sábado, 28 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF deve julgar em agosto terceirização de call center por empresas de telefonia
Terceirização

STF deve julgar em agosto terceirização de call center por empresas de telefonia

Matéria teve repercussão geral reconhecida em 2014.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Está marcado para o dia 16 de agosto o julgamento do ARE 791.932, que trata da possibilidade de terceirização de call center pelas concessionárias de telefonia. O tema teve repercussão geral reconhecida em 2014 e tem como atual relator o ministro Alexandre de Moraes.

O processo teve origem com reclamação trabalhista ajuizada por uma atendente contratada pela Contax S/A, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste S/A. O TST considerou correta a decisão que assentou a ilicitude da terceirização, uma vez que o serviço prestado foi considerado atividade-fim, apesar de contratada para atuar na implementação de central de atendimento ao cliente.

Em face da decisão, a Contax alegou, no STF, que o TST deixou de aplicar o artigo 94, inciso II, da lei 9.472/97, que permite a terceirização de "atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço". Sustentaram também que a orientação adotada pelo TST nega vigência ao art. 97 da CF, que dispõe sobre a cláusula de reserva de plenário.

Em 2014, a ação estava sob relatoria do ministro Teori Zavascki, que determinou a suspensão de todos os processos em tramitação na JT sobre a legalidade da terceirização da atividade de call center pelas concessionárias de telefonia.

Para o próximo mês, os ministros devem decidir se ofende o princípio da reserva de plenário a não-aplicação, pelo TST, do dispositivo da lei dos serviços de telecomunicações, o qual permite a concessionárias de serviço público a terceirização de atividades acessórias, a empresas desse setor.

Há também uma questão significativa e que traz importância pecuniária ao debate. Referimo-nos ao destino que terá o eventual passivo nos processos de terceirização. Com efeito, se o STF julgar inconstitucional a súmula 331 (do TST), e não houver modulação, os passivos serão zerados. Por outro lado, se se julgar que só doravante há a inconstitucionalidade, os eventuais passivos serão devidos. Ou seja, há muito em jogo.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/7/2018 15:04

Patrocínio