segunda-feira, 12 de abril de 2021

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 291

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Fraco, mas cheiroso

Nos sertões do Nordeste, caçadores e lenhadores costumam pôr na frincha de uma árvore da mata em que se encontram certa porção de fumo para Santa Clara. A santa, em recompensa, faz com que naquele dia a chuva lhes não estorve o trabalho. Em São Paulo há uma superstição semelhante : - quem sai a caçar, em dia de sexta-feira, tem a obrigação de levar um pedaço de fumo para o Saci-Pererê. De um caipira mentiroso, fértil no relato de inverossímeis proezas venatórias, repete-se que o mesmo contava :

- Uma sexta-feira, eu me esqueci de levar o fumo. Estava pensando nisso, quando o Saci apareceu e me exigiu o tal tributo que lhe era devido. Fiquei atrapalhado, mas resolvi ver se enganava o Saci e o matava. Disse a ele : - "Fumo, mesmo fumo eu não truxe não, mas truxe o cachimbo carregado". Aí, meti-lhe o cano da espingarda na boca e puxei o gatilho. Quando o tiro falou e eu esperava ver o Saci esperneando e morrendo, ele mexeu com as bochechas, como se estivesse enxaguando a boca com os caroços de chumbo e, cuspindo a carga da espingarda, me disse :

- O fuminho é fraco, mas é até cheiroso...

(Quem conta é Leonardo Mota em Sertão Alegre)

Nova crise

A crise nunca foi embora. Às vezes, entra em refluxo. E reaparece sempre. Grécia dará calote. O temor de moratória volta com intensidade. Itália teve sua nota A+ para A, rebaixamento feito pela Agência de classificação de risco S&P. Espanha, Irlanda, Portugal e Chipre, além da Grécia, já tinham suas notas rebaixadas. O presidente Obama parte para uma ofensiva tributária com foco na redução de US$ 3 trilhões, além de US$ 1 trilhão, já acordado em agosto, mas os republicanos se opõem. E o Brasil, hein, passará ao largo da nova crise ?

IPI, Um bumerangue ?

O aumento de 30% do IPI para carros importados poderá se transformar em bumerangue. A medida foi tomada para proteger a indústria nacional. Significará recuo nas vendas de carros chineses e sul-coreanos. A medida afeta os consumidores, que sonham com um carrinho mais sofisticado. O mercado de carros importados deverá ser suprido por carros mexicanos e argentinos. Assim, não devem ser gerados empregos nas 19 montadoras sediadas no Brasil. Mas haverá, isso sim, sufoco no atendimento ao mercado interno pelo setor de autopeças. A decisão de aumentar o IPI dos importados foi tomada unilateralmente pelo governo. A FIESP, por exemplo, referência mor da indústria, não foi ouvida.

Bolsa maior da família 

É pouco, mas milhares de famílias agradecerão comovidas : R$ 32 como benefício extra por mês no Bolsa Família. O benefício será dado a famílias com 5 filhos menores (16 anos). Antes, tinham direito famílias com 3 filhos. A conta anual será de R$ 797 milhões no orçamento. O programa custa, ao todo, R$ 16 bilhões anuais. Mais um adjutório : quem sair do programa, por ter alcançado renda acima do permitido pelo Bolsa Família, poderá a ele retornar, caso volte à condição de pobreza. Dilma, dessa forma, estende os braços sociais até a ponta extrema das margens. Colherá agrados e, claro, votos.

Poder centrípeto 

Este consultor tem motivos para fazer um brinde à bandeira da esperança. Espraiam-se pelo território os sinais de conscientização cívica. Cresce o poder de indignação social. Multiplicam-se os atos pela moral e ética nas práticas políticas. Marchas e movimentos contra a corrupção se expandem. O poder centrípeto, das margens para o centro, faz pressão sobre o poder centrífugo, do centro para as margens. Ou seja, o poder social como pano de fundo do poder institucional.

Maranhão

Vejo, a cada dia, notas, observações e dados sobre o Maranhão dos Sarney. Vejo a força imperial do senador que comanda a Câmara Alta, José Sarney. Fico perplexo quando percebo que o Estado do Maranhão é um dos mais miseráveis do país. Não há recursos suficientes ? Os Sarney não conseguem tirar seu Estado do fundo do poço ? E aquela revolução que o jovem e vibrante governador Sarney prometia quando abriu seu périplo político no início da década de 60 ? Há um filme de Glauber Rocha que mostra as promessas do então símbolo da esperança dos maranhenses.

