domingo, 17 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STJ debate cessão fiduciária na recuperação judicial do grupo da Drogaria São Bento
Recuperação judicial

STJ debate cessão fiduciária na recuperação judicial do grupo da Drogaria São Bento

Itaú defende que seu crédito, de cerca de R$ 13 mi, não é alcançado pelos efeitos da recuperação.

quinta-feira, 23 de maio de 2019

A 2ª seção do STJ retomou julgamento de processo envolvendo a recuperação judicial do grupo responsável pela Drogaria São Bento. 

t

O Banco Itaú recorre de decisão que o obrigou a liberar valores retidos nas contas vinculadas das empresas, decorrentes de direitos creditórios cedidos fiduciariamente. Alega a instituição que, de acordo com o artigo 49, § 3° da lei 11.101/05, seu crédito (em torno de R$ 13 mi) não é alcançado pelos efeitos da recuperação judicial. A relatora, ministra Isabel Gallotti, deu provimento ao REsp para excluir os direitos cedidos fiduciariamente do âmbito da recuperação.

Ontem, em voto-vista, o ministro Luis Felipe Salomão propôs questão prejudicial: é necessário ou não o registro da cessão de recebíveis no cartório de títulos e documentos para que apresente eficácia em relação a terceiros - os demais credores da recuperanda - e assim os respectivos créditos sejam considerados extraconcursais? Para o ministro, a resposta é positiva. 

Salomão explicou que, conquanto distinta a materialidade dos objetos da cessão fiduciária e da alienação fiduciária, ambas implicam transferência da titularidade resolúvel do bem.

"Considerando-se que a alienação e a cessão fiduciária constituem, na essência, o mesmo negócio jurídico, ainda que distinta a materialidade de seus objetos, não se justifica o tratamento diferenciado dos respectivos credores, notadamente no que diz respeito à recuperação judicial ou à falência."

Lembrando que o registro em cartório do contrato de alienação ou de cessão fiduciária não constitui condição de validade do negócio jurídico - "o qual, independentemente desta formalização, mostra-se válido e eficaz entre as partes desde a sua celebração" -, o ministro sustentou que "nada obstante, para que haja eficácia contra terceiros, o registro da garantia fiduciária revela-se, a meu juízo, imperiosa".

Assim, para que surtam eficácia contra terceiros, as garantias fiduciárias incertas nas cédulas de crédito bancário dependem de prévio registro nos cartórios de títulos, e inexistia tal formalidade à época da recuperação.

Como se trata de uma questão prejudicial ao mérito, e diante da ausência justificada do ministro Antonio Carlos Ferreira, acabou que o ministro Cueva ficou com vista dos autos.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/5/2019 11:23