terça-feira, 26 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Partido político aciona STF contra ato de Bolsonaro que zerou imposto de importação de armas
Tributos

Partido político aciona STF contra ato de Bolsonaro que zerou imposto de importação de armas

A ação foi ajuizada pelo PSB contra resolução que zerou a alíquota de importação de revólveres e pistolas. A ação está sob relatoria do ministro Fachin.

domingo, 13 de dezembro de 2020

O PSB - Partido Socialista Brasileiro ajuizou no STF ação contra a resolução 126/20 do Comitê Executivo de Gestão da Câmara do Comércio Exterior que zerou a alíquota de importação de revólveres e pistolas. A ação foi distribuída ao ministro Edson Fachin.

(Imagem: Pexels)

(Imagem: Pexels)

O partido argumenta que, com a redução da alíquota, antes fixada em 20%, a dedução estimada dos preços dessas armas pode chegar a 40% do preço atual, o que eventualmente acarretará maior número de armas de fogo em circulação. A alteração, afirma, não assegura os direitos fundamentais. Ao contrário, coloca em risco a segurança da coletividade, ao facilitar a inserção de armas no mercado.

Publicidade

Segundo o PSB, a norma viola expressamente o texto constitucional, ao desrespeitar o direito social à segurança pública e o direito fundamental à vida e à dignidade da pessoa humana. A legenda aponta ainda ofensa ao princípio da reserva legal, pois a medida constitui isenção de tributo para a entrada de armas estrangeiras no país, o que demanda edição de lei ordinária específica.

Ao pedir a suspensão imediata da eficácia da norma, que entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2021, o partido ressaltou que, com a medida, as indústrias armamentistas brasileiras perdem competitividade no mercado, com impacto no desenvolvimento econômico e industrial nacional.

O escritório Carneiros e Dipp Advogados patrocina a causa. Acerca da resolução contestada, o advogado Rafael Carneiro observa que "a medida coloca em risco a segurança da coletividade, ao facilitar a inserção de armas no mercado. Além disso, não há nenhum interesse social em zerar a alíquota de importação de armas em um país que paga altos impostos sobre outros itens essenciais, especialmente se considerarmos o momento atuais de combate à pandemia com aumento da despesa pública. Há uma clara inversão de valores". 

  • Processo: ADPF 772

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 14/12/2020 12:01