quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Alternativas para regularização de imóveis em São Paulo

Importante pontuar que a secretaria municipal de licenciamento concentra as informações e registros das edificações da cidade de São Paulo e é o órgão habilitado para receber consultas sobre edificações e emitir os correspondentes históricos de edificações.

Publicada no último dia 17 de outubro, a lei municipal 17.202/19, dispõe sobre procedimentos para regularização de edificações em imóveis localizados no município de São Paulo que tenham sido concluídas até a promulgação do atual Plano Diretor Estratégico em 31 de julho de 2014. As alternativas estabelecidas pela nova lei alcançam tanto edificações residenciais quanto comerciais, com inadequações referentes à legislação edilícia, de parcelamento e uso e ocupação do solo, que, no presente momento, apresentem boas condições de higiene, segurança de uso, acessibilidade, estabilidade, habitabilidade e salubridade.

Com finalidade de possibilitar a regularização de imóveis paulistanos irregulares, desburocratizando o atual procedimento e, consequentemente, simplificando a vida de seus proprietários, a nova lei dividiu a regularização em três diferentes modalidades.

São elas:

(i) Regularização automática: serão consideradas regulares, independentemente da apresentação de requerimento pelo proprietário ou possuidor do imóvel, as edificações residenciais das categorias de uso R e R1 (residenciais unifamiliares) e R2H (residenciais horizontais como casas geminadas e vilas) de padrões baixo e médio, desde que abrangidos por isenção total de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) referente ao ano de 2014.

(ii) Procedimento Declaratório: depende de requerimento do proprietário ou possuidor e se destina à regularização de edificações residenciais unifamiliares (que não inseridos na categoria automática), residenciais multifamiliares (com até 10m de altura e 20 unidades), edificações destinadas à Habitação de Interesse Social (HIS) e Habitação de Mercado Popular (HMP), além de edificações de uso misto, locais de culto, comércios, pousadas, escritórios, escolas, etc. Nessa categoria a área total máxima das construções a serem regularizadas é de 1.500m².

(iii) Procedimento Comum: também depende de requerimento do proprietário ou possuidor do imóvel e se destina à regularização de edificações que não estejam enquadrados na regularização automática ou no procedimento declaratório, tal como acima mencionado, e ainda para imóveis com área superior a 1.500m² de área construída. t

Os documentos necessários à regularização das edificações abrangem, de maneira geral, cópia dos títulos aquisitivos dos imóveis, comprovantes de recolhimentos de impostos, planta da edificação e quadros de áreas.

A lei, que entrará em vigor em 1º de janeiro de 2020, será regulamentada por decreto do Poder Executivo municipal a ser publicado no prazo de 60 (sessenta) dias contados de 17 de outubro de 2019. Uma vez publicado o decreto, os interessados na regularização de seus imóveis terão inicialmente o prazo de 90 (noventa) dias para protocolo eletrônico de seus requerimentos, acompanhados, conforme o caso, dos documentos indicados no texto da nova lei.

Dado o prazo acima, é de suma importância que proprietários de imóveis na cidade de São Paulo conheçam a exata situação de suas edificações, a fim de que possam, se o caso, se aproveitar dos benefícios dessa nova lei. Imóveis regulares, além de mais valorizados do que aqueles na situação oposta, podem ser vendidos, transferidos ou alugados com maior segurança, permitem o desenvolvimento de atividades comerciais que demandem prévio licenciamento, afastam a incidência de multas decorrentes da utilização irregular, além de permitir aos seus proprietários maior acesso à linhas de crédito e financiamento imobiliário.

Nesse sentido, importante pontuar que a secretaria municipal de licenciamento concentra as informações e registros das edificações da cidade de São Paulo e é o órgão habilitado para receber consultas sobre edificações e emitir os correspondentes históricos de edificações. É hora de se preparar!

___________

*Elisa Junqueira Figueiredo é sócia advogada do Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

*Alice Assunção Stancati é advogada do Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

Atualizado em: 5/11/2019 11:21

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Lorena Leal Dina

Lorena Leal Dina

Migalheira desde 2020

Jacquelyne Fleck

Jacquelyne Fleck

Migalheira desde 2020

Deborah Portilho

Deborah Portilho

Migalheira desde 2003

Aline Deparis

Aline Deparis

Migalheira desde 2020

Yuri Guimarães Cayuela

Yuri Guimarães Cayuela

Migalheiro desde 2009

Elaine Keller

Elaine Keller

Migalheira desde 2020

PALOMA OLIVEIRA

PALOMA OLIVEIRA

Migalheira desde 2020