sexta-feira, 25 de setembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Justiça mineira reconhece direito de homossexual de receber pensão por morte do seu companheiro


Direitos iguais

Justiça mineira reconhece direito de homossexual de receber pensão por morte do seu companheiro

O juiz Wanderley Salgado de Paiva, da 30ª Vara Cível de Belo Horizonte, concedeu a um homossexual o direito de receber, de uma instituição de previdência, a pensão por morte do seu companheiro. Determinou, também, o pagamento do débito em atraso, retroativo à data do óbito.

"O indivíduo, na sua condição homossexual, tem o direito constitucional de não ser discriminado, tendo no ordenamento jurídico o livre acesso à justiça para garantir direito seu de natureza fundamental. Assim, o princípio da não-discriminação, arrimo da igualdade entre os cidadãos, deve ser resguardado para que nunca perca sua efetividade", avaliou o magistrado.

O rapaz declarou que a sua união era estável, reconhecida e registrada em cartório. Quando seu companheiro faleceu, ele requereu a pensão junto ao INSS e à instituição. O órgão público acatou o pedido, mas a instituição financeira não. Requereu, então, em juízo, o recebimento da pensão e o pagamento dos atrasados.

Alegando "falta de amparo regular previsto em seu estatuto", a instituição negou-se a pagar o benefício. Declarou que as normas do plano de previdência são taxativas, não cabendo interpretação extensiva. "Somente é reconhecido o direito ao companheiro que assim for definido segundo a legislação vigente, e a legislação brasileira não reconhece a união entre pessoas do mesmo sexo", completou.

O magistrado frisou que a legislação vigente regula a família do início do século passado, declarando a proteção do Estado à união estável entre o homem e a mulher, mas não pretendeu excluir a união homoafetiva. "A lacuna existente na legislação não pode servir como obstáculo para o reconhecimento de um direito", acrescentou.

No seu entendimento, se a legislação evoluiu ao tempo e modo da sociedade, não pode o anacronismo servir de escusa para a injustiça. "É dever do julgador se pautar pela obediência à lei, mas sem prejuízo daquele a quem esta se destina: o indivíduo", salientou o juiz.

Para ele, uma vez reconhecida a união estável homoafetiva, a dependência entre os companheiros e o caráter de entidade familiar à relação, "seria hipocrisia não admitir o relacionamento homossexual para efeitos previdenciários, sendo que a sociedade não mais tolera tal discriminação", completou.

  • N° do Processo 07.776452-0.

__________
______________

  • Leia mais

4/4/08 - Empate no julgamento adia decisão sobre união estável homoafetiva no STJ - clique aqui.

28/3/08 - STJ - Reconhecimento de união estável entre homossexuais volta a julgamento em abril - clique aqui.

3/3/08 - STF - Governador do RJ quer equiparar união homossexual a união estável - clique aqui.

5/10/07 - TJ/MG - Juiz reconhece união de duas mulheres - clique aqui.

21/5/07 - Revista Veja - A Justiça busca como lidar com os conflitos que surgem na nova família brasileira - clique aqui.

14/5/07 - TJ/SC - Companheira homossexual receberá pensão de servidora pública - clique aqui.

6/3/07 - Justiça do RJ reconhece direito de parceiro homossexual receber pensão de servidor municipal - clique aqui.

5/2/07 - TJ/GO - Reconhecida união estável entre homossexuais - clique aqui.

_________________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/1/1900 12:00