quarta-feira, 22 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Cortes Superiores adotam medidas para assegurar inclusão de pessoas com deficiência
Inclusão

Cortes Superiores adotam medidas para assegurar inclusão de pessoas com deficiência

Tribunais assinaram termos com base em resolução do CNJ e no Estatuto da Pessoa com Deficiência.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

No último dia 7 de julho, a publicação da lei 13.146/15, que instituiu a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência - também conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência - completou quatro anos. A lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo e estabelece diretrizes para que sejam asseguradas e promovidas as condições de igualdade e o exercício dos direitos e liberdades fundamentais das pessoas com deficiência.

t

Desde a edição da norma, medidas relacionadas à inclusão passaram a ser implementadas nos órgãos da Justiça. Em 2016, o CNJ publicou a resolução 230/16, que orienta a adequação das atividades dos órgãos do Poder Judiciário e de seus serviços auxiliares às determinações da Convenção e no Estatuto.

Conforme a resolução, cada órgão do Judiciário deve manter um cadastro de servidores, serventuários extrajudiciais e terceirizados com deficiência que trabalham em seus quadros, a ser revisado anualmente. Segundo a norma, os órgãos do Poder Judiciário são obrigados a garantir ambientes de trabalho acessíveis e inclusivos.

Acordo

Em 2017, representantes do Judiciário e do Legislativo assinaram o acordo de cooperação técnica Rede Acessibilidade e Inclusão da Pessoa com Deficiência. No último mês de junho, foi assinado um termo aditivo ao acordo, que facilita a adesão de outros órgãos da Administração Pública.

São signatários do termo: o STF, o STJ, o TCU, o TST, o TSE, o TJ/DF o Senado e a Câmara dos Deputados. Segundo o STJ, objetivo do acordo é estabelecer uma cooperação técnica no âmbito da acessibilidade e da inclusão social, por meio do intercâmbio de experiências, informações, pesquisas, tecnologias e soluções de acessibilidade.

Selo

Em junho, o ministro João Otávio de Noronha assinou a IN 13/19, que institui o projeto Selo de Acessibilidade e Inclusão do STJ. O projeto, elaborado pela Comissão de Acessibilidade e Inclusão, visa certificar gradações de acessibilidade e inclusão nas unidades administrativas do Tribunal, tais como os gabinetes de ministros, as assessorias, secretarias, coordenadorias e unidades de atendimento ao público.

A IN objetiva reconhecer e estimular o aumento do nível de inclusão e de acessibilidade nas unidades do tribunal a partir de um sistema com os selos: bronze, prata e ouro.

A norma leva em conta o Estatuto da Pessoa com Deficiência e a norma do CNJ.

Digitalização

Conforme a resolução 230/16, umas das formas pelas quais os Tribunais devem promover a acessibilidade é por meio da implementação de suas tecnologias. E é exatamente nesse âmbito que um grupo de pessoas com deficiência trabalha no STF.

Segundo o Tribunal, mais de 300 profissionais com deficiência física, auditiva, intelectual, visual e com espectro de autismo devem trabalhar, em um período de seis meses, na higienização, digitalização e gestão documental de mais de 97 milhões de páginas de processos físicos do Tribunal.

A medida faz parte de um programa de inclusão social desenvolvido pelo STF em convênio firmado com a Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial (Cetefe), para a digitalização de processos judiciais e administrativos, registros funcionais, prontuários e documentos da Central do Cidadão.

Segundo o STF, a Corte também desenvolve o programa STF Sem Barreiras, uma iniciativa permanente do Tribunal que visa a adequação de seus espaços físicos para receber os mais diversos públicos.

A Corte também implementou a tradução para a Língua Brasileira de Sinais e a audiodescrição na transmissão das sessões plenárias pela TV Justiça, além da visitação guiada ao Tribunal, com uso de sinais.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 29/7/2019 08:50