Humor e mulher moderna

"Senso de humor é o sentimento que faz você rir daquilo que o deixaria louco de raiva se acontecesse com você".

"Mulher moderna calça as botas e bota as calças".

(Barão de Itararé)

Reforma sem forma 

A reforma política continua à procura de uma forma. Luiz Inácio promete se engajar na luta por sua aprovação. Mas a reforma de Lula se restringe ao duplo voto : voto distrital e voto em lista. Os eleitos sairiam dessa composição. E, ainda, teriam o financiamento público para suas campanhas. É pouco, convenhamos. Mesmo assim, nem esse mínimo será aprovado. Reforma política para valer apenas quando o poder centrípeto funcionar como aríete do Congresso.

Acordo PMDB e PT

O acordo entre o PMDB e o PT continua firme na esfera Federal, ou seja, no plano do apoio partidário ao governo da presidente Dilma. Na esfera estadual e municipal, tanto o PMDB quanto o PT trabalham na perspectiva de alianças com quaisquer frentes que contribuam para seu fortalecimento. O leque de alianças está aberto. O PMDB quer a garantia dos compromissos centrais assumidos pelo PT e que abrigam o comando da Câmara, no último biênio da Legislatura, pelo partido, e que já tem um nome escolhido : o deputado Henrique Eduardo Alves. O PT não é de todo confiável. Pois abre um olho para o Norte, outro para o Sul.

O foco de Edu Campos

Este consultor insiste na observação : o governador Eduardo Campos, de Pernambuco, abre seu PSB para múltiplas alianças. Conversa com Deus e o diabo. Tem em mira fazer uma grande bancada de prefeitos e alargar as bases para seu projeto de 2014. Enquanto isso, faz campanha acirrada para colocar a mãe, a deputada Ana Arraes (PSB/PE), no TCU. Corre os Estados. Definição será hoje, quarta-feira, em sessão secreta. Disputam com ela Aldo Rebelo (PC do B/SP), Átila Lins (PMDB/AM), Milton Monti (PR/SP), entre outros.

Registro absurdo  

A partir de 3 de outubro, as empresas devem se adequar às normas da portaria 1.510/09 que determina novas regras para o Sistema de Registro Eletrônico de Ponto. Segundo o Ministério do Trabalho, o objetivo é impedir que horários anotados na entrada e saída do expediente de trabalho sejam alterados. Quase dois anos depois de anunciada, a nova legislação ainda é motivo de discussão e dúvida. Para José Chapina Alcazar, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis no Estado de São Paulo, a obrigatoriedade de adesão ao novo sistema é absurda. "A portaria 1.510 contém medidas onerosas, complexas e que demandam grandes investimentos das organizações, principalmente, das micro e pequenas", argumenta. As empresas terão de manter equipamento com capacidade de funcionamento de 1,4 mil horas ininterruptas em casos de falta de energia, disponibilizar impressora de uso exclusivo e papel para impressão com durabilidade de cinco anos.

TV e mundo

"A televisão é a maior maravilha da ciência a serviço da imbecilidade humana".

"Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato".

(Barão de Itararé)

Haddad, ele mesmo 

Fernando Haddad, ministro da Educação, consolida sua posição e certamente será o candidato do PT para disputar a prefeitura de São Paulo. Lula dá as cartas no PT. Haddad acaba de ganhar o apoio da corrente majoritária do partido, a ala Construindo um Novo Brasil. Marta, ao que se comenta, já está resignada. Lula acha que o eleitor quer ver e votar em caras novas. Tem razão. Mas há outras caras novas que deverão entrar no pleito, como Luiz Flávio Borges D'Urso, presidente da OAB/SP, pelo PTB, e Gabriel Chalita, deputado Federal, pelo PMDB.

Chalita em ministério ?

Este consultor não crê que Gabriel Chalita aceite o convite da presidente Dilma para compor o Ministério. Especula-se que a ele estaria destinado o Ministério da Educação, a ser oferecido após a saída de Haddad. Chalita não aceitará o convite pela convicção firmada de que tem grandes chances de vir a ser o vitorioso. O PT, por sua vez, insistirá em um acordo com o PMDB. Lula não deverá convencer o vice-presidente Michel Temer com essa proposta. Acordo, se houver, será selado para o segundo turno.

