sexta-feira, 27 de maio de 2022

MIGALHAS DE PESO

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. O poço, o covid-19 e o princípio da solidariedade

O poço, o covid-19 e o princípio da solidariedade

O longa-metragem retrata uma distopia que pode ensejar algumas reflexões sobre a nossa realidade atual de quarentena, covid-19 e de solidariedade.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Foi lançado na plataforma de streaming o longa metragem denominado "O Poço", "El Hoyo" na versão original em espanhol. O filme é dirigido por Galder Gaztelu-Urrutia em uma produção original da Netflix que tem alcançado um enorme sucesso no Brasil e ao redor do mundo.

Apesar da obra provocar sensações de agonia ao mostrar o suplício dos personagens confinados, o longa-metragem retrata uma distopia que pode ensejar algumas reflexões sobre a nossa realidade atual de quarentena, covid-19 e de solidariedade.

A premissa principal da obra é simples e intrigante: o protagonista, Goreng, interpretado por Iván Massagué, está em um enorme "Poço" composto por 333 andares, como uma espécie de prisão vertical que conta com apenas dois reclusos por andar e um enorme buraco no centro, totalizando assim 666 reclusos. Nesse extenso vão central é que, todos os dias, desce, cronometradamente, uma enorme mesa que contém um luxuoso banquete com as melhores e mais variadas iguarias culinárias.

A engrenagem do enredo funciona da seguinte maneira: as pessoas que estão alocadas no nível 1 são os primeiros a comer, recebem a mesa farta e perfeita para iniciar o banquete. Contudo, alguns minutos depois, a plataforma desce para o nível imediatamente inferior. E assim, o ritual se repete por todos os andares até chegar ao fundo do poço e os indivíduos de baixo são compelidos a comerem as sobras daqueles que estava acima. E rotineiramente não sobra nada para os andares mais baixos. "Óbvio".

Logo no início do filme há uma frase que chama a atenção dita pelo personagem Trimagasi, interpretado por Zorion Eguileior, segundo o qual "há três tipos de pessoas: as que estão no topo, as que estão abaixo e as que caem". Em outras palavras, há aqueles que estão contentes com a situação, os indivíduos que estão abaixo e não podem fazer nada para mudar, devendo aceitar seu destino e lutar para sobreviver e aqueles que perecem.

Nesse diapasão, a correlação entre as classes sociais, o sistema capitalista e os níveis do poço são impressionantes, pois onde alguns possuem farturas, outros vivem em condições miseráveis. E o contraste destes mundos é bastante presente na trama.

Na sequência, a construção temporal da trama mostra em diversas oportunidades o personagem Goren, interpretado por Iván Massagué, tentando construir uma ideia de fazer com que os mais necessitados do fundo do poço possam receber comida da mesma forma que os reclusos do topo. É o personagem protagonista do filme que representa uma ideologia, qual seja a construção de uma solidariedade espontânea para que haja um devido racionamento da comida e que possa preservar a vida de todos os detentos do aprisionamento vertical. E isso denota certa semelhança com a metáfora de Dom Quixote, que é o livro que Goreng ele escolhe como objeto para levar durante seu período de confinamento. Sendo este o sujeito mais idealista em contraposição à Sancho Pança, representado por Trimagasi, que possui uma visão mais estática, conservadora e realista de mundo.

Assim, na obra vai sendo repercutida a mensagem de solidariedade e empatia condizente com os tempos de pandemia, que estamos vivendo nesse exato momento. Não obstante o fato de que o filme fora veiculado em 2019 e somente agora ter sido lançado pela Netflix, é interessante observar como sua premissa se encaixa e dialoga assustadoramente com nossa situação atual, senão vejamos.

Em primeiro lugar, estamos todos confinados.a

Sim, nós estamos todos reclusos de quarentena em nossas próprias casas em razão da pandemia do Coronavírus - covid-19, que é uma doença nova, fatal e extremamente contagiosa. Logo, também nos encontramos em certo nível de confinamento.

Apesar das regras do nosso jogo, por enquanto, se restringirem meramente ao distanciamento social e ao uso de máscara. Conforme o número de casos aumenta, esse distanciamento social pode ficar cada vez mais restritivo e severo. No caso da Itália, por exemplo, que teve um aumento exponencial do número de mortes e de pessoas contaminadas passou-se a adotar medidas coercitivas sérias. O país instaurou uma quarentena absoluta em todo território nacional, permitindo viagens apenas por razões de trabalho ou saúde. Todos os eventos e reuniões públicos foram suspensos, incluindo casamentos e funerais. Ou seja, proibições equivalentes àquela encontrada no mito sobre Antígona quando nãos e permitia realizar os rituais do enterro de Polinice, a despeito da crença de que aquele que falecesse sem os rituais fúnebres seria condenado a vagar cem anos nas margens do rio que levava ao mundo dos mortos, sem poder ir para o outro lado. Frise-se que essa doença não afeta somente o indivíduo, mas afeta a economia dos países e leva o sistema de saúde ao colapso.

Uma segunda coincidência é de que também temos a escassez de recursos em tempos de pandemia.

