quinta-feira, 29 de julho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Juiz é punido por assédio sexual contra estagiárias
Assédio sexual | Magistratura

Juiz é punido por assédio sexual contra estagiárias

Segundo o depoimento de uma das estagiárias, o juiz chegou a pedir uma foto de biquíni ou, então, "um abraço bem gostoso".

sexta-feira, 18 de junho de 2021

O CNJ puniu o juiz Glicério de Angiolis Silva, do TJ/RJ, com a pena de disponibilidade com vencimentos proporcionais por tempo de serviço. Ele respondia por assédio sexual e moral contra estagiárias e servidores e servidoras das comarcas de Miracema, Lage de Muriaé e Piracambi.

No PAD instaurado contra o juiz, ficou registrado que o magistrado gritava com profissionais das equipes, causando situação humilhante. Com relação ao assédio sexual, o magistrado abordava estagiárias de forma inconveniente, com convites intempestivos e contatos físicos inadequados ao ambiente de trabalho, inclusive na presença de outras pessoas. Segundo o depoimento de uma das estagiárias, o juiz chegou a pedir uma foto de biquíni ou, então, "um abraço bem gostoso".

(Imagem: Pexels)

(Imagem: Pexels)

Em sua defesa, o juiz afirmou que, à época dos fatos, era uma pessoa solteira, se sentia livre e teve todas as interlocuções com as partes consideradas assediadas de forma educada e discreta.

Ao analisar o caso, o conselheiro Marcos Vinícius Jardim votou por aplicar a pena de disponibilidade. O conselheiro considerou o histórico do juiz "um profissional operoso, dedicado e que trouxe inúmeros efetivos àquelas comarcas", porém, Marcos Vinícius Jardim entendeu que tais fatos não prescindem do comportamento adequado no seu oficiar.

A pena de disponibilidade, entre outras sanções, veda ao magistrado exercer outras funções, como advocacia ou cargo público, salvo um de magistério superior, além de impactar a progressão na carreira da magistratura. Após afastamento de dois anos, o juiz poderá solicitar seu retorno ao trabalho, cabendo ao tribunal de origem, no caso o TJ/RJ, decidir o pleito.

Informações: CNJ

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 18/6/2021 17:33

LEIA MAIS