segunda-feira, 19 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

PCC

André do Rap tem condenação mantida no STJ por tráfico internacional de drogas

6ª turma negou recurso de líder do PCC contra decisão do TRF da 3ª região e manteve pena de 15 anos.

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

A condenação de André de Oliveira Macedo, o André do Rap, à pena de 15 anos, seis meses e 20 dias pelo crime de tráfico internacional de drogas foi mantida pela 6ª turma do STJ. Juntamente com outros réus, André do Rap foi investigado e denunciado no âmbito da Operação Oversea, deflagrada pela Polícia Federal em 2014.

(Imagem: Divulgação/Reprodução )

(Imagem: Divulgação/Reprodução )

Ao manter decisão monocrática do relator, ministro Rogerio Schietti Cruz, o colegiado aplicou as súmulas 7 e 182 do STJ, por entender que não seria possível analisar o mérito do recurso do réu.

De acordo com o MPF a organização criminosa se especializou no envio de drogas para o exterior, em especial para a Europa, a partir do Porto de Santos, em São Paulo, com a utilização de contêineres.

Em primeira instância, André do Rap foi condenado a 12 anos de reclusão, em regime inicial fechado. Já em segunda instância, o TRF da 3ª região acolheu parcialmente as apelações do MPF para condenar o réu também pelo crime de associação criminosa e da defesa, para reduzir a sanção penal em uma das fases da dosimetria da pena.

Publicidade

Recurso

André do Rap alegou, em agravo regimental para a 6ª turma, que o TRF-3 teria utilizado fundamentos genéricos ao não admitir o recurso especial. A defesa também apresentou argumentos na tentativa de afastar a aplicação das Súmulas 7 e 182, para que fosse analisado o mérito do recurso, com questionamentos sobre a decretação da quebra de sigilo telefônico e outros pontos.

O ministro Rogerio Schietti apontou que, ao impugnar a negativa de seguimento ao recurso especial, a defesa não contestou especificamente todos os fundamentos adotados pelo TRF3 em sua decisão, o que atrai, efetivamente, a aplicação da Súmula 182 do STJ.

"Ressalto que, embora a defesa haja dito, no regimental, que o agravo interposto anteriormente infirmou as questões relacionadas à incidência do óbice da Súmula 83 do STJ e à ausência de demonstração do dissídio jurisprudencial, não combateu, mais uma vez, a negativa de seguimento do recurso especial com base na Súmula 7 do STJ - circunstância bastante, por si só, para obstar o conhecimento do agravo", concluiu o ministro.

Prisão e soltura 

André do Rap cumpria preventiva no interior de São Paulo até a semana passada, quando um HC foi concedido pelo ministro Marco Aurélio do STF. Logo após, o ministro Fux revogou a decisão, mas o traficante já havia deixado a prisão e está foragido. 

Informações: STJ.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 14/10/2020 13:13

LEIA MAIS