Enquanto no poço a mesa farta ia sendo consumida e, por muitas vezes, exageradamente por alguns indivíduos que ficavam nos níveis superiores e sem deixar sobras para os confinados dos níveis inferiores. Na pandemia também faltam recursos para lidar com as consequências desastrosas desse vírus.

São escassos os respiradores, ventiladores, aparelhos médicos e itens de proteção pessoal dos profissionais de saúde, tais como álcool em gel, álcool 70, luvas, máscaras, etc.

Em terceiro lugar, há uma similitude com comportamentos mesquinhos e individualistas.

Hodiernamente, há notícias de desvios de insumos para o combate à doença por países mais ricos em detrimento de países menos favorecidos. E, em uma escala microestrutural, é notória a falta de álcool gel nas farmácias, luvas máscaras e demais itens de consumo caseiro, pois alguns indivíduos se adiantaram (nos níveis de cima) e compraram grandes estoques para sobreviver a pandemia. O mesmo comportamento individualista que consistia em comer o máximo de comida possível na prisão horizontal do poço ao invés de efetuar o racionamento.

Interessante notar que, curiosamente, papéis higiênicos foram um dos primeiros itens a desaparecer das prateleiras dos supermercados no início da pandemia. Na sequência, o paracetamol que era a medicação inicialmente recomendada aos que apresentassem sintomas da covid-19, também foi comprado em larga escala, deixado à míngua nas farmácias.

Na outra ponta, alimentos e alguns insumos começaram a ostentar preços abusivos em mercados e distribuidores oportunistas. O cenário leva à certa paranoia. Os que tem condições financeiras, apressam-se para montar o seu estoque. Os quem não tem, ficam sem. "Óbvio".

Por fim, há uma luta pelo ideal de solidariedade no filme e na pandemia.

A despeito das mais diversas interpretações desta obra que é repleta de indagações e questionamentos ao modelo de sociedade contemporânea, pode se dizer que a trama é uma espécie de jornada filosófica sobre como nós, seres humanos, funcionamos como sociedade e como agimos em um ambiente em que devemos trabalhar juntos para promover mudanças.

Assim, quando a plataforma bate no fundo do poço, o protagonista Goreng finalmente pode ter percebido que a mensagem que precisava mandar para o topo talvez não fosse a Panacota, intacta, nem mesmo palavras de revolta sobre o que assistiu no Poço. A verdadeira mensagem, aquela que realmente pode mudar tudo, talvez seja a mera existência da menina que acabara de ser salva. Uma vida que nasceu e prosperou naquele local de morte, bem no 333º nível, que é um símbolo de esperança e uma possível semente para a transformação. Tal como a metáfora de Héracles superando o filho de Posídon no mito de Anteu, provando que a transformação e o desapego devem superar o individualismo.

Com base nesse pensamento, fica perceptível a existência da sociedade solidária que passa a constituir um princípio da solidariedade que tem dois sentidos: vertical e horizontal. Em seu sentido vertical, a solidariedade é reconhecida como os deveres do Estado, na qual o Estado Social estaria obrigado a buscar a redução das desigualdades na sociedade, através da implementação e efetivação dos direitos dos cidadãos. Por outro lado, em seu sentido horizontal, considera-se que a solidariedade seria não apenas um dever do Estado para com os cidadãos, mas também da sociedade para com o Estado, ou seja, a efetivação dos direitos fundamentais passa a ser não só obrigação do Estado, mas também obrigação da sociedade como um todo.

É com base nesse mesmo raciocínio que a partir do princípio da solidariedade compreende-se também o dever fundamental de pagar tributos, além do dever de contribuir com o Estado para a persecução de seus objetivos, que são garantir os direitos fundamentais e sociais e a dignidade da pessoa humana. Sendo esses oriundos do ideal de solidariedade, a qual os cidadãos abdicam de parcela de seus bens ou vencimentos individuais em prol da coletividade.

Dessa forma, relacionando esse contexto ao cenário de pandemia da covid-19, por mais que as chances dos mais jovens terem complicações com a doença seja baixa, é imperioso que haja solidariedade com os grupos de risco e se proteger através do uso correto das máscaras de proteção. Evitando assim a rápida propagação do vírus e o colapso do sistema de saúde. É dever de todos contribuir para o achatamento da curva de contaminação para que não ocorra o colapso do sistema de saúde permitindo assim que milhares de vidas sejam salvas pelo seu comportamento individual.

Resta claro, portanto, que a união é a melhor maneira de garantir prosperidade para todos em tempos turbulentos. A empatia e a solidariedade é que vão salvar vidas.

E a conclusão para isso tudo é uma só: Use a máscara! "Óbvio".

_________

*Magno de Aguiar Maranhão Junior é professor de Instituições de Direito Público e Privado da FTESM. Especialista em Regulação da Agência Nacional do Cinema - ANCINE. Mestrando em Finanças, Tributação e Desenvolvimento pela UERJ.

t

Atualizado em: 7/12/2020 10:44

Magno de Aguiar Maranhão Junior

VIP Magno de Aguiar Maranhão Junior

Doutorando em Direito pela UERJ. Mestre em Direito pela UERJ. Especialista em Direito Civil-Constitucional pela UERJ. Professor da FTESM e especialista em Regulação da ANCINE.