domingo, 14 de agosto de 2022

COLUNAS

  1. Home >
  2. Colunas >
  3. Gramatigalhas >
  4. Vírgula e orações subordinadas adverbiais

Vírgula e orações subordinadas adverbiais

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Atualizado às 08:18

O leitor Irineu Lopes envia à coluna Gramatigalhas a seguinte mensagem:

"Boa noite, Dr. José Maria da Costa! Admirável pessoa, por quem tenho total respeito e referência para com as dúvidas que me cercam. A vírgula PODE ou não ser usada para separar a oração principal da subordinada adverbial na ordem direta? Em pesquisa na internet, deparei-me com o site do 'g1.com' com o post de um estudioso explicando 'três dicas com regras simples para usar a vírgula sem erro'. Dentre as diversas, ele apresentou esta citação abaixo: '4ª - A vírgula PODE ser usada para separar a oração principal da subordinada adverbial (causal, concessiva, condicional, final, temporal...): 'Ele foi promovido, porque sempre se dedicou à empresa'(causal); 'Ele foi promovido, embora não se dedicasse muito à empresa'(concessiva); 'Eles só será promovido, caso se dedique mais à empresa' (condicional); 'Ele desenvolveu o projeto, conforme nós orientamos' (conformativa); 'Ele tem se dedicado muito, para que possa ser promovido' (final); 'Ele só assinará o contrato, quando receber toda a documentação' (temporal)." Daí, fiquei mais na dúvida! "Pode ou não pode?!"

Envie sua dúvida


1) Um leitor traz dúvida quanto ao emprego de vírgula para separar as orações subordinadas adverbiais de suas respectivas orações principais, podendo-se destacar os seguintes pontos: (i) a vírgula pode ou não pode ser usada para separar a oração principal da subordinada adverbial na ordem direta?; (ii) em uma informação encontrada na internet, teve ele a informação de que "a vírgula pode ser usada para separar a oração principal da subordinada adverbial"; (iii) e ele ficou na dúvida; (iv) afinal, pode ou não pode?

2) Ora, para não haver um excesso de informações teóricas (até porque a indagação do leitor é direta e pressupõe seu conhecimento do assunto especificamente tratado quanto à análise sintática), deixa-se de trazer uma série de informações sobre o que sejam orações subordinadas adverbiais e o que sejam orações principais.

3) Feitas essas observações, invoca-se, por aplicável ao caso, uma regra específica para o emprego da vírgula nos períodos compostos: as orações subordinadas adverbiais, desde que não sejam de pequena extensão, normalmente são separadas por vírgula de suas orações principais, não importando qual delas vem antes. Exs.: (i) "A memória dos velhos é menos pronta, porque seu arquivo é mais extenso" (oração subordinada adverbial causal); (ii) "O homem prudente se humilha pela experiência, como as espigas se curvam por maduras" (oração subordinada adverbial comparativa); (iii) "Não desfrutou o resultado de seu esforço, embora tenha trabalhado a vida toda" (oração subordinada adverbial concessiva); (iv) "Os homens seriam incapazes de heroísmo, se não tivessem alguma coisa de loucos" (oração subordinada adverbial condicional); (v) "Viajou para o exterior com todos os seus pertences, conforme lhe determinara o severo pai" (oração subordinada adverbial conformativa); (vi) "Devemos viver a nossa vida de tal modo, que possamos não recear depois da morte" (oração subordinada adverbial consecutiva); (vii) "Fiz-lhe sinal de modo claro e intenso, para que não cometesse alguma indiscrição naquela hora" (oração subordinada adverbial final); (viii) "O instinto dos homens enfraquece, à medida que sua razão se desenvolve" (oração subordinada adverbial proporcional); (ix) "Ele se desesperou de todas as circunstâncias e possibilidades, quando percebeu a total falta de saídas para seu problema" (oração subordinada adverbial temporal).

4) Com essas informações, podem-se extrair as seguintes ilações com respeito às indagações formuladas pelo leitor: (i) se a oração subordinada é de razoável extensão, usa-se a vírgula para separá-la de sua oração principal, não importando a ordem em que elas se encontrem, tudo como está no item anterior; (ii) se, porém, a oração subordinada é de pequena extensão e vem depois da oração principal, pode-se dispensar a vírgula (como no exemplo "Vim aqui para trabalhar"; (iii) nesse caso, entretanto, se a oração subordinada vem antes da principal, utiliza-se a vírgula (como no exemplo "Se quiser, pode ficar aqui"; (iv) deve-se ponderar, entretanto, que, diferentemente de outros aspectos de Gramática (como os equívocos de concordância e de regência), a pontuação não constitui ponto em que exista clara distinção entre o certo e o errado; (v) por essa razão, o leitor vai encontrar diversos exemplos que podem vir a contrariar o que aqui se afirma; (vi) importa finalizar dizendo, contudo, que, seguindo pelos caminhos aqui traçados, o leitor não vai cometer erros nesse assunto.