segunda-feira, 10 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Dia da Mulher

Advogadas encaram machismo e desafios para liderar escritórios

Em entrevista ao Migalhas, profissionais disseram que nós ainda vivemos em um modelo, inclusive de trabalho, que é muito pautado pela lógica masculina.

segunda-feira, 8 de março de 2021

Em pesquisa divulgada no último ano, a Women in Law Mentoring Brasil mostrou que as mulheres advogadas ainda estão longe de ocupar a posição de sócias nos escritórios de advocacia. Dos 3.715 profissionais entrevistados, apenas 34% são causídicas em posição de sócia de capital. 

A partir deste cenário, conversamos com sete profissionais, que contaram as dificuldades, desafios e alegrias de ser uma mulher em posição de liderança nos escritórios de advocacia.

Empoderamento

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Ana Paula Braga e Marina Ruzzi são fundadoras do Braga & Ruzzi Sociedade de Advogadas, um escritório pioneiro no ramo da advocacia para mulheres e causas que envolvem desigualdade de gênero e direitos LGBT+.

Segundo Marina, nós ainda vivemos em um modelo, inclusive de trabalho, que é muito pautado pela lógica masculina. "Não temos de nos sujeitar a esse tipo de liderança, a gente pode criar os nossos próprios caminhos", afirmou.

Ana Paula complementa e diz que as mulheres são capazes e podem estar onde quiserem. "Temos que encarar um tanto de machismo para provarmos que somos capazes e competentes", diz.


Líderes autênticas

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Juliana Martinelli assumiu em abril de 2020, no auge da pandemia, o desafio de tornar-se CEO do escritório Martinelli Advogados, que conta com 60,5% de colaboradoras do sexo feminino.

De acordo com a advogada, os desafios de ser uma mulher em posição de liderança vêm de várias naturezas, tanto pessoais quanto profissionais.

Aspas"A posição de liderança requer um comprometimento e até um dispêndio de tempo e de energia que torna tudo mais desafiador."

 

Para Juliana, do ponto de vista profissional, a liderança ainda é um papel muito atribuído aos homens.

Aspas

"Um desafio importante é a própria mulher se enxergar como líder de forma autêntica, não tentar ser um homem e sim explorar o que ela, como mulher, tem de bom e de único e que pode agregar muito em uma liderança: a empatia, a adaptabilidade, a resolução de conflitos, essas soft skills que são tão importantes para um líder."

Ela deixa, ainda, um recado para as outras mulheres: "acreditem em vocês e tenham a confiança de que vocês podem e devem buscar posições cada vez mais altas".


Feminilidade como vantagem

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Gabriela Sallit é sócia-fundadora da banca Sallit Magalhães - Sociedade de Advogadas, um escritório só de mulheres e que atende prioritariamente pessoas do sexo feminino.

Segundo Sallit, é muito importante que as jovens advogadas conheçam líderes mulheres.

Aspas

"Trabalhar com gestoras, sócias e gerentes mulheres, que entendem a sua feminilidade como uma vantagem competitiva, é algo muito desejável, até porque permite o espelhamento."

 

A profissional diz também que as mulheres tendem a instituir gestões mais horizontais, e com isso elas são formadas de líderes.

Gabriela cita, ainda, a recente decisão da OAB que instituiu a paridade de gênero. De acordo com a advogada, foi uma aprovação "importantíssima e uma reparação histórica".

Aspas

"Além de carregar todos os desafios que as mulheres enfrentam no dia a dia, nós [mulheres em posição de liderança] ainda temos que provar que as nossas características pessoais são adequadas e vantajosas ao ambiente corporativo."

Sallit acredita que as mulheres são mais flexíveis, resilientes e capazes de criar um ambiente de cooperação, o que é, segundo ela, é fundamental para os escritórios e para os clientes.


Vida pessoal x Vida profissional

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Na opinião de Larissa Fortes de Almeida, sócia do escritório Andrade Maia Advogados, a principal dificuldade de assumir um cargo de liderança é a conciliação da vida pessoal com as escolhas profissionais.

No escritório em que ela trabalha, 59% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres - 53% do quadro societário e 75% da gestão administrativa. Para a advogada, em um mercado dominado pelo sexo masculino, este fato é de muito orgulho e vanguarda.

De acordo com Larissa, sua função atual representa o atingimento de uma meta de carreira jurídica que antes era restrita ao universo masculino.

Ela aproveita para deixar uma mensagem de otimismo para outras advogadas: "É cansativo, é desgastante, mas é possível. Não desistam do sonho de vocês e vamos cada vez mais ocupar mais espaços na nossa sociedade".


Ser sempre mais

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Atuante na área do Direito há mais de 30 anos, Zoe Molina, sócia-fundadora do escritório Molina & Reis Sociedade de Advogados, acredita que a mulher deve, sim, se colocar em um pedestal e lutar pela sua liberdade, autonomia e liderança.

Para Zoe, a mulher tem que ser sempre mais: mais especializada, mais inteligente, mais atuada e mais antenada. "Temos que estar sempre nos postando como fortes e quebrando barreiras", diz.

Em uma mensagem de incentivo, a advogada diz que as mulheres são fortes e capazes. "Criem e acreditem na sua própria expectativa", aconselha.

Aspas

"Façam de combustível todas as ingerências que encontrarem."

 


Não desista

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A advogada criminal Maíra Fernandes pondera que a advocacia já tem os seus desafios, mas que para as mulheres há ainda uma dificuldade adicional.

Aspas

"Nós temos que demonstrar permanentemente a nossa competência, num grau de exigência que me parece um pouco maior do que os homens."

Segundo Maíra, ainda assim isso não é motivo para desistir. Ela deixa uma mensagem de incentivo:

Aspas

"Não há proibição de ocupação de espaços. Nós podemos ser o que quisermos e ocuparmos todos os espaços que desejarmos."

_______

t

t

t

 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/3/2021 09:51

LEIA MAIS