Migalhas

Sexta-feira, 3 de abril de 2020

ISSN 1983-392X

Marizalhas
Antônio Claudio Mariz de Oliveira

Amor ranzinza

terça-feira, 3 de março de 2020

Sogra, ora sogra, quem não as têm não sabe o que representam.

Mas antes de falar do seu significado, por questão de justiça e de reciprocidade, é necessário que examinemos aquilo que nós representamos para elas. O relacionamento é de dupla mão e as idiossincrasias, antipatias, implicâncias e sentimentos que tais, igualmente não constituem monopólio de uma das partes, a reciprocidade está presente.

Para elas, nós somos os intrusos que vieram para furtar o bem mais precioso que lhes pertence, sua filha. Mas não é o ato físico da saída de casa para conosco morar. É mais, muito mais do que isso. A mãe que talvez dividisse o afeto da moça apenas com o pai, agora passou a ter mais um condômino no seu coração. E, talvez, talvez não, com certeza, pelo amado esse mesmo coração bate e pulsa mais do que por ela. Pelo menos, nos tempos iniciais do amor.

Até então, ela possuía um controle quase absoluto dos passos da filha. Vejam bem, claro que hoje as relações entre mãe e filha estão totalmente modificadas, mas os episódios que vou narrar se passaram em fins dos anos trinta, início dos anos quarenta. Ademais, a mãe, futura sogra, era viúva, portanto, o afeto da filha até conhecer o usurpador, era seu com absoluta exclusividade, quase desde sempre, por que enviuvara muito cedo.

Houve um episódio que os uniu: o nascimento do primeiro filho e primeiro neto. Ambos ficaram preocupados, ansiosos e aflitos a ponto de prometerem ir a pé até a Igreja da Penha, assim que o nascimento ocorresse. A mãe e o filho recém-nascido, ambos saudáveis, levaram sogra e genro ao cumprimento da promessa.

Pois lá foram. Saíram do centro da cidade e se dirigiram pela Av. Celso Garcia até o alto da Penha. No trajeto, pelo menos no seu início o genro disparou, na certeza de que a sogra sucumbiria ao cansaço ou se chegasse, seria com grande atraso em relação a ele. Passou a olhar para trás e não mais a viu. Fato que reforçou a sua suspeita.

Horas depois, chegou à Igreja da Penha. Entrou, comprou velas, acendeu-as e sentou-se para rezar. Olhou para o altar e espantado, perplexo, incrédulo, viu no primeiro banco os encanecidos cabelos da sogra. Com certeza chegara havia bom tempo, pois rezava um terço, e pode ver várias contas já rezadas...

Alguns anos se passaram e ele pode comprar o seu primeiro automóvel. Um Ford Prefect. Pequeno carro preto, possuidor do pior molejo, da mais precária suspensão de todos os da época. Pois bem, ele fazia questão de proclamar que a transportava sempre que ela desejava. E, o fazia com prazer. Bom genro. Para poucos, no entanto, dizia que fazia questão de coloca-la no banco de trás e assim fazer o papel de seu chofer. E, por que o fazia? Porque, propositadamente, caia em buracos, para que ela batesse a cabeça no teto do carro.

Ela, por sua vez, jamais se conformou com o usurpador do amor da filha. E, com ele implicava até o limite da tolerância. E, a tolerância não a melhor qualidade do genro. Assim, entre briguinhas, picuinhas e caras viradas, tendo a filha como anteparo, ambos viveram e conviveram até que ela se foi. Alívio para ele? Não, profunda, sincera e longa tristeza. Foi um típico caso de amor recíproco, amor ranzinza, mas amor.

Antônio Claudio Mariz de Oliveira

Antônio Claudio Mariz de Oliveira, é advogado.

-