Quinta-feira, 24 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

O estopim da guerra de Canudos

Crise econômica e social. Nessa breve sentença se resume as razões por trás da guerra de Canudos. Os latifúndios improdutivos, as secas cíclicas, o desemprego crônico e a crença de uma salvação milagrosa por parte de Deus levaram aos embates entre sertanejos e representantes da nova República em 1896/87(confira o box ao lado).

sexta-feira, 26 de junho de 2009


O estopim da Guerra de Canudos

Um juiz de Direito detona a batalha

Crise econômica e social. Nessa breve sentença podemos tentar resumir as razões por trás da guerra que se descortinou em Canudos. Os latifúndios improdutivos, as secas cíclicas, a servidão arcaica e a crença de uma salvação milagrosa por parte dos céus levaram aos embates entre sertanejos e representantes da República nos anos de 1896 e 1897.

O episódio é bastante conhecido, regularmente ensinado nas escolas, mas o que poucos sabem é que foi um juiz de Direito o detonador de todo o conflito.

De fato, conta a história que Antônio Conselheiro fora a Juazeiro obter madeiras que seriam usadas no arremate da nova igreja em Canudos. O acordo foi firmado com a autoridade local, o juiz, Dr. Arlindo Leôni. Mas a mercadoria, propositadamente, não foi entregue :

"O principal representante da justiça de Juazeiro tinha velha dívida a saldar com o agitador sertanejo, desde a época em que, sendo juiz do Bom Conselho fora coagido a abandonar precipitadamente a comarca, assaltada pelos adeptos daquele".

Ocorre que na peregrinação pelo sertão, antes de se assentar em Canudos, o Conselheiro chegava nas cidades e ali se transformava no chefe supremo. Desde o alcaide até o pároco lhe deviam respeito. O então magistrado de Bom Conselho, pelo visto, não aceitou o desmando e guardou a ferida.

Estava armada a confusão. Não admitindo a não entrega da mercadoria adquirida, Antônio Conselheiro "retrucou com a ameaça de uma investida sobre a bela povoação do São Francisco: as madeiras seriam de lá arrebatadas, à força."1

Do lado do juiz de Direito ficou a novel República, que encontrou no caso (acusando o Conselheiro de monarquista) uma boa desculpa para livrar-se do incômodo arraial dos fanáticos.

Do lado do Conselheiro, mais de 20 mil sertanejos defendendo a vida.

Iniciou-se, assim, a mefistofélica "Guerra de Canudos", que durou quase um ano de dispendiosas batalhas (quatro expedições), deixando um rastro de sangue pelo sertão, e um saldo de aproximadamente 25 mil mortos.

E, como relata Euclides da Cunha, "Canudos não se rendeu" :

"Exemplo único em toda a história, resistiu até ao esgotamento completo."

Tal se deu, em boa parte, por culpa da forma como o Exército brasileiro tratou os que se rendiam.

Vejamos.

Lei de Talião

"Aquilo não era uma campanha". "Não era a ação severa das leis, era vingança".

"E lá não chegaria, certo a correção dos poderes constituídos. O atentado era público".

"Transposto aquele cordão de serras, ninguém mais pecava."2

Quem lê "Os Sertões" fica perplexo com o relato do modo como que o Exército republicano agia em relação aos presos de guerra.

Olho por olho, dente por dente.

A palavra que resume tudo não pode ser outra : barbárie. Que os sertanejos agissem dessa forma, isso lá é compreensível, mas que o mesmo acontecesse com o Exercito nacional, em defesa da Ordem e do Progresso...

Depois de resistir a algumas investidas do exército republicano, alguns sequiosos sertanejos se renderam às metralhadoras e aos canhões oficiais.

O que faziam os soldados ? Exigiam que dessem vivas à República, e os degolavam, de cima da montanha, aos olhos de todos os matutos que resisitiam no arraial.

Diante de tal espetáculo de horror, dizem os relatos que o Conselheiro tratou de informar seus seguidores que quem morresse degolado não teria a salvação eterna. Era a senha para que lutassem até o fim, até a exaustão. E, de fato, "lutariam até a morte."3 Foi o que fizeram.

Assim, se houve barbárie por parte dos sertanejos, houve barbárie por parte do Estado. O governo mostrou ter as mesmas leis que o arraial. O estabelecimento da ordem republicana justificou os mais diversos tipos de crimes. Não bastava, pois, cumprir o objetivo – reprimir a "insurreição" – visto que, a certa altura, muitos já se entregavam. Era necessário torturar e cometer atrocidades diversas.

