segunda-feira, 28 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Pirataria: uma questão comportamental

A pirataria é um dos temas mais debatidos hoje em dia na mídia brasileira. O Brasil, segundo as estatísticas mais recentes, é o 4º maior mercado consumidor de produtos pirateados do mundo!

Pirataria: uma questão comportamental


Ordélio Azevedo Sette *

A pirataria é um dos temas mais debatidos hoje em dia na mídia brasileira. O Brasil, segundo as estatísticas mais recentes, é o 4º maior mercado consumidor de produtos pirateados do mundo! Só perde para China, Rússia e Paraguai. Vejo muitos falarem que faltam leis adequadas e outros criticarem os aparelhos: policial repressor e judicial punitivo.

Na minha opinião, que há muitos anos (muitos mesmo) venho representando, como advogado, inúmeras empresas nacionais e internacionais na luta antipirataria, as leis brasileiras (principalmente a lei processual) de fato poderiam ser melhores, a polícia poderia estar mais aparelhada e o judiciário ser mais rápido, mas não são realmente um impedimento, pois a estrutura que temos hoje seria suficiente e poderia servir ao fim desejado, se de fato houvesse um desejo nacional. Esse é o problema: não há vontade nacional.

Já ouvi diversos empresários, homens em tese de responsabilidade, dizerem, ao serem surpreendidos com software pirata, por exemplo, que "todo mundo tem e faz o mesmo". Até juízes chegam a se apiedar de um "pirata" confesso sob alegações semelhantes. Não há a consciência de que pirataria é crime, não se fala em ética.

A "cultura" brasileira não elegeu a pirataria como "inimigo nacional" e ainda não se entendeu neste país o quando cada um perde ao ser leniente, conivente ou omisso com a pirataria. Quanto de imposto deixa de ser arrecadado, quantos empregos são suprimidos ou deixa-se de criar no país, quantos anos de atraso isso representa para nós todos. Por isso, continuo a dizer: o problema da pirataria é uma questão em primeiro lugar educacional.

Enquanto o brasileiro se comportar como vem fazendo, adquirindo produtos pirateados, tolerando o contrabando e em alguns casos até mesmo festejando a pirataria, ou ainda pirateando livremente sob as mais descabidas escusas, nada acontecerá. A Polícia será incapaz de coibir os abusos e a Justiça insuficiente para punir os crimes praticados. Estaremos caminhando para uma opção ingrata, qual seja a da consagração da falta de ética e a celebração do procedimento sabidamente irregular. Já perdemos uma ou duas gerações, não percamos outras.

Vamos primeiro nos conscientizar dos erros até então cometidos e vamos, em casa e nas escolas, educar nossas crianças e ensiná-las a agir (em tudo) com ética e dignidade e a rejeitar a pirataria, como um grande malefício mundial. É um trabalho para os próximos 10 a 20 anos!
___________

*Advogado do escritório Azevedo Sette Advogados









__________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Luciana Dadalto

Luciana Dadalto

Migalheira desde 2017

Igor Pereira

Igor Pereira

Migalheiro desde 2020

Juliano Tannus

Juliano Tannus

Migalheiro desde 2020

Ingrid Gadelha

Ingrid Gadelha

Migalheira desde 2020

Stephanie Carolyn Perez

Stephanie Carolyn Perez

Migalheira desde 2020

Rose José

Rose José

Migalheira desde 2020

Ricardo de Padua Salles

Ricardo de Padua Salles

Migalheiro desde 2020

Diogo Mello Brazioli

Diogo Mello Brazioli

Migalheiro desde 2020