domingo, 20 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF julgará no plenário virtual lei que proíbe ensino de ideologia de gênero

Publicidade

Ideologia de gênero

STF julgará no plenário virtual lei que proíbe ensino de ideologia de gênero

Os ministros têm até 5 dias úteis para se manifestar. Ação foi ajuizada pelo PGR então Rodrigo Janot.

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Os ministros do STF começam a julgar nesta sexta-feira, 17, ação contra lei do município de Novo Gama/GO, que proíbe material com informação de ideologia de gênero em escolas municipais. Ação está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes. Os ministros têm até 5 dias úteis para se manifestar.

t

Em 2017, o então PGR Rodrigo Janot ajuizou ação contra a lei 1.516/15, que assim dispõe:

Art. 1º Fica proibida a divulgação de material com referência a ideologia de gênero nas escolas municipais de Novo Gama-GO

Art. 2º Todos os materiais didáticos deverão ser analisados antes de serem distribuídos nas escolas municipais de Novo Gama-GO.

Art. 3º Não poderão fazer parte do material didático nas escolas em Novo Gama-GO materiais que fazem menção ou influenciem ao aluno sobre a ideologia de gênero.

Art. 5º Materiais que foram recebidos mesmo que por doação com referência a ideologia de gênero deverão ser substituídos por materiais sem referência a mesma.

Art. 6º Esta Lei entre em vigor na data da sua publicação.

Art. 7º Revogam-se as disposições em contrário.

No dia 20 de fevereiro deste ano, o ministro Alexandre de Moraes concedeu liminar pela suspensão imediata da lei de Novo Gama até o julgamento definitivo da ADPF 457. A decisão do foi baseada no entendimento que não cabe aos municípios legislarem sobre assuntos vinculados às diretrizes e bases da educação nacional, responsabilidade da União.

De acordo com a PGR, ao instituir, em sistema de educação municipal, a proibição de uso de material didático com referência a diversidade sexual, a referida lei invadiu competência da União. "É patente, portanto, a inconstitucionalidade da norma", disse.

Além disso, a PGR disse que a norma adota como fundamento um conceito "profundamente discutível", que contém impropriedades e irrazoabilidade inaceitáveis.

"'Ideologia', nesse caso, serve como palavra-disfarce. Por essa razão, não haveria utilidade em debater seu sentido na lei municipal. A proibição da Lei 1.516/2015 é discriminatória, porquanto violadora da laicidade do estado e dos direitos fundamentais à igualdade, à liberdade de ensino e de aprendizado, à proteção contra censura e à liberdade de orientação sexual."

Livre manifestação

A advogada Thaís Dantas, do programa Prioridade Absoluta, iniciativa do Instituto Alana, disse que uma escola que garanta a livre manifestação de pensamento, a liberdade de consciência e de crença e a pluralidade é uma escola em que o melhor interesse de crianças e adolescentes é, de fato, efetivo. "Por isso, é fundamental que o STF decida em favor da preservação destes direitos constitucionais", opiniou.

  • Processo: ADPF 457

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 19/4/2020 15:31

LEIA MAIS