terça-feira, 20 de abril de 2021

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 399

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Abro a coluna com uma historinha de PE.

Em Itapetim, alto sertão de PE, um vereador tinha a fama de não honrar compromissos financeiros. Comprava e não pagava. Fazia uma encomenda, mandava apanhar, ficava de acertar depois e tudo caía no esquecimento. Certa vez, encomendou um par de esporas ao artesão Luiz Marinho, irmão do poeta Antônio Marinho e, como este, dono de um humor cáustico. Luiz fez o par de esporas, mandou entregar ao vereador e ficou aguardando pagamento. Certo dia, o vereador sentiu-se mal, desmaiou e foi socorrido às pressas, sendo levado a Patos, na PB, onde havia maiores recursos médicos. Dias depois, a notícia : o vereador sofrera uma trombose, iria ficar paralítico para o resto da vida. Um mês depois, teve alta e regressou a Itapetim numa cadeira de rodas. Lúcido, mas paralítico. Nessa condição encontrou Luiz Marinho :

- Foi por pouco, seu Luiz, mas Deus não quis ainda que fosse a minha vez. Tive uma trombose, sofri muito, fiquei com um lado "esquecido".

Luiz Marinho abriu um riso malicioso :

- É, meu amigo. vai ver que esse lado aí é o lado em que ficou o meu par de esporas.

O medo em campanha eleitoral - I

O PT passou a adotar o medo como alavanca de campanha. Dilma representa a garantia de que as conquistas do povo não serão tiradas. Os adversários, se chegarem ao poder, eliminarão os benefícios. Essa é a mensagem embutida no programa partidário e anúncios publicitários. Pois bem, vamos aos fatos : em 1989, Fernando Collor ganhou usando o medo. Se Lula vencer o Brasil será um inferno. Mário Amato, então presidente da Fiesp, prometia : 800 mil empresários irão embora do Brasil. Em 1994, Fernando Henrique ganhou o mandato com o conforto (e a esperança) do Plano Real. Em 1998, ganhou no primeiro turno com o discurso do medo, tendo a volta da inflação como motivação.

O medo - II

Em 2002, José Serra usou também o medo. A atriz Regina Duarte apareceu como porta-voz das trevas caso o PT ganhasse. Deu errado. "A esperança venceu o medo". Lula chegava ao poder. Em 2006, Lula também se valeu do medo, desta feita contra Geraldo Alckmin, acusando-o de que, eleito, ele privatizaria a Petrobras, a CEF e o BB. Deu certo. Em 2010, Serra voltou a usar o medo, tentando mostrar a ligação do PT com Farcs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, movimento com envolvimento no narcotráfico). Deu errado. Dilma ganhou com discurso da continuidade das políticas sociais de Lula. Hoje, o PT insiste no medo como alavanca de campanha. Dará certo ? Vejamos.

A teoria do medo - I

O medo não elege. Pode, sim, fazer parte do composto do discurso. Vejamos. Collor sinalizava a inovação na gestão. Era o novo, encarnava o espírito do tempo. O medo era apenas o pano de fundo da paisagem social. Fernando Henrique encarnou, por sua vez, a luta contra a inflação, era o artífice-mor do Plano Real. Foi eleito sob esse escudo duas vezes. Da mesma forma, Lula representou o contraponto à velha política. Era o ícone da dinâmica social. Comandou gigantesco programa social, tirando parcela da base da pirâmide social para o meio. E Dilma ganhou seu mandato sob essa engrenagem. A pergunta que agora se faz é : qual é a paisagem brasileira ? Como está o Produto Nacional Bruto da Felicidade ?

A teoria do medo - II

O que significa o medo como discurso de campanha ? 1. Ameaça de retorno do cidadão a uma situação pior do que a vivida por ele hoje ; ameaça de perdas de benefícios ; 2. Risco do país entrar numa era obscura, com volta da inflação e de ganhos obtidos pelas pessoas em diversas frentes. Lembremos que tais ameaças e riscos se manifestam ante os quatro impulsos do ser humano : a. o impulso combativo ; b. o impulso nutritivo ; c. o impulso sexual e d. o impulso paternal. Os dois primeiros impulsos estão ligados à conservação do indivíduo. A luta pela sobrevivência implica competitividade, oferta de emprego, dinheiro no bolso para cuidar das necessidades básicas do cidadão e de sua família. Nesse sentido, inflação, emprego, mais dinheiro no bolso, barriga cheia, harmonia social, segurança - são ingredientes do discurso eleitoral.

