quarta-feira, 23 de junho de 2021

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Building Information Modeling - BIM: evolução em projetos de construção e infraestrutura no Brasil

Publicidade

Building Information Modeling - BIM: evolução em projetos de construção e infraestrutura no Brasil

O BIM é uma plataforma de armazenamento, compartilhamento, troca e gerenciamento de informações multidisciplinares durante todo o ciclo de vida do projeto de construção, da arquitetura à execução final.

segunda-feira, 17 de maio de 2021

(Imagem: Imagem Migalhas)

(Imagem: Imagem Migalhas)

A Modelagem da Informação da Construção (Building Information Modeling - BIM  é um modelo de tecnologia 3D que tem sido cada vez mais utilizado nos setores de arquitetura, engenharia e construção por ser considerado um mecanismo eficaz para projetos complexos em razão de sua habilidade de corrigir erros precocemente, no início da fase de projeto, e planejar a construção com precisão.

Recentemente, a nova Lei de Licitações (Lei 14.133/21) estabeleceu, em seu artigo 19, parágrafo 31, a preferência pela utilização do BIM ou tecnologias e processos integrados similares ou mais avançados que venham a substituí-la nas licitações de obras e serviços de engenharia e arquitetura.

O BIM é uma plataforma de armazenamento, compartilhamento, troca e gerenciamento de informações multidisciplinares durante todo o ciclo de vida do projeto de construção, da arquitetura à execução final, envolvendo gerenciamento, planejamento, projeto de engenharia, construção, fases de trabalho e suas quantificações, orçamento e custo da obra, operação e manutenção, que podem ser alteradas e ajustadas de maneira a refletir o que se pretende construir na prática.

Assim, o BIM, além de um modelo tridimensional, é um modelo com capacidade de alinhar as informações existentes em cada elemento modelado produzido por profissionais de diferentes áreas e que usam ferramentas digitais diversas. Dessa maneira, é possibilitado ao projetista "construir" o empreendimento em um ambiente virtual, antes da sua execução, por meio da utilização de componentes virtuais inteligentes, cada um dos quais sendo exatamente equivalente a um componente construtivo real, permitindo, assim, a visualização da construção sob diferentes ângulos e de diversas formas.

De tal modo, é possível prever erros de projeto e execução antes mesmo do início das obras e mobilização, trazendo benefícios como facilitar o gerenciamento de projeto, otimização dos serviços e prazos da obra, compatibilização de projetos, redução dos custos da obra, redução de retrabalhos e, até mesmo, a diminuição de resíduos sólidos e desperdícios de materiais.

Além disso, o BIM cria um ambiente de interação, colaboração e comunicação entre os principais envolvidos no projeto facilitando a identificação precoce dos riscos e possibilitando a adoção de medidas para mitigação de tais riscos e, consequentemente, a redução de conflitos e disputas no decorrer da execução do projeto.

O BIM começou a ser discutido no Brasil em meados dos anos 2000. Até então, o modelo de tecnologia mais utilizado era o CAD (Computer Aided Design ou Desenho Assistido por Computador), que foi criado para substituir os projetos feitos em papel e consiste em uma ferramenta em que é possível desenhar no computador as linhas e figuras geométricas que irão compor o projeto.

Mesmo que o CAD tenha representado uma evolução relevante - uma vez que substituiu os projetos em papel por digitais, facilitando a modificação e adaptação dos projetos até se chegar a um projeto executivo final -, é necessário que os desenhos em formato 2D gerados pela plataforma sejam sobrepostos para que seja possível entender o projeto como um todo, o que causa uma certa dificuldade para projetos mais complexos.

Assim, a principal diferença entre CAD e BIM é que, embora no caso de CAD o projeto possa ser representado por meio de seus elementos construtivos, o processo de desenvolvimento do projeto arquitetônico (estrutura ou instalações, por exemplo) não possui uma simulação virtual completa de trabalho, como é no caso do modelo BIM.

Embora a implementação do BIM no Brasil ainda esteja no início se comparado com outros países ao redor do mundo como Estados Unidos e Europa, o Governo Federal Brasileiro definiu uma estratégia e tem adotado medidas para estimular o uso da plataforma. Por exemplo, Santa Catarina foi o primeiro estado brasileiro a definir que as licitações deveriam ser feitas no modelo BIM a partir de 2019, sendo a sua utilização, desde então, obrigatória para as obras públicas catarinenses.

