segunda-feira, 12 de abril de 2021

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 390

quarta-feira, 19 de março de 2014

Conjunção rachativa

Abro a coluna com uma historinha da BA.

Grande de nome e pequeno de corpo, magricela, esperto, inteligente, José Antônio Wagner Castro Alves Araújo de Abreu, sobrinho-neto de Castro Alves, herdou o DNA, o talento e a vadiagem existencial do poeta. Não gostava de estudar. No esporte, era bom em tudo. Colega de Sebastião Nery, no primeiro ano do seminário menor, na BA, em 42, na aula de português, o padre Correia lhe perguntou o que era "mas".

- É uma conjunção.

- Certo, mas que conjunção ?

Zé Antônio olhou para um lado, para o outro e respondeu :

- Conjunção rachativa, professor.

- Não existe isso, Zé Antônio.

- Existe, professor. Quando a gente quer falar mal de alguém, sempre diz assim - Fulano até que é um bom sujeito, mas... E aí racha com ele.

O clima ambiental

Nem chuva demais, nem seca de menos. Não é o que ocorre em nossa natureza tropical. Refiro-me ao ambiente político. Não se distinguem, ainda, águas caudalosas descendo em direção ao oceano da política e nem a temperatura tórrida, sufocante, capaz de matar bode na caatinga. Não. Estamos vivenciando tempos com certa nebulosidade, com o céu povoado de nuvens plúmbeas, sem ameaça de catástrofe. O que tem muitos significados : nesse ambiente, Dilma continua como franca favorita ; Eduardo Campos, por ver enxergar a pasmaceira, bota mais ácido em seu discurso ; e Aécio Neves, por falta de grandes ideias para o país, tira do colete o nome de um vice que poderia movimentar a roda gigante da campanha. Quem ? Fernando Henrique. Ele mesmo.

FHC como vice ?

É possível. (Na política, tudo é possível). Basta ele querer. Pois um nome de peso, mais denso do que o de Aécio, na chapa majoritária Federal, seria um impacto. Dizem que FHC autorizou inserir seu nome nas pesquisas junto com o nome de Aécio. Procurei sondar : tucanos de bicos longos me disseram que nada é improvável. Ou seja, que depende de Fernando Henrique. Seria uma chapa tucana puro sangue. O fato é que seria algo menor para ele. Que está inteiro, correndo mundo, fazendo palestras e vivendo um novo casamento. Sua candidatura teria o mérito de agregar os tucanos paulistas e atrair grupamentos sediados na classe média. Classe média tradicional, não a classe média emergente, essa que se designa também por classe média C, localizada no pavimento inferior das classes médias (alta, média e baixa). Este consultor não aposta nessa firula.

Luiz Inácio não toparia

Ante essa estratégia, que se desenvolve no calor de debates internos e pesquisas encomendadas pelo PSDB, começa-se a abrir a hipótese de que a bicada tucana receberia uma estocada petista. Qual ? Luiz Inácio Lula da Silva, candidato a vice. Bom, puríssima especulação. Lula não toparia tal empreendimento. Por que ? Primeiro, porque arrebentaria a aliança com o PMDB, perda de quatro minutos de TV e corrida frenética dos exércitos peemedebistas em direção aos oposicionistas. Seria um embate histórico, única maneira de se chegar ao clímax da polarização entre os dois partidos. O Brasil seria dividido meio a meio. O ódio, a indignação, as estocadas de ambos os lados. Guerra sanguinolenta. Este consultor não põe um fio de cabelo na cabeça desta hipótese.

Lula não é ela

Lula acaba de dizer em São José dos Pinhais, no PR, por ocasião do lançamento da campanha da senadora Gleisi Hoffmann ao Governo : "votem em mim, votem nela. Porque ela sou eu". Luiz Inácio é conhecido por suas tiradas esquisitas. Mas querer se colocar no papel de todos os candidatos petistas, incluindo as mulheres candidatas, é, por assim dizer, uma inversão de perfis e de valores nunca vista "na história deste país". É claro que ele ainda é o maior cabo eleitoral tupiniquim, mas a auto-estima, quando chega ao topo do Himalaia, pode extrapolar e entrar, de maneira abrupta, no terreno da demência. Ocorre que Lula é assim (apertem e deslizem os indicadores das mãos um contra o outro) com Deus.

