domingo, 26 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Ausência de ocupação lícita não impede causa de diminuição de pena em condenação por tráfico
Penal

Ausência de ocupação lícita não impede causa de diminuição de pena em condenação por tráfico

Sob esse entendimento, TJ/PR fixou regime inicial aberto ao réu.

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Ausência de ocupação lícita não impede causa de diminuição de pena em condenação por tráfico. Sob esse entendimento, a 4ª câmara Criminal do TJ/PR deu parcial provimento ao recurso proposto pelo réu e, com a nova dosimetria da pena, fixou o regime inicial aberto para cumprimento da pena.

t

Caso

Em 1ª instância, o acusado foi condenado a 5 anos e 10 meses de prisão. Segundo a juíza de origem, o réu não apresentou ocupação lícita.

A defesa interpôs recurso e apresentou a carteira de trabalho do acusado, que listava uma série de registros que comprovaram sua ocupação lícita. O réu argumentou também que não cabe ao apelante comprovar ocupação lícita, na medida em que o ônus da prova é da acusação.

Ao analisar o recurso, o desembargador Celso Jair Mainardi, relator, reconheceu o direito do réu ao tráfico privilegiado.

Para o magistrado, a fundamentação da juíza de origem não merece prosperar.

"A inexistência de ocupação lícita não está elencada como requisito para a aplicação da causa de diminuição de pena. Ademais, constata-se que o acusado não ostenta antecedentes criminais e inexistem provas concretas para se averiguar a sua dedicação às atividades criminosas ou que integre organização criminosa, de modo que a minorante de pena, na particularidade do caso, deve ser reconhecida e aplicada na fração de 2/3 (dois terços)."

O colegiado determinou, por unanimidade, que diante da reforma operada, a reprimenda definitiva a ser imposta ao réu seja fixada em um ano, 11 meses e 10 dias de reclusão, além do pagamento de 194 dias-multa, no mesmo montante fixado na sentença. 

O réu foi defendido pelo advogado Jessé Conrado.

Leia a decisão.

 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/6/2020 11:39

Patrocínio