quinta-feira, 7 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Justiça de SC determina guarda compartilhada de gatinho Mingau
Guarda compartilhada

Justiça de SC determina guarda compartilhada de gatinho Mingau

Animal ficará 15 dias por mês com cada um de seus tutores, que o adotaram quando ainda estavam juntos.

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Em Santa Catarina, um gatinho chamado Mingau terá sua guarda compartilhada e ficará 15 dias por mês com seu tutor e os outros 15 com sua tutora. A decisão é da juíza de Direito Marcia Krischke Matzenbacher, da vara da Família de Itajaí.

t

O casal adotou o gato quando ele ainda era um filhote. No entanto, conforme os autos, após o casal se separar, a mulher ficou com o animal e passou a impedir as visitas e o contato do ex, o que gerou a disputa pela guarda do animal na Justiça.

Ao analisar o caso, a magistrada considerou que fotografias juntadas ao processo comprovam o convívio duradouro e o carinho do homem devotado ao felino. De acordo com a juíza, há indícios de que a mulher, além de impedir as visitas do autor, proferiu ameaças, dizendo que daria 'fim no Mingau' antes mesmo de entregá-lo.

Em relação à guarda do animal, a magistrada levou em conta a legislação sobre o conflito de guarda e visita de filhos, já que não há lei específica que regulamente a guarda e as visitas de um gato.

A juíza citou julgamento recente do STJ, segundo o qual a questão é delicada e deve ser examinada "tanto pelo ângulo da afetividade em relação ao animal, como também pela necessidade de sua preservação como mandamento constitucional".

Ainda conforme o entendimento do STJ, "os animais de companhia são sencientes - dotados de sensibilidade, sentindo as mesmas dores e necessidades biopsicológicas dos animais racionais -, (e) também devem ter o seu bem-estar considerado".

A julgadora deferiu a liminar pleiteada pelo autor, concedendo a ele 15 dias por mês de guarda do animal. No entanto, fez a seguinte ressalva na decisão:

"Se, no curso da lide, restar constatado que a real intenção do requerente com o ajuizamento desta lide tratou-se de uma forma forçada de manter algum tipo de contato com a ré, a tutela provisória de urgência será de imediato revogada."

Assim, determinou que Mingau seja entregue ao autor por pessoa de confiança da ré - e esta deverá devolver após o período de 15 dias de guarda.

O número do processo não será divulgado em razão de segredo de Justiça.

Informações: TJ/SC.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/7/2019 09:16

Patrocínio