quinta-feira, 22 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Crise institucional

Após derrotas no Supremo, Bolsonaro diz que não vai mais admitir interferências

Ao longo dos anos, presidente proferiu série de ataques ao STF e disse que "chegamos a um limite".

segunda-feira, 4 de maio de 2020

Antes mesmo de Bolsonaro assumir a presidência, seu "clã" já proferia ataques às instituições democráticas. Um episódio famoso se deu em meio às eleições presidenciais de 2018: o 03 disse que, para fechar o Supremo, bastariam "um cabo e um soldado".

O cenário permaneceu após o ingresso no Executivo e se agrava com o tempo. Após sofrer algumas derrotas no Supremo nos últimos dias, Jair Bolsonaro exaltou apoio dos militares, disse que "quase tivemos uma crise institucional" e que "não vai mais admitir interferências".

Derrotas

Uma crise política foi gerada no último dia 24, após Moro anunciar que deixaria o Executivo visto que não aceitava o fato de Bolsonaro se imiscuir na Polícia Federal. O presidente havia comunicado o então ministro da Justiça de que tiraria do comando da PF o diretor-Geral escolhido por Moro. Em troca, nomearia alguém de sua própria confiança.

Ato contínuo, Bolsonaro realizou o que anunciava: nomeou Alexandre Ramagem, amigo da família Bolsonaro, para o cargo. Mas a nomeação foi barrada por liminar do ministro Alexandre de Moraes, sob o entendimento de "viável ocorrência de desvio de finalidade do ato presidencial de nomeação".

A decisão gerou reações. Segundo a Folha de S.Paulo, o próprio presidente do STF, ministro Dias Toffoli, teria ficado contrariado com a decisão de Moraes, que recebeu acusações de estar fazendo "ativismo judicial". Contrariado, Bolsonaro disse que "quase tivemos uma crise institucional". "Faltou pouco."

Após ser provocado pela PGR, o ministro Celso de Mello autorizou abertura de inquérito para apurar acusações de Moro contra Bolsonaro. O mesmo ministro também autorizou investigação contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, por suposto crime de racismo cometido após ofensas, nas redes sociais, contra o povo chinês.

Outra "derrota" de Bolsonaro no Supremo aconteceu no último sábado, 2. O ministro Luís Roberto Barroso suspendeu a expulsão de funcionários da Embaixada da Venezuela que havia sido ordenada pelo presidente da República e pelo ministro das Relações Exteriores. A suspensão vale por 10 dias e o ministro requisitou, neste período, que o Executivo preste informações sobre a expulsão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 4/5/2020 14:38

LEIA MAIS