sábado, 4 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF invalida dispositivos de lei que instituiu taxa para exploração de recursos hídricos
Tributos

STF invalida dispositivos de lei que instituiu taxa para exploração de recursos hídricos

Autora da ação foi a Apine - Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Na sessão desta quarta-feira, 4, o plenário do STF entendeu que alguns dispositivos da lei 2.388/18, do Estado do Amapá, são inconstitucionais. A norma fixava taxa sobre atividade de exploração e aproveitamento de recursos hídricos.

t

Caso

A Apine - Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica ajuizou ação contra dispositivos da Lei 2.388/2018, do Estado do Amapá, que instituiu, em âmbito local, taxa sobre atividade de exploração e aproveitamento de recursos hídricos.

A Associação alega inconstitucionalidade formal por usurpação da competência, tendo em vista atribuição conferida à União pela CF para legislar sobre águas e energia. Sustenta que inexiste lacuna normativa que respalde a atuação dos estados sobre a matéria, uma vez que foi esgotado o tratamento do tema pela União.

Com relação à alegação de inconstitucionalidade material, a associação argumenta que foi criado "imposto travestido de taxa", já que não houve indicação de ação estatal concreta correspondente ao exercício regular do poder de polícia, o que justificaria a exigência de taxa. Alega ainda ofensa aos princípios de vedação ao confisco, modicidade, proporcionalidade, razoabilidade e moralidade.

Relator

Prevaleceu no julgamento o voto do relator, ministro Marco Aurélio. Segundo ele, a taxa, ao contrário do imposto, tem caráter contraprestacional, ou seja, deve estar atrelada à execução efetiva ou potencial de um serviço público específico ou, como no caso, ao exercício regular do poder de polícia. Na base de cálculo da taxa, deve-se observar, portanto, correlação entre custos e benefícios, em observância ao princípio da proporcionalidade.

Para o ministro, no caso do Amapá, em que a taxa é calculada em função do volume dos recursos hídricos empregados pelo contribuinte, os dados evidenciam a ausência de proporcionalidade entre o custo da atividade estatal que justifica a taxa e o valor a ser despendido pelos particulares em benefício do ente público. O montante arrecadado, afirmou, é dez vezes superior ao orçamento anual da secretaria de gestão do meio ambiente do estado. "Nada justifica uma taxa cuja arrecadação total ultrapasse o custo da atividade estatal que lhe permite existir", ressaltou.

Os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli acompanharam o relator. Eles entenderam que o Estado pode legislar sobre mecanismos de proteção do meio ambiente, no entanto, a taxa precisa ser proporcional. 

Acolhimento em parte

Ficou parcialmente vencido o ministro Edson Fachin, que considerava constitucionais os artigos 2º, 3º e 5º da norma, que, a seu ver, apenas preveem o exercício do poder de polícia e explicitam sua forma de exercício ou realização.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 4/12/2019 18:40