Além disso, o Governo Federal lançou, em 2018, o Plano BIM no Brasil, instituído pelo Decreto Federal nº 9.377/2018 (revogado pelo Decreto Federal 9.983/19). O plano estabeleceu a "Estratégia Nacional para a disseminação do BIM", que faz parte de um planejamento do Governo Federal para incentivar o uso dessa tecnologia em nível nacional.

Tal iniciativa visa aumentar a implantação do modelo BIM e, com isso, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) estima que seja elevado em dez vezes a adoção da plataforma no Brasil, aumentando de 5% do PIB da construção civil para 50%. Além disso, a expectativa da ABDI é que, com a adoção do BIM, ocorra um aumento da produtividade das empresas em 10%, redução dos custos de produção em 9,7% e elevação em 28,9% do PIB da Construção Civil, alcançando um patamar inédito.

O cronograma de implementação da Estratégia BIM estabelecido pelo Governo Federal começou efetivamente em janeiro de 2021 e deverá ser totalmente concluído até 2028. Inicialmente, as entidades que participarão dessas fases por meio de programas piloto são o Ministério da Defesa, por meio do Exército Brasileiro e da Marinha do Brasil, e o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, por meio de atividades coordenadas e realizadas pelo Secretaria Nacional de Aviação Civil e pelo Departamento Nacional de Transportes e Infraestrutura.

O Governo Federal considera antecipar e determinar o uso do BIM como obrigatório em alguns programas, como é o caso do "Minha Casa, Minha Vida". O programa, previsto para acontecer apenas em 2028, talvez seja antecipado para 2022 com a expectativa de que os custos da construção das casas do programa possam diminuir em 20% com a utilização do BIM.

Vale mencionar que o Brasil já possui alguns exemplos bem-sucedidos do uso do BIM como, por exemplo, o metrô de São Paulo, com o primeiro contrato firmado em 2013 e, mais recentemente, toda a linha 15 (linha prata) foi construída com o uso do BIM. A SABESP, também no Estado de São Paulo, utiliza o BIM há cinco anos.

Apesar de todos os benefícios trazidos, o modelo BIM tem enfrentado alguns desafios na sua adoção no Brasil. Isso porque, a adoção do modelo requer mudanças de paradigma em relação a pessoas, processos e tecnologia. Há, também, uma mudança no fluxo de trabalho, em que passamos de um modelo bidimensional para um modelo tridimensional com informações totalmente integradas.

Todas essas mudanças nos remetem a desafios que devem ser superados para garantir o aproveitamento integral dos benefícios que a metodologia propõe, possibilitando uma implementação bem-sucedida como, por exemplo: (i) necessidade de capacitação dos funcionários das empresas para que sejam qualificados e aptos a utilizar o modelo BIM; (ii) possibilitar a migração para o BIM sem perder produtividade; e (iii) igualar, de um lado, a qualidade das informações geradas e utilizadas no modelo e, por outro, os meios pelos quais essas informações são comunicadas e compartilhadas entre a equipe do projeto.

Com todos os incentivos e esforços do Governo Federal, a edição do Decreto Federal 9.377/18 e a inclusão da adoção do modelo BIM nas licitações de obras e serviços de engenharia e arquitetura determinada pela nova Lei de Licitações, o modelo BIM já é uma realidade no Brasil e traz uma série de benefícios na execução de grandes projetos de construção e infraestrutura. É essencial que as empresas capacitem os seus profissionais para que tenham a habilidade necessária para utilização e saibam aproveitar todos os ganhos que esse novo modelo apresenta.

____________

1 "Art. 19. Os órgãos da Administração com competências regulamentares relativas às atividades de administração de materiais, de obras e serviços e de licitações e contratos deverão:

§ 3º Nas licitações de obras e serviços de engenharia e arquitetura, sempre que adequada ao objeto da licitação, será preferencialmente adotada a Modelagem da Informação da Construção (Building Information Modelling - BIM) ou tecnologias e processos integrados similares ou mais avançados que venham a substituí-la."

____________

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2021. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

____________

Atualizado em: 17/5/2021 13:33

Thais Fernandes Chebatt

Thais Fernandes Chebatt

Associada de Construção de Pinheiro Neto Advogados.

Pinheiro Neto Advogados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade