domingo, 22 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Pedido de falência extinto por falta de interesse de agir enseja sucumbência conforme regra geral
Honorários

Pedido de falência extinto por falta de interesse de agir enseja sucumbência conforme regra geral

Decisão é do TJ/SP, majorando verba honorária.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

O TJ/SP reformou sentença para majorar a verba honorária sucumbencial, com base no artigo 85, §2º do CPC/15. A decisão é da 1ª câmara Reservada de Direito Empresarial.

t

No caso, uma empresa teve pedido de falência extinto, sem resolução de mérito, com fundamento na falta de interesse de agir. Na decisão, o juízo da 3ª vara Cível de Osasco fixou pagamento de honorários advocatícios arbitrados em R$3 mil, aplicando o §8º do CPC/15, que prevê o arbitramento por apreciação equitativa.

Em apelação, foi solicitado que os honorários advocatícios fossem arbitrados com fundamento no §2º, com percentual mínimo de 10% sobre o proveito econômico obtido com a extinção da ação ou sobre o valor atribuído à causa.

Em 2ª instância, o desembargador Fortes Barbosa, relator, entendeu que não houve justificativa para a aplicação da regra por equidade, tendo em vista que o valor da causa não pode ser tido como inestimável, irrisório e, nem mesmo, como excessivo, não extrapolando os parâmetros da normalidade. Assim, deu provimento à apelação neste ponto.

"Cabe, então, aplicação da regra contida no §2º do citado artigo 85 e, levando-se em conta a natureza da causa, o trabalho realizado e a duração da demanda, fixo os honorários advocatícios em 10% sobre o valor atualizado da causa. Assim, impõe-se a reforma da sentença, da maneira acima exposta, refeito o arbitramento da verba honorária sucumbencial."

O Tribunal manteve a extinção, julgando inadequado o pedido de falência, mas com fundamento diverso. O juízo 1º grau entendeu que o credor deveria ajuizar ação de cobrança, mas o colegiado consignou ausente o interesse de agir da autora "dada a conformação do título utilizado para dar suporte ao pleito".

O advogado Raphael Pereira Marques atuou na causa.

Veja íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 14/10/2019 15:44