade de inserção de dados pessoais e dos comentários mais variados possíveis."

"O vazamento pelo Facebook, site administrado pela Ré, dos dados de centenas de milhares de usuários no Brasil, a par de ofender a privacidade do consumidor, constitui também acidente de consumo, ou seja, serviço prestado no mercado de consumo que não atende à legitima expectativa de segurança do consumidor. É o que a doutrina denomina de vício de qualidade por insegurança."

Em outro ponto, a inicial destaca o grande faturamento do Facebook no mundo, cujo lucro líquido está em torno dos R$ 1,5 bi.

"A indenização deve ter valor elevado para poder cumprir a finalidade punitiva e evitar que o defeito volte a ocorrer por culpa ou dolo do ofensor. Se o valor da indenização que, certamente, será fixado por V. Exa., não for de alta monta, não surtirá nenhum efeito diante do incrível, inusitado e extraordinário faturamento da Ré com seu serviço Facebook."

O processo foi distribuído à 7ª vara Cível do Foro Central da Capital de SP. A ação é patrocinada pelo escritório Velloza Advogados.

Veja a íntegra da inicial.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 20/4/2018 10:20