Migalhas

Sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

ISSN 1983-392X

Resultado do sorteio da obra "Economia Subterrânea - Uma visão contemporânea da economia informal no Brasil"

quarta-feira, 7 de outubro de 2009


Sorteio de obra

O fim do ano se aproxima, e com o alto índice de desemprego cresce a informalidade. No Brasil, a informalidade subiu quase 11% em termos absolutos entre 2003 e 2007, e caiu 5% em termos relativos, porque a economia como um todo cresceu 17% no período.

A economia subterrânea, ou informal como é mais conhecida, afeta cada vez mais a socidade contemporânea. No Brasil é estimulada por elevada carga tributária, corrupção e desemprego. O resultado é a sonegação, contrabando e pirataria, que geram graves desequilíbrios na concorrência.

O tema debatido em seminário realizado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial – ETCO reuniu grandes especialistas no assunto, dando origem a obra "Economia Subterrânea – Uma visão contemporânea da economia informal no Brasil" (Campus Elsevier - Campus Jurídico - Etco - 155p.), com a participação de Vito Tanzi, Friedrich Schneider e Fernando de Holanda Barbosa Filho.

A obra reúne valiosos subsídios à compreensão da economia subterrânea :

  • De acordo com André Franco Montoro Filho, conhecer a dinâmica da economia subterrânea e as causas de seu crescimento é fundamental para orientar políticas públicas que busquem formalizar essas atividades informais e, assim, melhorar o ambiente de negócios.

  • Para o prefaciador, Everardo Maciel, as diferentes metodologias para estimar a economia subterrânea são francamente ingênuas, porque de natureza axiomática e com desenvolvimento assentado rigidamente em hipóteses susceptíveis a questionamentos e informações de conteúdo ambivalente.

  • Para o economista italiano Vito Tanzi boa parte da economia subterrânea é captada pelas contas oficiais. A informalidade provoca uma "tremenda deformação no mercado". O resultado é um desequilíbrio entre as empresas que pagam impostos e as que não pagam.
  • O economista austríaco Friederich Schneiderrelata que o ideal seria trabalhar com uma definição mais precisa: seriam a produção e o serviço deliberadamente ocultados. Schneider realizou um estudo sobre a informalidade em 21 países da América Latina, em que identifica uma boa e uma má notícia para o Brasil. A má: a economia subterrânea é excessivamente elevada para os padrões mundiais. A boa: está caindo em relação ao PIB. Entre os latinos, porém, a informalidade no Brasil está na média.
  • Estudo mostrado pelo economista Fernando de Holanda Barbosa Filho identifica um aumento de 10% da economia informal entre 2003 e 2006. O estudo mostrou que quanto maior o nível de atividade, maior a economia subterrânea, já que essa é complementar à economia formal.

_______________

Ganhadora :


Maria Luiza Ribeiro Pedroza, de Eusébio/CE








____________

patrocínio

últimas quentes

-