Segunda-feira, 18 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Desacato

PF prende piloto americano por desacato ao ser fichado

quarta-feira, 14 de janeiro de 2004


Desacato

 

A obrigatoriedade de identificar todos os americanos que desembarcam no Brasil provocou ontem um incidente sério. Dale Robbin Hersh, piloto da empresa American Airlines, foi preso no Aeroporto Internacional de Cumbica, em SP, sob a acusação de fazer um gesto obsceno no momento em que era fotografado. Ele teria também desacatado funcionários da PF.

Dez tripulantes que o acompanhavam em um vôo vindo de Miami acabaram proibidos de entrar no país. Segundo a PF, parte da tripulação se negou a passar pelo procedimento de ter as impressões digitais tiradas com tinta e ser fotografado e "alguns trataram os policiais de modo jocoso". "Apesar da atitude, não cometeram crime. Eles foram inadmitidos [proibidos de entrar no país]", afirmou o delegado Wagner Castilho, assessor de imprensa da PF em SPO.

Depois do incidente, os dez tripulantes foram encaminhados à sala vip da American Airlines, em um setor de acesso controlado pela Polícia Federal, onde aguardariam o vôo das 23h da empresa, como passageiros, para retornarem a Miami.

O piloto seguiu para a delegacia da PF que funciona no aeroporto, onde passou o final da manhã e a tarde confinado em uma sala. Segundo o advogado da empresa aérea, Nelson Margarido, houve um "mal-entendido". Ao sair, Hersh não deu declarações.

O advogado tentou impedir a divulgação da foto em que o piloto aparece fazendo o gesto. A PF, entretanto, argumentou que ela era a prova material do crime. À tarde, a American Airlines divulgou nota em que pede "desculpas" ao governo brasileiro.

Como o crime de desacato é considerado de baixo potencial ofensivo, foi feita uma transação penal entre o Ministério Público e o comandante, o qual aceitou pagar uma multa de R$ 36 mil, cujo valor será doado a um asilo.

________________

patrocínio

Bradesco

últimas quentes