segunda-feira, 19 de abril de 2021

COLUNAS

Publicidade

Voz passiva sintética - Como reconhecer e diferenciar?

quarta-feira, 15 de abril de 2020

O leitor Angelo Castro envia a seguinte mensagem ao Gramatigalhas:

"Prezado Professor. Primeiramente, venho dizer que estou sempre atento a suas dicas. Acho excelente a sua didática. Por isso, requisito seu auxílio para a seguinte dúvida, que diz respeito às vozes verbais. Normalmente é fácil diferenciar a voz passiva sintética da voz passiva analítica, principalmente devido à presença da partícula apassivadora (SE) na forma da passiva sintética. Contudo, na forma abaixo, essa não era a melhor forma para identificar qual a voz verbal de cada frase. (a) 'Quando os portugueses descobriram as terras que vieram a se chamar Brasil, encontraram povos...'; (b) 'Quando os portugueses descobriram as terras A QUE VEIO a se chamar Brasil, encontraram povos...' Tendo em vista as duas frases acima, o senhor poderia me ajudar a identificar qual delas é a passiva sintética, analítica e o porquê? Muito obrigado."

Envie sua dúvida


1) Um leitor diz ter dificuldade em reconhecer, em determinados casos, a voz passiva sintética e, em outros casos, em diferenciá-la da voz passiva analítica. E pede auxílio para proceder a tal identificação nos seguintes exemplos: (i) "Quando os portugueses descobriram as terras que vieram a se chamar Brasil, encontraram povos..."; (b) "Quando os portugueses descobriram as terras a que veio a se chamar Brasil, encontraram povos..."

2) No plano dos conceitos, é importante observar que voz ativa e voz passiva são duas maneiras sintaticamente diversas de dizer a mesma realidade de fato, conforme o sujeito pratique ou receba a ação indicada pelo verbo. Exs.: (i) "O magistrado proferiu a sentença" (voz ativa, porque o sujeito magistrado pratica a ação indicada pelo verbo proferir); (ii) "A sentença foi proferida pelo magistrado" (voz passiva, porque o sujeito sentença recebe a ação indicada pelo verbo proferir).

3) Seguindo um pouco mais à frente, têm-se os seguintes exemplos, os quais, em comum, têm um se acoplado ao verbo e apresentam problemas quanto à questão das vozes verbais: (i) "Aluga-se uma casa"; (ii) "Gosta-se de um bom vinho".

4) Quanto ao primeiro exemplo - "Aluga-se uma casa" - , trata-se de uma frase reversível, pois pode ser dita de outro modo (Uma casa é alugada), e a seu respeito podem-se extrair as seguintes ilações: (i) um exemplo reversível assim está na voz passiva sintética; (ii) nele, o se é uma partícula apassivadora; (iii) o sujeito é uma casa (sujeito, e não objeto direto); (iv) porque o sujeito é uma casa, se este vai para o plural, o verbo também vai, em razão da mais básica regra de concordância, segundo a qual o verbo concorda com o seu sujeito (Alugam-se casas); (v) apenas para completar os conceitos, tendo em vista os fins da indagação do leitor, o exemplo "Casas são alugadas" está na voz passiva analítica, que é assim chamada por ser mais extensa que a voz passiva sintética.

5) Já quanto ao segundo exemplo - "Gosta-se de um bom vinho" - trata-se de uma frase não reversível, pois não pode ser dita de outro modo (ninguém pensaria em dizer "De um bom vinho é gostado"), e a seu respeito podem-se tirar as seguintes conclusões: (i) um exemplo não reversível assim não pode estar na voz passiva sintética; (ii) nele, o se não é partícula apassivadora, e sim um símbolo de indeterminação do sujeito; (iii) o sujeito dessa oração é indeterminado; (iv) porque o sujeito é indeterminado, se o termo um bom vinho vai para o plural, não é o sujeito que se modifica (esse termo, aliás, é o objeto indireto); (v) se, ao passar um bom vinho para o plural, não se toca no sujeito, o verbo não se modifica; (vi) seu plural, por conseguinte, há de ser "Gosta-se de bons vinhos".

6) Com essas ponderações, volta-se à primeira frase trazida pelo leitor: (i) a frase é "Quando os portugueses descobriram as terras que vieram a se chamar Brasil..."; (ii) por facilidade - e sem alterar a estrutura analisada quanto a seu mérito - reduz-se a frase para "... as terras ... vieram a se chamar Brasil..."; (iii) trata-se de uma frase reversível (pois pode ser dita de outro modo, a saber, "as terras ... vieram a ser chamadas Brasil..."; (iv) se a frase é reversível, o exemplo está na voz passiva sintética; (v) o se é partícula apassivadora; (vi) o sujeito é as terras, razão pela qual o verbo está no plural; (vii) se o sujeito fosse a terra, então a frase seria "... a terra ... veio a se chamar Brasil..."; (viii) na voz passiva analítica, as frases são "a terra ... veio a ser chamada Brasil..." e "as terras ... vieram a ser chamadas Brasil..."

7) Altera-se ligeiramente a frase, omitindo-se o se, e se extraem outras conclusões: (i) a frase passa a ser "Quando os portugueses descobriram as terras que vieram a chamar Brasil..."; (ii) quando se pergunta pelo sujeito de vieram nessa nova frase, a resposta é portugueses, e não terras; (iii) por facilidade de análise - e também sem alterar a estrutura analisada quanto a seu mérito - reduz-se a frase para "... as terras que (eles - os portugueses) vieram a chamar Brasil..."; (iv) não se há de pensar em reversibilidade da frase, até porque não há um se; (v) como o sujeito (eles ou os portugueses) pratica a ação de chamar, o exemplo está na voz ativa; (vi) se terras for para o singular, o sujeito não será modificado, de modo que não haverá alteração alguma quanto à concordância ("... a terra que (eles - os portugueses) vieram a chamar Brasil...".

8) Por fim, importa observar que a última frase trazida pelo leitor ("Quando os portugueses descobriram as terras A QUE VEIO a se chamar Brasil, encontraram povos..."), o certo é que ela apresenta erro de sintaxe exatamente no trecho trazido em destaque por ele próprio, de modo que não admite análise nem considerações outras, além das que foram feitas nos itens acima.

Atualizado em: 15/4/2020 09:31

Publicidade