A teoria do medo - III

Ocorre que os programas sociais implantados pelo governo Lula e continuados no governo Dilma - que estão no foco dos impulsos acima mencionados - perderam muito sua capacidade de moeda eleitoral. O Bolsa Família já deu o que tinha de dar em matéria de voto. Pode cooptar as massas assistidas, mas grande parte delas considera que esse é um dever do Estado, a cargo de qualquer governante. Este é um fato que, possivelmente, o PT não tenha percebido. As manifestações de rua por todo o território abrem novos horizontes. Surgem no panorama os grupos do slogan : "queremos mais". Saúde, educação, segurança, transportes. Coisas e equipamentos melhores e em maior quantidade.

A teoria do medo - IV

O medo só funciona quando as pessoas fazem a comparação : "estou no paraíso e poderei ser recambiado para o inferno". Donde emerge a pergunta : estamos no paraíso ? As pessoas se sentem saudáveis, com saúde, com dinheiro no bolso, tendo fortes estruturas de segurança e meios de mobilidade urbana ? Se não estão vivenciando uma boa situação, o medo do amanhã arrisca a ser um bumerangue sobre a cabeça de quem patrocina o terror. Esta é a leitura que se deve fazer nesse momento sobre o medo. Incutir medo só dá certo quando o Produto Nacional Bruto da Felicidade for alto. A recíproca é verdadeira. Cuidado com o discurso do medo, senhores marqueteiros.

A babaquice de Lula

Do alto de sua onipotência, Lula bradou : "Eu cansei de ir no Morumbi ver jogo do Corinthians contra o São Paulo. Cansei de ver o Santos no Pacaembu com 60 mil pessoas e nunca tivemos problema de ir a pé. Vai a pé, vai descalço, vai de bicicleta, vai de jumento, vai de qualquer coisa. A gente está preocupado que tem que ter metrô, tem que ir até dentro do estádio ? Que babaquice é essa ? Nós temos é que dar garantias para essa gente assistir aos jogos, comer a nossa comida. É disso que temos de ter orgulho". Pois é, pegou mal. Lula tem um confortável carro à disposição ; viaja nos melhores aviões de carreira e em jatinhos executivos ; trata da saúde no Sírio Libanês, um dos melhores hospitais do país ; e, nos estádios, certamente ganha a tribuna de honra, longe da galera das arquibancadas. Luiz Inácio pode dizer o que quiser. Na pele do líder populista e carismático, é ouvido e aplaudido. Desta vez, porém, excedeu-se. Foi longe. Querer ir de metrô às arenas é algo prático e cômodo. O povo não é bobo. Por isso, a fala de Lula foi uma "babaquice".

Aliás...

Aliás, Luiz Inácio Lula da Silva abandonou, faz um bom tempo, a fase "Lulinha, Paz e Amor". Está, a cada dia, mais bravo e repleto de adjetivos duros.

Juntos nos palanques

A combinação volta a ser assunto : Lula e Dilma estarão juntos nos palanques sempre que possível. Esta notícia já é velha. Foi uma decisão do Encontro do PT para apresentar seu programa. E teve a intenção de abortar o Movimento Volta, Lula. Pois bem, o assunto retorna à mídia esta semana. E o motivo parece claro : grupos e galeras que desejam que Lula seja o candidato no lugar de Dilma continuam a agir às claras e nos bastidores. Incluem alas do próprio PT. Enquanto a presidente não recuperar os seus bons índices de avaliação positiva, essa onda continuará a despejar água no oceano da turbulência eleitoral.

Presos, soltos e presos

O acolhimento ao recurso de um advogado pelo ministro do STF, Teori Zavascki, deveria soltar os investigados da Operação Lava Jato. Deveria. Um dia depois da decisão, o ministro retrocede e decide deixar na cadeia 11 dos investigados. A exceção foi para Paulo Roberto, o ex-todo poderoso diretor da Petrobras. O juiz Sérgio Moro, considerado de primeira linha no Judiciário, teria oferecido argumentos pela manutenção da prisão, inclusive o da fuga de alguns presos que teriam recursos no exterior e envolvimento com cartéis de drogas. Teori revogou a decisão anterior. Mas a imagem que esse vaivém passa para a sociedade é a de um Judiciário na corda bamba.

