terça-feira, 30 de novembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF decide que divisão proporcional de recursos para candidatos negros vale nas eleições 2020
Eleições

STF decide que divisão proporcional de recursos para candidatos negros vale nas eleições 2020

TSE havia decidido que a divisão proporcional do fundo eleitoral entre brancos e negros seria a partir de 2022, mas o plenário virtual do Supremo confirmou decisão de Lewandowski que antecipou aplicação para 2020.

sábado, 3 de outubro de 2020

O plenário do STF referendou decisão do ministro Ricardo Lewandowski para determinar que a divisão proporcional de recursos e propaganda eleitoral entre brancos e negros passa a valer já nas eleições municipais de 2020. Decisão se deu em meio virtual, por 10 votos a 1.

A confirmação foi proferida na ADPF 738, ajuizada pelo Psol - Partido Socialismo e Liberdade, que pedia imediata aplicação da decisão do TSE que, em agosto, aprovou a divisão proporcional das verbas referentes a campanha e propaganda em rádio e TV. Entretanto, essa decisão seria aplicada apenas a partir de 2022. 

tImagem: Nelson Jr./STF

Antecipação

O relator da ação, ministro Lewandowski, votou pelo referendo da medida cautelar por ele proferida anteriormente. Para S. Exa., a decisão do TSE não alterou o "processo eleitoral", sendo possível, portanto, sua aplicação já nas eleições municipais deste ano.

O ministro afirmou que o incentivo às candidaturas negras estabelecido no plenário do TSE "apenas introduziu um aperfeiçoamento nas regras relativas à propaganda, ao financiamento das campanhas e à prestação de contas, todas com caráter eminentemente procedimental".

Ao votar por referendar a decisão, o ministro afirmou que políticas públicas tendentes a incentivar a apresentação de candidaturas de pessoas negras aos cargos eletivos nas disputas  eleitorais, já a partir deste ano, "prestam homenagem aos valores constitucionais da cidadania e da dignidade humana, bem como à exortação, abrigada no preâmbulo do texto magno, de construirmos, todos, uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social, livre de quaisquer formas de discriminação".

Os ministros Barroso, Fachin, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Fux, Toffoli, Celso de Mello e Gilmar Mendes acompanharam o voto do relator.

Ao seguir o entendimento do relator, o ministro Alexandre de Moraes pontuou que a conquista da igualdade do voto, no mundo todo, foi essencial e necessária para o combate e a diminuição de todas as formas de discriminação, porém não suficiente.

"Há necessidade, também, de plena capacidade eleitoral passiva (elegibilidade), permitindo a todos que possam ser candidatos e mais do que isso, que possam ser votados disputando eleições em igualdade de condições, inclusive de recursos eleitorais."

Para o ministro, o histórico funcionamento do sistema político eleitoral brasileiro perpetua a desigualdade racial, pois, tradicionalmente, foi estruturado nas bases de uma sociedade "ainda, e lamentavelmente, racista".

Divergência

O ministro Marco Aurélio foi o únco a divergir. Em seu voto, o ministro indaga o que falta para afastar as discriminações e exclusões raciais. A resposta, para o ministro, está na mudança cultural e conscientização maior dos brasileiros. "Falta a percepção de que não se pode falar em Constituição Federal sem levar em conta, acima de tudo, a igualdade. Cumpre saldar essa dívida, ter presente o dever cívico de buscar tratamento igualitário".

Na visão do ministro, é preciso chegar às ações afirmativas. "Necessário fomentar a representatividade racial. Implementar providências voltadas aos grupos desfavorecidos, historicamente à margem da sociedade, dando-lhes condições de ombrear com os detentores do poder". Assim, segundo S. Exa. uma das formas mais assertivas de corrigir desigualdades é com a força da lei.

O ministro explicou que vê a decisão do TSE como sendo sadia e bem-vinda, desde que observado princípio da legalidade estrita. Mas, segundo afirmou, o Supremo não se furtou a enfrentar matérias sensíveis e sim, em conformidade com os ditames constitucionais. Por isso asseverou que "ausente disciplina, não se justifica a atuação como legislador positivo, no sentido de prescrever medidas direcionadas a promover candidaturas de pessoas negras".

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 3/10/2020 13:39