José Saramago

"Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia."

"Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar."

"Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo."

"O que as vitórias têm de mal é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas."

Água secando urnas

A falta d'água nas torneiras, nos próximos tempos, poderá ajudar a faltar votos nas urnas. De quem ? De candidatos que encarnem os Poderes. O eleitor tende a distribuir as culpas pelos governantes, principalmente o eleitorado da base da pirâmide. Racionamento de água vai fechar algumas torneiras. E deixar os eleitores indignados, abrindo as imprecações.

Urnas sem luz

No caso da energia, o governo Federal acionará as usinas elétricas. Nesse caso, as raivas só ocorreriam se os rombos - os bilhões para as distribuidoras - chegarem aos bolsos dos consumidores. Em forma de aumentos, de inflação, enfim, menos grana para pagar a cesta básica. Espera-se que o estouro da boiada não ocorra antes de outubro. O represamento das ondas de indignação é mais provável após a abertura das urnas. Nesse caso, Inês estará morta e vai adiantar pouco chorar.

O fator Copa

Este consultor já adiantou neste espaço sua visão sobre o fator Copa do Mundo no processo eleitoral de outubro. Os oposicionistas trabalham com a hipótese de que uma derrota do Brasil na Copa poderá azedar o ânimo nacional e isto ter consequências negativas sobre a candidatura de Dilma. Se o Brasil tiver boa performance, mas não ganhar a Copa, sustentam outros, os efeitos seriam tênues. E se o Brasil for o campeão mundial de futebol, Dilma estará consagrada já no primeiro turno, argumentam uns. Este consultor tende a crer que esporte e política são territórios bastante definidos. Por isso mesmo, os eleitores não tentarão imbricar um no outro. As questões de acesso aos estádios, as dificuldades de operação da Copa, os serviços de apoio, esses, sim, poderão resultar em manifestações e quebradeiras.

Blocão quebrado

O blocão interpartidário, criado com a finalidade de fazer pressão sobre o governo, acabou fragmentado, disperso e, se quiserem, transformou-se em quimera. Ninguém tenha dúvidas. O presidencialismo de caráter imperial que temos no Brasil é capaz de aliciar blocos, blocões, bloquinhos, boquinhas e bocarras. O rolo compressor formado por 250 deputados deu em nada. Bastou o governo afrouxar as torneiras e atender às demandas de grupos. O PMDB resiste ainda porque, conforme se viu, a "reforma ministerial" passou ao largo da bancada na Câmara Federal.

As igrejas e o voto

As igrejas evangélicas terão mais influência na campanha eleitoral que a igreja católica. Simples : os evangélicos são mais fechados, verticais, atendem a comandos, orientam-se de acordo com as normas emanadas de seus pastores. Os católicos são dispersos e não têm lideranças fortes, capazes de orientar o eleitorado. Resposta simplista para uma questão complexa. Mas pode ser a abertura para uma esquentada discussão.

A dança das pesquisas

Os partidos estão fazendo pesquisas. Mas não soltam. Não têm interesse. A próxima pesquisa eleitoral em SP deverá ser mais uma rodada do Datafolha. Há versões e contraversões. Uma delas aponta para uma quedinha do governador Alckmin. Que hoje estaria na faixa dos 30%. Mas pesquisa nesse momento abre apenas conversa. Tudo é flagrante do instante.

