domingo, 9 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STF - Ministro mantém ação penal contra Kiavash Joorabchian

O ministro Celso de Mello, do STF, negou liminar para o iraniano Kiavash Joorabchian, ex-diretor da MSI, ex-parceira do clube de futebol Corinthians paulista. O ministro analisou o HC 98649, impetrado pela defesa de Kiavash, no qual pedia o trancamento da ação penal que tramita contra ele na 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo. O iraniano é acusado de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

terça-feira, 16 de junho de 2009


MSI-Corinthians

STF - Ministro mantém ação penal contra Kiavash Joorabchian

O ministro Celso de Mello, do STF, negou liminar para o iraniano Kiavash Joorabchian, ex-diretor da MSI, ex-parceira do clube de futebol Corinthians paulista. O ministro analisou o HC 98649, impetrado pela defesa de Kiavash, no qual pedia o trancamento da ação penal que tramita contra ele na 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo. O iraniano é acusado de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

A defesa de Kiavash alegou no HC ausência de justa causa para a ação penal e contestou a denúncia apresentada sob o argumento de que não havia ligação entre a peça acusatória e os delitos atribuídos ao iraniano. Sustentou ainda que ele desconhecia a origem supostamente ilícita dos valores provenientes do exterior que teriam entrado ilegalmente no Brasil.

Ao analisar o pedido de liminar, o ministro Celso de Mello assinalou que a denúncia apresentada é idônea e processualmente correta. Em sua avaliação, a denúncia que atender, integralmente, às exigências impostas pelo artigo 41 do CPP, não poderá ser considerada inepta. Segundo o relator, "a peça acusatória permite ao réu a exata compreensão dos fatos expostos, sem qualquer comprometimento ou limitação do pleno exercício do direito de defesa".

Celso de Mello salientou ainda que a ação de habeas corpus é inadequada quando ajuizada com o objetivo de promover ou reexaminar o conjunto de provas penais. Observou que o "crime de lavagem de dinheiro é complexo e tem como pressuposto a ocorrência de delitos antecedentes", conforme o artigo 1º da lei 9.613/98 (clique aqui).

"A questão concernente ao nexo de causalidade entre os delitos antecedentes e o crime de lavagem de bens e valores, de um lado, e o alegado desconhecimento da suposta origem ilícita de referidos bens e valores, de outro, parecem reclamar o exame de fatos e provas", disse o ministro em sua decisão. O relator, então, negou a liminar que pedia o trancamento da ação penal, ao concluir que tal exame de provas não pode ser feito por via de habeas corpus.

Antes de recorrer ao Supremo com esse HC, o empresário iraniano recorreu ao STJ. Lá, ele também tentou o trancamento da ação penal, mas o pedido foi negado pela Corte.

_________
______________

Leia mais

  • 6/5/09 - STF - Empresário russo envolvido no caso MSI-Corinthians pede novo habeas corpus - clique aqui.

  • 19/8/08 - Suspenso pedido de prisão de Kia Joorabchian - clique aqui.

  • 8/4/08 - STF determina suspensão do processo-crime contra o russo Boris Berezovsky, dono da MSI, até julgamento final de HC - clique aqui.

  • 17/9/07 - Caso MSI-Corinthians - clique aqui.

  • 13/7/07 - Denúncia contra dirigentes do Corinthians é aceita pela Justiça Federal - clique aqui.

  • 20/4/07 - Pedido de instauração de Inquérito Policial para apurar prática de ilícitos penais no Corinthians - clique aqui.

  • 18/10/06 - À polícia, presidente do Corinthians "entrega" investidor - clique aqui.

______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/6/2009 08:51