quinta-feira, 13 de maio de 2021

COLUNAS

Publicidade

Eu ou Mim - Como empregar?

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

O leitor Paulo Ortigosa envia à coluna Gramatigalhas a seguinte mensagem:

"Prezado senhor, estamos, nós aqui em casa, com uma dúvida na Língua Portuguesa. Tentamos já, por várias maneiras resolvê-la, mas foi em vão; não chegamos a um acordo. A dúvida é qual das duas formas abaixo é a correta de se dizer: 'ela paga mais do que eu' ou 'ela paga mais do que mim'. Desde já obrigado"

Envie sua dúvida


1) Um leitor, demonstrando total dúvida sobre como empregar os pronomes eu e mim, indaga qual das seguintes frases está correta: (i) "Ela paga mais do que eu"; (ii) "Ela paga mais do que mim".

2) Embora pareça complexa, a questão se reveste de facilidade técnica, o que não significa que sempre seja simples resolver os casos concretos.

3) A regra fundamental nesse campo diz que o pronome eu é do caso reto, o que significa que serve para funcionar como sujeito. Enquanto isso, o pronome mim é do caso oblíquo, o que quer dizer que ele desempenha uma função sintática própria de um complemento (jamais de um sujeito).

4) No caso da indagação do leitor, pode-se fazer a seguinte análise, da qual resulta conclusão óbvia: (i) quando se diz a frase "Ela paga mais do que eu", existe, em termos técnicos, um verbo oculto, de modo que o período completo é "Ela paga mais do que eu pago"; (ii) nesse quadro, não é difícil perceber que, quando a última oração está com todos os seus termos expressos, eu é o sujeito de pago; (iii) e, se assim é, como o sujeito de uma oração deve sempre ser do caso reto, só se pode dizer eu pago, e jamais mim pago.

5) Atente-se, em continuação, a dois outros exemplos, ambos com o emprego correto dos pronomes pessoais eu e mim: (i) "Ela estava distante de mim"; (ii) "Ela estava mais distante do que eu". No primeiro caso, o pronome é efetivamente oblíquo e desempenha a função de um complemento, o que se percebe pela impossibilidade de existência de um verbo ao final. Já no segundo caso, o pronome é do caso reto e desempenha a função de sujeito de um verbo oculto (o exemplo estendido com todos os seus termos é "Ela estava mais distante do que eu estava").

6) Apenas para ilustrar, deve-se dizer que envolvem exatamente essas questões os seguintes exemplos, todos corretos: (i) "Ele trouxe os autos para mim"; (ii) "Ele trouxe os autos para eu ler"; (iii) "Para mim, ler os autos é tarefa demorada"; (iv) "Para eu ler os autos, preciso de umas duas horas"; (v) "Ler os autos é tarefa demorada para mim"; (vi) "Para mim, ir ou ficar não faz diferença"; (vii) "Ir ou ficar, não faz diferença para mim".

Atualizado em: 6/1/2021 09:02

Publicidade