sexta-feira, 25 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF analisará caso de acusado de estelionato na venda de carro

Publicidade

Sessão | Julgamento

STF analisará caso de acusado de estelionato na venda de carro

Edson Fachin, relator, votou por intimar o ofendido/vítima do estelionato para saber se ele tem interesse na persecução penal.

terça-feira, 8 de junho de 2021

(Imagem: Freepik)

(Imagem: Freepik)
Nesta terça-feira, 8, a 2ª turma do STF retomou julgamento de HC no qual os ministros analisam se há inépcia na inicial contra um homem acusado de estelionato por ter vendido para uma outra pessoa o carro que seu vizinho deixou na loja no regime de consignação.

Em razão do adiantado da hora, o debate foi suspenso e será retomado na próxima semana. 

O dono de uma revendedora de automóveis foi acusado de estelionato por ter vendido para uma outra pessoa o carro que seu vizinho deixou na loja no regime de consignação. O homem, por conseguinte, foi acusado de receber vantagem indevida de R$ 84 mil (valor que teria vendido o automóvel).

O caso chegou ao STJ, que entendeu que a denúncia está apta a dar início à persecução penal. O paciente, no entanto, argumentou pela inépcia da inicial acusatória. Para o acusado, faltou justa causa para a instauração da ação penal, "uma vez que se trata tão somente de um malsucedido contrato de consignação de veículo".

Em fevereiro de 2020, Edson Fachin apreciou o caso e manteve a decisão do STJ. O ministro observou que a denúncia, além de individualizar a conduta do acusado, demonstrou com precisão os fatos a ele atribuídos, apontando de forma inequívoca a convicção do Ministério Público quanto à autoria e à materialidade do delito.

Há interesse na persecução penal?

Na tarde de hoje, Edson Fachin negou a ordem, no entanto, defiro o pedido incidental para determinar que o ofendido/vítima se manifeste se tem interesse na persecução penal.

O ministro salientou que o inquérito policial está instruído com o termo de quitação mútua, tendo sido o automóvel restituído à suposta vítima, que não suportou qualquer prejuízo, faltando justa causa para a instauração da ação penal, uma vez que se trata tão somente de um malsucedido contrato de consignação de veículo.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/6/2021 17:59

LEIA MAIS