A dança dos partidos

Os partidos estão vivenciando a plena dança das parcerias. A agitação é intensa nos bastidores. Um gigantesco leilão se forma no entorno das siglas para se analisar o tamanho e porte das propostas. Quem dá mais ? Quem dá menos ? Quem agrega ? Quem não agrega ? O que se começa a ver é aliança de todos os espectros, casamento de jiboia com elefante ou de calango com tatu. Os projetos pessoais estão acima dos interesses coletivos. Jantares, cafés de manhãs e almoços se sucedem na tentativa de fechar acordos. O país vive o ciclo da "prostituição gastronômica".

Contra o crime - I

A segurança pública acaba de ganhar mais um reforço da segurança privada. Nesta segunda-feira, 19, o governo do Estado firmou um protocolo de intenções com associações de empresas de segurança privada para receber imagens e informações que vão contribuir com o combate à criminalidade. É mais um passo no programa São Paulo Contra o Crime. Pelo protocolo, imagens de circuitos da vigilância privada podem ser compartilhadas com o sistema de videomonitoramento da Secretaria de Segurança Pública por meio do Detecta, ferramenta que integra bancos de dados já existentes com câmeras de vídeo e emite alertas automáticos de crimes em tempo real. Este mesmo sistema já está sendo instalado em áreas públicas.

Contra o crime - II

"No Detecta, o governo tem um sistema de monitoramento semelhante ao de Nova York, e vamos integrar as câmeras de vídeo das empresas do setor privado. Isto vai trazer uma contribuição muito importante", afirmou o governador Geraldo Alckmin. "O papel da segurança privada é justamente ser um suplemento às políticas públicas de proteção. Firmar esse acordo, portanto, é consolidar essa missão. O mercado paulista de segurança tem muito a contribuir com as forças policiais, por isso, sentimo-nos reconhecidos e ativamente participantes do processo, celebrado com este ato", declarou João Palhuca, Presidente do SESVESP - Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação do Estado de SP. O protocolo de intenções foi firmado com cinco associações de empresas de segurança privada e de bares e restaurantes.

Temer : homenagem pelo art. 133 da CF

A OAB Federal prestou esta semana homenagem ao constitucionalista Michel Temer, vice-presidente da República. Temer foi saudado pelo presidente da Ordem, Marcus Vinicius Furtado Coelho, por seus relevantes trabalhos para a advocacia e para a sociedade brasileira. "Michel Temer tem forte compromisso com o Estado de Direito, com a democracia e com a realização de eleições diretas, livres e legítimas". Destacando o papel da OAB no movimento Diretas Já, há 30 anos, Marcus Vinicius ressaltou a luta dos advogados por uma sociedade justa, solidária e fraterna. "Aquele momento histórico nos mostrou como é importante se afastar do discurso do autoritarismo e regar a planta da democracia. As divergências devem ser resolvidas no diálogo regrado da democracia. E toda essa trajetória possui a participação de nosso homenageado, Michel Temer".

Três momentos

Vinicius listou três momentos-chave da atuação de Michel Temer como deputado Federal que ilustram seu compromisso tanto com a defesa da advocacia quanto com a cidadania. A redação do art. 133 da CF versa sobre a indispensabilidade do advogado à administração da Justiça e sua inviolabilidade no exercício da profissão. "Também saiu da pena do então deputado Michel Temer a lei que transforma o escritório de advocacia em local inviolável", lembrando, ainda, o diálogo do constitucionalista como presidente da Câmara com a Ordem pela elaboração e aprovação da LC 135, a Lei da Ficha Limpa, "importante para o avanço no modo de se fazer política no Brasil".

Conselho aos governantes

Na última nota, a coluna oferece pequenos conselhos a políticos, governantes, membros dos Poderes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos dirigentes das organizações sociais. Esta semana, dedica sua atenção aos governantes :

1. Expandem-se as manifestações e paralisações de categorias por todo o país. Urge fazer um esforço para evitar que os espaços urbanos sejam congestionados causando enormes transtornos às populações.

2. Grupos de trabalho e comitês de monitoramento podem ser criados para dialogar com as lideranças dos movimentos e chegar a um termo comum ;

3. Nas próximas semanas, a imagem do Brasil estará ganhando os foros internacionais. Todo cuidado se faz necessário para evitar o caos urbano.

Atualizado em: 21/5/2014 08:14

Publicidade