quarta-feira, 5 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Vacinação

Lewandowski proíbe União de requisitar seringas e agulhas já compradas por Estado de SP

O ministro do STF afirmou: "a requisição administrativa não pode se voltar contra bem ou serviço de outro ente federativo".

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, deferiu liminar para impedir que a União requisite insumos contratados e já pagos pelo Estado de São Paulo, como seringas e agulhas, para o plano de imunização contra a covid-19.

Caso os materiais comprados por SP já tenham sido entregues à União, o ente Federal deverá devolvê-los em 48 horas.

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF )

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF )

A ação foi ajuizada pelo Estado de SP sob o argumento de que firmou contrato com uma empresa de fornecimento de seringas e agulhas, inclusive, com pagamentos já empenhados.  No entanto, teve notícia de que a União requisitou a mesma empresa todo o estoque de agulhas e seringas daquela empresa, que deveriam ser disponibilizadas ao ministério da Saúde até as 12 horas de hoje.

Publicidade

Ao apreciar o caso, o ministro Lewandowski observou que na "histórica jurisprudência" do STF, "a requisição administrativa não pode se voltar contra bem ou serviço de outro ente federativo, de maneira a que haja indevida interferência na autonomia de um sobre outro".

O ministro citou alguns julgados:

  • ACO 3.393/MT: ministro Barroso suspendeu ato "por meio do qual a União requisitou cinquenta ventiladores pulmonares adquiridos junto a empresa privada".
  • MS 25.295/DF: o plenário do STF concedeu a ordem requerida pelo município do Rio de Janeiro, considerando incabível a interferência da União sobre hospitais municipais.
  • ACO 3.385/MA: ministro Celso de Mello deferiu cautelar para determinar a entrega ao Estado do Maranhão de ventiladores pulmonares previamente adquiridos por meio de contrato administrativos.

Lewandowski levou em conta que os produtos requisitados já foram objeto de contratação e empenho pelo Estado de São Paulo, visando, justamente, o uso nas ações de imunização contra a covid-19 a serem empreendidas por aquele ente federativo.

"Observo, ademais, que a incúria do Governo Federal não pode penalizar a diligência da Administração do Estado de São Paulo, a qual vem se preparando, de longa data, com o devido zelo para enfrentar a atual crise sanitária."

Por fim, deferiu a cautelar que deverá ser remetida ao plenário para análise de referendo.

Veja a decisão. 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/1/2021 16:40

LEIA MAIS