sábado, 16 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STJ valida leilão da obra "A Caipirinha", de Tarsila do Amaral
Penhora

STJ valida leilão da obra "A Caipirinha", de Tarsila do Amaral

3ª turma negou recurso do filho do dono da obra, que alegava que comprou o quadro do pai.

terça-feira, 27 de abril de 2021

A 3ª turma do STJ, nesta terça-feira, 27, negou recurso que buscava suspender o leilão da obra "A Caipirinha", de Tarsila do Amaral. O filho do dono da obra, que foi penhorada, buscava invalidar o arremate de R$ 57,5 milhões, alegando que teria comprado o quadro do pai. O colegiado, no entanto, considerou que houve simulação da venda.

(Imagem: Divulgação/Ding Musa)

(Imagem: Divulgação/Ding Musa)

Na origem, trata-se de ação de execução ajuizada por várias instituições financeiras contra o banqueiro Salim Taufic Schahin, que resultou na penhora da obra A Caipirinha, de Tarsila do Amaral.

No julgamento de embargos de terceiro opostos pelo filho do devedor - segundo o qual, seu pai lhe teria vendido o quadro -, o juiz negou o pedido de levantamento da penhora da obra, decisão mantida pelo TJ/SP.

Para o tribunal, houve simulação da venda da obra de arte pelo devedor, o que acarreta a nulidade do negócio. O TJ/SP também negou a possibilidade de reconhecimento de doação, pois não teria sido comprovada a intenção do devedor de doar o quadro.

No final do ano passado, o relator, ministro Moura Ribeiro negou pedido que buscava suspender o leilão da obra, mas determinou o bloqueio, em conta judicial, da quantia arrecadada com a venda. A obra foi leiloada por R$ 57,5 milhões.

Simulação

Na sessão desta terça-feira, o relator ressaltou que a simulação é motivo de nulidade e não de anulabilidade do negócio jurídico.

S. Exa. destacou, ainda, que a Súmula 195 é anterior ao Código Civil de 2002, assim, não há como se afastar o entendimento que chegou o TJ/SP no sentido de que, sendo a simulação causa de nulidade absoluta do negócio jurídico, prescinde de ação própria.

"O filho sustenta que o pai vendeu a obra por R$ 240 mil. Se esqueceu que compra e venda têm coisa, preço e consenso. Não conseguiu demonstrar o pagamento do valor que levou o TJ/SP a reconhecer a simulação."

Para Moura Ribeiro, se não circulou dinheiro, então doação, deve ter sido verbal, mas a doação desse modo só vale juridicamente se for de imóvel de pequeno valor. "R$ 240 mil é dinheiro 'pra chuchu', até mesmo para esta família", disse o ministro.

Dessa forma, negou provimento ao recurso.

  • Processo: REsp 1.927.496

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 27/4/2021 16:07