quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Universidade deve realizar matrícula de aluna negra como cotista em curso de Direito
Educação

Universidade deve realizar matrícula de aluna negra como cotista em curso de Direito

Instituição negou matrícula devido a aluna ter estudado em escola particular. No entanto, juíza observou que ela era bolsista integral, demonstrando sua hipossuficiência.

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

A juíza Nária Cassiana Silva Barros, da 1ª vara Cível de Paranaíba/MS, determinou que uma instituição de ensino superior torne definitiva a matrícula de uma aluna negra no curso de Direito como cotista. Consta nos autos que, apesar de ter os requisitos para ser cotista, a universidade barrou a matrícula da aluna de maneira ilegal.

(Imagem: Freepik.)

(Imagem: Freepik.)

Segundo a aluna, ela foi aprovada para o curso de Direito, preenchendo a 17ª colocação das vagas disponíveis para negros. Apontou que ao ser convocada para participar da banca avaliadora dos traços fenotípicos foi aprovada e sua matrícula foi deferida. Porém, iniciadas as aulas, foi surpreendida com um e-mail informando que sua matrícula havia sido indeferida, pois o histórico do ensino médio apresentado não era de escola pública.

Assim, pediu tutela de urgência para que a universidade seja obrigada a manter sua matrícula no curso de Direito e, no mérito, buscou a confirmação da regularidade da matrícula para o qual foi aprovada.

Citada, a instituição de ensino alegou que o fato de ter concluído o ensino médio em escola privada contraria as normas institucionais e o próprio edital.

Na decisão, a juíza ressaltou que o motivo pelo qual a matrícula foi indeferida não merece prosperar, pois a aluna apresentou declaração de que, apesar de ter concluído o ensino médio em escola privada, o fez na condição de bolsista integral e demonstrou sua hipossuficiência.

"A conduta da instituição, mais que discriminatória, é ilegal. Desse modo, tal ilegalidade deve ser extirpada pelo judiciário, por ser medida de justiça", finalizou a juíza.

Informações: TJ/MS.

Publicidade

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/11/2020 10:22