Afif, um bom nome

Guilherme Afif, o vice-governador, poderá ser o candidato do PSD a prefeito de São Paulo. Já foi sondado. Deixou uma janela aberta. Se o partido nascer forte, como os sinais indicam, Afif topará entrar no jogo. Este consultor conhece bem o potencial do vice : bom comunicador, expressão forte na TV, fluente, objetivo, com grande visibilidade. Quase pegou Suplicy no contrapé, na campanha para o Senado. E o eleitor paulistano poderá querer repetir o voto nele.

Dúvidas no Recife 

Se João da Costa (PT), prefeito do Recife, vai ser o candidato do partido, para onde irá João Paulo, ex-prefeito e padrinho político de Costa, com quem está brigado ? O deputado João Paulo tem poucas semanas para decidir se fica ou se sai do PT, sendo assediado pelo PTB, PC do B e PSB. Mas é mais provável que João Paulo permaneça no PT, selando uma aliança com todas as alas petistas.

Profusão em Natal 

Na capital potiguar, não faltam nomes para a disputa municipal. Por enquanto, despontam seis nomes : a prefeita Micarla de Sousa (PV), a ex-governadora Wilma de Faria (PSB), o ex-prefeito Carlos Eduardo (PDT), o deputado Federal Rogério Marinho (PSDB), o deputado estadual Hermano Morais (PMDB) e o deputado estadual Fernando Mineiro (PT). Carlos está na frente. Há, ainda, os nomes dos deputados Fábio Faria (PMN) e Felipe Maia (DEM). O senador José Agripino, presidente do DEM, tenta articular com o deputado Federal Henrique Alves, presidente estadual do PMDB, o ministro Garibaldi Filho (PMDB) e o ex-deputado Carlos Augusto (DEM), a formação de um bloco em torno de um nome para a prefeitura de Natal.

Lei da Copa  

O líder do Governo na Câmara, Cândido Vaccarezza, anuncia para os próximos dias o envio, pelo Executivo, do Projeto de Lei Geral da Copa. O documento objetiva regulamentar todas as questões previstas nas Garantias Governamentais, acordadas com a FIFA para a realização da Copa 2014.

Posse de Skaf 

Paulo Skaf toma posse, dia 26, para um novo mandato na FIESP. A posse será no Teatro Municipal de São Paulo, em um evento que reunirá cerca de 2 mil pessoas. Na administração Skaf, a Federação tomou um banho de modernização. Abriu novas frentes, convocou quadros das administrações pública e privada para integrarem seus inúmeros foros, azeitou a máquina, produziu estudos em profundidade sobre temáticas nacionais.

Promissória e forca 

"A promissória é uma questão 'de...vida'. O pagamento é de morte".

"A forca é o mais desagradável dos instrumentos de corda".

(Barão de Itararé)

Michel no palácio 

O vice-presidente da República, Michel Temer, por solicitações insistentes de ministros do gabinete da presidente Dilma, despachou, ontem, pela primeira vez, no Palácio do Planalto. Michel, com sua discrição, nunca quis despachar no gabinete presidencial.

Mendes Ribeiro muda 

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, empenha-se em uma cruzada pela mudança na estrutura de gestão da Pasta. Extingue áreas, cria novos setores, busca quadros. Foco : maior adequação da estrutura aos novos tempos. E quadros técnicos de alto nível.

Confúcio e a cooperação  

O governador Confúcio Moura (PMDB) promove ampla reordenação da estrutura governamental em Rondônia. Administra um Estado com imensos potenciais, mas ainda muito arraigado às velhas práticas. Confúcio ampara a gestão em um modelo de cooperação, pelo qual procura convocar e motivar a sociedade organizada a participar da administração. Trata-se de um governante com os olhos voltados para a eficiência de métodos e a eficácia de resultados.

Conselho aos membros do STJ 

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos gestores públicos. Hoje, sua atenção se volta aos membros do STJ :

1. A anulação das provas da Operação Boi Barrica pode funcionar como cascata para desacreditar todas as investigações levadas a cabo pela Polícia Federal.

2. A invalidação de operações feitas pela PF pode vir a reforçar a tese de que o Judiciário age "a serviço das elites". Ora, a PF, ao que se sabe, só investiga nos termos da lei e sob fiscalização do Ministério Público.

3. A decisão de invalidar as provas sobre negócios envolvendo gente importante poderá redundar em desestímulo e desmotivação no aparato policial que tem como foco desbaratar as quadrilhas que corroem a administração pública.

____________

Atualizado em: 20/9/2011 08:45

Publicidade