Quarta-feira, 20 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Oswald e Eu

Confira o encontro de Oswald de Andrade e Paulo Bomfim

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

Encontro

Paulo Bomfim lança amanhã, 21, a partir das 17h, na Academia Paulista de Letras, o livro "Tecido de Lembranças". Clique aqui.

Veja abaixo o tragicômico encontro de Oswald de Andrade e Paulo Bomfim.

OSWALD E EU

Paulo Bomfim*

Meu primeiro encontro com Oswald de Andrade poderia fazer parte de um de seus livros.

Fui levado a sua casa por José Cretella em 1946, que nessa época lecionava latim e português e publicou em antologia escolar meu poema “Antonio Triste”.

Cretella viria a se casar com Agnes, minha colega e das alunas mais brilhantes do Colégio Osvaldo Cruz.

Antes de nos dirigirmos à residência do autor de “Serafim Ponte Grande”, a advertência de irmão mais velho:

— Paulo, porte-se bem. Vai ser uma reunião importante onde estarão presentes vários professores da Universidade de São Paulo e alguns intelectuais estrangeiros que nos visitam.

Chegamos e Cretella foi apresentado a Oswald, o moço que lançaria brevemente seu primeiro livro prefaciado por Guilherme de Almeida e ilustrado por Tarsila.

Lembro-me vagamente do círculo de rostos estranhos em volta de uma mesa de sala de jantar presidida pelo dono da casa.

O vinho corria solto produzindo em todos discreta euforia.

Eu que vinha de uma chopada, misturei as tintas. A bela copeira olhava com o rabo dos olhos para o mais moço dos convidados, sorrindo discretamente.

Foi o suficiente. Uma hora em que se dirigiu para a cozinha com a bandeja de copos vazios, fui atrás dela e procurei abraçá-la.

Não esperava que gritasse e gritou, deixando cair a bandeja e os copos que partiram pelo chão.

Foi uma história triste. Cretella vexadíssimo se retirou comigo da festa. O dia seguinte comunica:

—Paulo, precisamos ir a casa de Oswald para você se desculpar.

—Claro que sim — respondo.

Ao chegarmos lá, fomos recebidos por um Oswald sorridente que me abraça dizendo:

—A moça é realmente muito boa. Eu, na sua idade, teria feito a mesma coisa! — e solta uma daquelas gargalhadas oswaldianas.

Hoje, cinqüenta e cinco anos depois, quando encontro o professor José Cretella em alguma solenidade, nos olhamos e sorrimos, com certa cumplicidade.

______________

*O caminheiro. São Paulo: Editora Green Forest do Brasil, 2001. P. 76

patrocínio

Bradesco

últimas quentes