quinta-feira, 29 de julho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF autoriza caça para fins científicos ou controle de espécies em SP
Constituição estadual

STF autoriza caça para fins científicos ou controle de espécies em SP

Ministros mantiveram norma paulista que proíbe a caça em todo o Estado, mas admitiram em casos excepcionais.

segunda-feira, 21 de junho de 2021

O STF analisou a Constituição de São Paulo, que proíbe a caça, sob qualquer pretexto, em todo o Estado. Os ministro, à unanimidade, conferiram interpretação conforme a Constituição Federal à expressão "sob qualquer pretexto", no sentido de admitir a autorização da caça unicamente para fins de pesquisa científica ou para controle populacional de espécies que ameacem o equilíbrio ambiental, em ambos os casos, mediante autorização do Poder Público.

(Imagem: Unsplash)

Constituição paulista proíbe a caça em todo o Estado. (Imagem: Unsplash)

A ação foi proposta pelo procurador-geral da República, a partir de provocação da Associação Brasileira de Caça e Conservação, contra o artigo 204 da Constituição paulista, que proíbe a caça em todo o Estado.

De acordo com a ação, a norma é inconstitucional, pois, em seu entendimento, a lei Federal 5.197/67, que regula a matéria, não teria proibido a caça, o que inviabilizaria sua proibição por um estado-membro da federação. Alegou violação ao artigo 24, parágrafo 1º da Constituição Federal, que diz competir à União estabelecer normas gerais sobre o tema.

O relator, ministro Dias Toffoli, salientou que a lei Federal, ao contrário do que é alegado na ação, proíbe a caça, admitindo exceções unicamente quando as peculiaridades regionais comportarem essa prática. Observou que, ainda assim, a regulamentação deve ocorrer por meio de norma Federal.

O ministro destacou que a lei 5.197/67 é compatível com os princípios da CF/88 relativos à proteção à fauna. Segundo S. Exa., a competência concorrente dos estados membros sobre o tema refere-se unicamente a suplementar a norma Federal para adequá-la às características locais.

No entendimento do relator, a autorização da caça deve se ater às peculiaridades regionais e levando em conta os ecossistemas locais. Para o ministro, não há dúvidas de que os Estados podem definir onde, como, quando e em quais situações é possível exercer a atividade de caça, mas podem também reforçar a proteção e preservação da fauna local.

"Não há dúvida de que em um país com dimensões continentais como o Brasil, em que há uma atividade industrial muito intensa em algumas regiões como o Sudoeste, mas, ao mesmo tempo, possui uma das maiores biodiversidades do planeta, com ecossistemas bastante diferenciados e únicos, como é o caso Amazônia, a maior floresta tropical do planeta, do Cerrado, da Mata Atlântica, do Pantanal, da Caatinga nordestina, dos Lençóis Maranhenses, é de se esperar que a tutela dos bens ambientais, inclusive da fauna silvestre, seja feita de acordo com as características de cada região."

Toffoli destacou que laudos de diversos órgãos públicos estaduais e da própria secretaria estadual de meio ambiente atestam a escassez de animais, inclusive em regiões distantes da capital e de outros centros urbanos, e também a redução da cobertura vegetal local.

"É possível concluir dessas informações colacionadas aos autos, que, no Estado paulista, à época da promulgação da Constituição estadual, praticamente todas as espécies estavam ameaçadas de extinção, e muitas já extintas. Essa situação pode estar ainda pior nos dias atuais."

Segundo o ministro, a norma da Constituição paulista visa à proteção do meio ambiente, atendendo às diretrizes da Constituição Federal para a defesa e proteção das espécies em risco de extinção. "Não se trata, portanto, de vedação arbitrária, mas plenamente justificável e imprescindível para atender suas necessidades", completou.

Dessa forma, julgou parcialmente procedente a ação para tão somente conferir interpretação conforme a Constituição Federal à expressão "sob qualquer pretexto", esclarecendo que não se incluem nessa vedação a destruição para fins de controle e a coleta para fins científicos, previstas, respectivamente, nos artigos 3º, § 2º, e 14, ambos da lei Federal 5.197/67.

Os ministros seguiram o entendimento de Toffoli à unanimidade.

  • Processo: ADIn 350

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/6/2021 13:53

LEIA MAIS