MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Migalhas Quentes >
  4. TJ/SP valida lei municipal que obriga alerta de racismo em eventos esportivos
Luta contra preconceito

TJ/SP valida lei municipal que obriga alerta de racismo em eventos esportivos

Prefeitura alegava que a Câmara Municipal de Martinópolis/SP excedeu sua competência legislativa ao legislar sobre questões de exclusividade do Poder Executivo.

Da Redação

quarta-feira, 15 de maio de 2024

Atualizado às 11:42

O Órgão Especial do TJ/SP decidiu ser constitucional parte da lei 3.391/23, de Martinópolis/SP, que trata da obrigatoriedade de alertas sobre racismo e injúria racial em eventos esportivos do município. A ação direta de inconstitucionalidade, instaurada pela prefeitura, argumentava que a Câmara Municipal havia excedido sua competência ao legislar sobre questões reservadas ao Executivo.

Ao avaliar o caso, o desembargador Melo Bueno, relator do caso, entendeu que os art. 1º, parágrafo único, 4º, 5º e 7º da lei são constitucionais, por não invadirem a competência legislativa do prefeito nem imporem obrigações aos órgãos públicos, não interferindo na administração municipal ou estabelecendo prazos.

 (Imagem: Freepik)

Lei que obriga divulgação de alerta sobre racismo em eventos esportivos em Martinópolis é constitucional, decidiu OE do TJ/SP.(Imagem: Freepik)

Por outro lado, o relator concluiu que os arts. 2º, parágrafo único, 3º e 6º foram são inconstitucionais, uma vez que falham ao ditar à Administração Pública como cumprir as obrigações estabelecidas no art. 1º, violando os princípios da Reserva da Administração e da Separação dos Poderes.

"Ao determinar os meios (telão ou sistema de altofalantes) e a forma de divulgação do alerta de que trata a lei questionada (na abertura e, quando existente, no intervalo de todos os eventos esportivos), seu teor (texto código penal) e as dimensões da placa informativa, além da destinação das multas aplicadas, tais dispositivos (artigos 2º, parágrafo único, 3º e 6º) interferem no funcionamento e, na prática da gestão administrativa, usurpando a competência reservada ao Chefe do Executivo e violando o princípio da separação dos poderes."

Leia a decisão.

Patrocínio

Patrocínio Migalhas