quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Bolsonaro critica novamente exame da OAB: "prova para poder trabalhar"
Prova | OAB

Bolsonaro critica novamente exame da OAB: "prova para poder trabalhar"

Declaração aconteceu ontem, durante uma solenidade do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares.

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Nesta quarta-feira, 24, durante uma solenidade do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o exame da OAB:

"Eu não consigo entender que uma pessoa faz cinco anos de Direito e depois tem que fazer uma prova para poder trabalhar. Imagine comigo isso. Eu faço quatro anos de Academia das Agulhas Negras e depois tenho que fazer uma prova para saber se eu posso ou não ser oficial do Exército, assim como para todas as profissões."

Em seguida, o presidente disse que em seu governo já tentaram estender essa prova para outras atividades e deu uma alfinetada no ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

"Queriam estender essa prova para várias outras atividades, como, por exemplo, a medicina. Um colega que, no começo do mandato, além do protocolo do 'fique em casa', queria também praticamente extinguir o revalida no Brasil."

Luta contra a carteira da OAB

Em diversas oportunidades, Bolsonaro demonstrou seu descontentamento com o exame da OAB. Em outubro de 2020, o presidente encontrou-se com apoiadores diante do Palácio da Alvorada e afirmou que "não pode a pessoa se formar e não poder trabalhar".

Já em maio do ano passado, ao responder um bacharel sobre "direito ao trabalho" dos advogados, o presidente falou da dificuldade em passar o tema no Congresso: "eu acho justo, fez faculdade tem que trabalhar. Não tem que fazer exame de Ordem, que é um caça-níquel, muitas vezes".

Em 2007, quando era deputado Federal, Bolsonaro propôs o PL 2.426/07, a fim de que fosse extinto o exame. O projeto foi apensado a um outro de 2005, proposto por Max Rosenmann, com mesmo tema. Os textos ficaram na gaveta e aguardam o parecer do relator na CCJ.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 25/11/2021 10:24