Skaf com os dois lados

Começa a ganhar força hipótese sobre a moldura eleitoral paulista. À princípio, a polarização PT versus PSDB tenderia levar Padilha e Alckmin ao segundo turno. À princípio. No meio e no final, a hipótese começa a definhar. O eleitorado está saturado de 20 anos de tucanato. O forte eleitorado de classe média - média/média e não média/baixa - expande a contundência contra o petismo. A reação ao prefeito Haddad é amostra disso. Paulo Skaf, do PMDB, insere-se nesse retrato como o perfil asséptico, vitaminado pelo empreendedorismo, sem contaminação com o vírus da velha política. Uma alternativa à polarização. Donde, pode se pinçar a hipótese : tem boas condições de entrar no segundo turno. Na segunda rodada, teria o apoio dos petistas contra Alckmin ; se o opositor for o Padilha, ganharia a preferência dos tucanos. Resumo da ópera : Skaf não é remota possibilidade, mas opção que se torna, a cada dia, mais sólida.

Hecatombe na economia

Dilma Rousseff continua favorita porque as bases macroeconômicas deste ano, neste momento, continuam muito parecidas com as do ano passado. A economia é a locomotiva. A política são os carros da composição. Se a locomotiva está em bom estado, o trem correrá tranquilamente pelos trilhos. Haverá percalços ? Analistas econômicos se dividem.

Os não votos

É bem possível que a abstenção, os votos nulos e brancos somem, este ano, cerca de 30%. Pode até ser mais que isso. A depender do clima ambiental da segunda quinzena de setembro. Muito quente, maior número de não votos. Clima agradável, menor número de não votos.

Melhor escolaridade

Pesquisa feita pelo economista Marcio Pochmann a pedido do Sindeepres, maior sindicato laboral representativo do setor de Terceirização (sob o comando competente de Genival Beserra), divulgada ontem, 18, mostra melhora significativa na escolaridade dos trabalhadores desse segmento : 57% dos entrevistados possuem ensino médio completo ou incompleto, 28% estudaram até o nível fundamental e 5% concluíram algum curso superior. Foram consultados 813 trabalhadores terceirizados no Estado de SP.

Tendência mundial

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), os contratos clássicos de trabalho tendem a ceder espaço a outras modalidades mais modernas e flexíveis nos países desenvolvidos, seguidos pelos emergentes. Quatro em cada 10 terceirizados entrevistados - 42% da amostragem - são funcionários de uma prestadora de serviços há menos de doze meses. Apenas 5% trabalham há mais de oito anos com o mesmo empregador, o que evidencia que a transformação do mercado de trabalho começa realmente a chegar nas bandas de cá.

Guerra Fria ?

Gorbachev, o cara da Perestroika, faz um alerta : cuidado, pessoal, não resgatem as condições da Guerra Fria. Tudo por conta da Crimeia e sua anexação à Rússia. O alerta do Gorba é dirigido a Putin e a Obama. Será que, em plenos meados da segunda década do século XXI, o planeta ainda pensa em guerra entre as potências ?

Eduardo e Collor ?

Esta é uma incógnita. Lula teria atirado pesado em Eduardo Campos em recente almoço com empresários. Chega a versão de que dissera : "A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989 : que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem. e nós vimos o que deu". Imediatamente, veio a ideia de que a comparação era com Collor. Este consultor está pasmo. Os dois pernambucanos, mesmo separados, fizeram juras de eterna amizade.

Conselho aos candidatos a deputado

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes, membros dos Poderes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos assessores de candidatos e marqueteiros.

1. O clima eleitoral deste ano favorece candidatos a deputados que mais se identifiquem com os problemas e demandas de regiões. Daí a importância de mapear as situações regionais.

2. O eleitor procura perfis mais próximos ao seu cotidiano, aqueles que conhecem as localidades e lá apareçam de maneira continuada. Recriminam os chamados deputados "Copa do Mundo", aqueles que só visitam a região de quatro em quatro anos.

3. Essa tendência aponta para a regionalização do voto, em outros termos, no voto mais distritalizado. Atentem para a tendência, senhores candidatos.

Atualizado em: 19/3/2014 07:58

Publicidade