Euclides não esconde dos leitores essa página medonha da Guerra. Não deixa, porém, de dar seu grito de protesto, explicando que é uma página "sombria, porque reflete uma nódoa — esta página sem brilhos..."

A República para Euclides da Cunha

"Euclides da Cunha identificava a República com todo o progresso verdadeiro que o regime anterior não tinha conseguido dar ao Brasil". "Por isso, mesmo nos tempos inquietos e irrequietos de Floriano Peixoto, Marechal de Ferro e Esfinge, tempos de militarismo desenfreado em que, segundo o próprio Euclides, se combatia pela lei com a ilegalidade – ele defendia Floriano e perdoava tudo, porque tudo era apenas um meio para um fim mais alto, o desenvolvimento nacional."4

Euclides era um republicano, mas, antes disso, era um nacionalista. E se antes havia perdoado as ilegalidades cometidas no governo de Floriano, que presidiu o país de 1891 a 1894, o mesmo não aconteceu no que se refere à guerra de Canudos, de 1896 a 1897.

Euclides considerava o jagunço como sendo verdadeiramente o tecido do Brasil. É por isso que em "Os Sertões", o autor reclama o abandono a que eles ficaram relegados nas caatingas.

Em interessante ensaio publicado pela Academia de Letras da Faculdade de Direito da USP, em 1946, Paula Beiguelman - Professora Emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - (que infelizmente faleceu no último dia 5 de junho de 2009), aponta que :

"Quando o caboclo realiza tropelias em Canudos, com o seu misticismo importuno, e é foco de desordens no país, obrigando um batalhão urbano a sufocá-lo – Euclides da Cunha levanta a sua figura nervosa e sôfrega e lúcida ao mesmo tempo, e diz que a campanha foi ‘na significação integral da palavra, um crime’ "5.

Em homenagem aos 100 anos da morte de Euclides da Cunha, você vai poder acompanhar na matéria de segunda-feira uma seleção especial de trechos de jornais e revistas que remontam a "Tragédia de Piedade" : Euclides da Cunha é assassinado pelo sobrinho, amante de sua mulher.

Curiosidades que você não pode perder!

___________________

1 CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 23ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo Ltda. 1954. p.199.

2 CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 23ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo Ltda. 1954. p.505.

3 CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 23ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo Ltda. 1954. p. 503,506.

4 BEIGUELMAN, Paula. Sobre Euclides da Cunha. In: Arcádia. Número 29. Ano XI. São Paulo: Academia de Letras da Faculdade de Direito da Universidade de S. Paulo. 1946. p.18.

5 BEIGUELMAN, Paula. Sobre Euclides da Cunha. In: Arcádia. Número 29. Ano XI. São Paulo: Academia de Letras da Faculdade de Direito da Universidade de S. Paulo. 1946 p.15.

_____________

Livro Migalhas de Machado de Assis

______
_____________

Leia mais

  • 3/7/09 - A soberana decisão - clique aqui.
  • 2/7/09 - Júri popular - clique aqui.
  • 1º/7/09 - O libelo acusatório e a contrariedade ao libelo - clique aqui.
  • 30/6/09 - A denúncia e a pronúncia do réu - clique aqui.
  • 29/6/09 - Para matar ou morrer - clique aqui.
  • 29/6/09 - Euclides da Cunha: a cidade da Campanha, os amigos e o direito - clique aqui.
  • 26/6/09 - O estopim da guerra de Canudos - clique aqui.
  • 25/6/09 - Legislativo e Judiciário em Canudos - clique aqui.
  • 24/6/09 - O curioso caso do vaqueiro - clique aqui.
  • 23/6/09 - Antônio, conselheiro jurídico - clique aqui.
  • 22/6/09 - O olhar econômico de Euclides da Cunha - clique aqui.
  • 19/6/09 - O olhar geográfico e social de Euclides da Cunha - clique aqui.
  • 18/6/09 - Euclides da Cunha às voltas com o Direito - clique aqui.
  • 18/6/09 - Euclides da Cunha nas Arcadas - Íntegra da conferência "Castro Alves e seu tempo", proferida em 2/12/1907 - clique aqui.

_____________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes