Domingo, 21 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Ivens Gandra da Silva Martins: O exemplo

René Ariel Dotti

Está nas livrarias uma coletânea de artigos do Professor e Advogado Ives Gandra da Silva Martins: Exercício da cidadania, com o selo de qualidade da Lex Editora S/A. São textos publicados em jornais de circulação nacional sobre variados assuntos e com a coragem de dizer como são as pessoas e os fatos. Direito, Política, Religião, Economia, Sociedade, Imprensa, Meio Ambiente e outras vertentes de inspiração e análise do professor emérito e presidente da Academia Paulista de Letras, constituem a marca registrada de um cidadão que vive intensamente as esperanças e as frustrações do processo de contradição entre a promessa pública e a negação privada; entre a ocultação da verdade e a dulcificação da mentira. “Tributação e corrupção”, “Mensalão-Crime contra a Ordem Tributária”, “Ética Política em frangalhos”, “Os bancos e os direitos do consumidor”, “Chavismo, um risco real”, “O jornalismo sem censura”, “As instituições em frangalhos” e “Um Governo à deriva” são alguns dos muitos libelos. Eles vergastam a indignidade do poder político e fazem parte desses quadros de uma exposição que mostram a espátula de linhas fortes e cores vibrantes reproduzindo modelos surrealistas.

segunda-feira, 3 de março de 2008


Ivens Gandra da Silva Martins: O exemplo

Os círculos concêntricos da cidadania e da República

René Ariel Dotti*

Está nas livrarias uma coletânea de artigos do Professor e Advogado Ives Gandra da Silva Martins: Exercício da cidadania, com o selo de qualidade da Lex Editora S/A. São textos publicados em jornais de circulação nacional sobre variados assuntos e com a coragem de dizer como são as pessoas e os fatos. Direito, Política, Religião, Economia, Sociedade, Imprensa, Meio Ambiente e outras vertentes de inspiração e análise do professor emérito e presidente da Academia Paulista de Letras, constituem a marca registrada de um cidadão que vive intensamente as esperanças e as frustrações do processo de contradição entre a promessa pública e a negação privada; entre a ocultação da verdade e a dulcificação da mentira. "Tributação e corrupção", "Mensalão-Crime contra a Ordem Tributária", "Ética Política em frangalhos", "Os bancos e os direitos do consumidor", "Chavismo, um risco real", "O jornalismo sem censura", "As instituições em frangalhos" e "Um Governo à deriva" são alguns dos muitos libelos. Eles vergastam a indignidade do poder político e fazem parte desses quadros de uma exposição que mostram a espátula de linhas fortes e cores vibrantes reproduzindo modelos surrealistas. Ao contrário das naturezas mortas, que representam coisas ou seres inanimados, os óleos sobre telas de Ives Gandra capturam as imagens dinâmicas das virtudes e das misérias do ser humano e os cenários da tragicomédia da política. A arte desse pintor de emoções tem uma receita para a produção incessante de suas obras. Ela assenta em dois ingredientes fecundos à criação espiritual que difunde a arte de seu pensamento: a cidadania e a República. São círculos concêntricos dos quais emergem os novos brados em favor dos cidadãos de bem e de uma República verdadeira.

A coleção ainda inacabada de Ives Gandra recompõe figuras e cenas da crise de poder e de governo muito bem identificada em outros quadros com autógrafos imortais:

"Os representantes do povo francês, constituídos em Assembléia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem são as únicas causas das desgraças públicas e da corrupção dos governos, resolveram expor em declaração solene os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do Homem, a fim de que esta declaração, constantemente presente em todos os membros do corpo social, lhes lembre sem cessar os seus direitos e os seus deveres; a fim de que os atos do Poder Legislativo e do Poder Executivo, podendo ser em cada momento comparados com a finalidade de toda a instituição política, sejam por isso mais respeitados; a fim de que as reclamações dos cidadãos, doravante fundadas em princípios simples e incontestáveis, se dirijam sempre à conservação da Constituição (clique aqui) e à felicidade geral" (Paris, 26 de agosto de 1789).

__________________





*Advogado do Escritório Professor René Dotti









_____________