sábado, 15 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STF

Exonerado por Fux diz que superiores sabiam do pedido de vacina

"Nunca realizei ato sem a ciência dos meus superiores", disse o médico.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

O médico Marco Polo Dias Freitas, que foi exonerado pelo ministro Luiz Fux, presidente do STF, disse em entrevista à Folha de S. Paulo que "nunca realizou ato administrativo sem a ciência" de seus superiores.

O servidor ocupava o cargo de secretário de Serviços Integrados de Saúde da Suprema Corte há seis anos e perdeu a função de chefia após o pedido de reserva de 7 mil doses da vacina contra a covid-19 à Fiocruz para funcionários do tribunal.

(Imagem: Nelson Jr/STF)

(Imagem: Nelson Jr/STF)

Na segunda-feira, 28, Fux disse que o pedido foi feito sem o seu conhecimento. O médico, por sua vez, afirmou que, "nestes 11 anos no STF, nunca realizei nenhum ato administrativo sem a ciência e a anuência dos meus superiores hierárquicos".

"Em relação às notícias veiculadas na imprensa que envolvem meu nome, informo: tenho 33 anos de serviços públicos prestados à comunidade. Sou médico concursado do STF desde setembro de 2009. Fui secretário da Secretaria de Serviços Integrados de Saúde do STF nas gestões do Excelentíssimo Senhor Ministro Ricardo Lewandowski, da Excelentíssima Senhora Ministra Cármen Lúcia e do Excelentíssimo Senhor Ministro Dias Toffoli, com reconhecimento pelos serviços prestados."

Publicidade

Relembre

O Supremo pediu à Fiocruz, em ofício enviado no dia 30/11, a reserva de sete mil doses de vacina para que elas sejam destinadas à imunização de ministros e servidores da Corte e do CNJ.

No ofício da Corte, explica-se que "tal ação tem dois objetivos principais. O primeiro é a imunização do maior número possível de trabalhadores de ambas as casas, que desempenham papel fundamental no país e têm entre suas autoridades e colaboradores uma parcela considerável de pessoas classificadas em grupos de risco".

Já o segundo, conforme trecho do documento, é de que "a realização da campanha por este Tribunal é uma forma de contribuir com o país nesse momento tão crítico da nossa história, pois ajudará a acelerar o processo de imunização da população e permitirá a destinação de equipamentos públicos de saúde para outras pessoas".

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 30/12/2020 10:02

LEIA MAIS