domingo, 28 de novembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF afasta majoração de pena por estupro aplicando retroativamente lei mais benéfica
HC

STF afasta majoração de pena por estupro aplicando retroativamente lei mais benéfica

Por maioria, plenário concedeu de ofício o HC.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Na tarde desta quinta-feira, 15, os ministros do STF concederam HC de ofício a um homem que foi condenado pelo crime de estupro. Por maioria, o plenário afastou majorante de pena, que havia sido aplicada por meio da lei dos crimes hediondos, por entenderem devida a retroatividade da lei benéfica ao réu. 

t

Caso

Um homem foi condenado a 33 anos e 6 meses de reclusão pelo crime de estupro e atentado violento ao pudor contra uma jovem de 18 anos. Antes de estuprá-la, ele a golpeou com um pedaço de madeira, deixando-a inconsciente.

Tal condenação aconteceu em 1º grau, em que o juiz aplicou a condenação prevista no art. 224 do CP mais a majorante, prevista no art. 9º da lei dos crimes hediondos aos crimes de estupro e atentado violento ao pudor. 

Em 2ª instância, a pena foi reduzida para 22 anos e oito meses de reclusão. O TJ/RS entendeu não ser correta a aplicação da majorante prevista na lei dos crimes hediondos. O caso foi parar no STJ, e a ministra Laurita Vaz deu provimento ao recurso para cassar o acórdão recorrido e restabelecer a sentença condenatória.

No STF, a DPU alegou que o art. 9º da lei 8.072/90 atinge direta e indiretamente o princípio constitucional da individualização da pena, eis que não há individualização a ser feita. A sanção imposta em tal artigo é fixa, invariável, não admite, dentre os limites da cominação, estabelecer a recomendada para o caso concreto.

STF

Por maioria, o plenário seguiu o entendimento do ministro Alexandre de Moraes, que não conheceu o HC, mas o concedeu de ofício. Moraes explicou que o art. 9 da lei dos crimes hediondos previa a majoração da pena para crimes tipificados no art. 224 do CP.

No entanto, o referido artigo do CP foi revogado por uma lei, que tratava do atentado violento ao pudor. Para Moraes, não faz sentido a aplicação do art. 9 da lei dos crimes hediondos se já não mais existe o artigo em que ele poderia se fazer valer.

Moraes observou que o crime é gravíssimo, mas aplicou a retroatividade da lei benéfica ao réu e, assim, concedeu de ofício HC para afastar a causa de aumento de pena.

"Por maioria, não se conheceu da ordem da HC, vencidos os conhecimentos o ministro relator e Ricardo Lewandowski. Quanto a proposição de concessão de HC de ofício, foi concedida a ordem de ofício nos termos do voto inicial divergente do ministro Alexandre de Moraes para decotar a causa de aumento prevista no art. 9 da lei 8.072/90, vencido nesta parte o ministro Edson Fachin. Vencidos Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski que concediam a ordem de ofício em maior extensão."

  • Processo: HC 100.181

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 15/8/2019 18:31