MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Migalhas de peso >
  4. Possibilidade de prorrogação do stay period na recuperação extrajudicial para além do prazo fixado em lei

Possibilidade de prorrogação do stay period na recuperação extrajudicial para além do prazo fixado em lei

A prática processual tem demostrado que mesmo a prorrogação do prazo autorizada pela lei, por muitas vezes, se mostra insuficiente e incompatível com sua finalidade, que é justamente a preservação da empresa e a superação da crise empresarial.

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Atualizado em 9 de maio de 2022 09:39

(Imagem: Arte Migalhas)

O presente artigo foi desenvolvido durante a participação no Grupo de Estudos Avançados em Processos Recuperacional e Falimentar da Fundação Arcadas - Faculdade de Direito da USP, coordenado pelo dr. Oreste Nestor de Souza Laspro.

A lei 11.101/05 teve como objetivo principal a preservação dos benefícios sociais e econômicos da atividade empresarial, em detrimento da proteção particular de credores e devedores que era considerada no decreto-lei 7.661/45.

Como ferramentas para enfrentamento da crise econômico-financeira, a lei disponibilizou a recuperação extrajudicial, a recuperação judicial e a falência.

A recuperação extrajudicial pode ser definida como uma composição privada entre devedor e uma parte ou todos seus credores de uma ou mais classes, cuja negociação entre as partes ocorre fora do procedimento judicial, cabendo ao Judiciário apenas sua homologação, para que, a partir daí, possa produzir efeitos. Por sua vez, a recuperação judicial caracteriza-se por ser um procedimento judicial, em que o devedor, em crise empresarial, mas cuja atividade ainda é viável, apresenta em juízo pedido para pagamento de suas dívidas. Já a falência destaca-se dos mecanismos de recuperações, por ser uma ferramenta adequada às empresas em crise estrutural e em flagrante situação de inviabilidade econômico-financeira.

 No que tange aos procedimentos de recuperação extrajudicial e judicial, podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que durante os 15 (quinze) primeiros anos de vigência da lei 11.101/05, a recuperação judicial foi a ferramenta mais procurada pelos devedores, ficando em segundo plano a utilização da recuperação extrajudicial, o que se justificava pela falta de incentivos a este mecanismo de reestruturação e ao risco gerado pela ausência de um ambiente negocial adequado, além de inseguranças jurídicas provenientes das lacunas da lei.

Com a entrada em vigor da lei 14.112/20, a qual promoveu reformas significativas na lei 11.101/05, o legislador procurou reequilibrar as regras entre os dois mecanismos de reestruturação, tornando a recuperação extrajudicial mais eficiente, incentivando a negociação entre devedor e credor, para construção de um plano de pagamento mais eficaz que, ao mesmo tempo, permita a preservação e continuidade da atividade empresarial.

Comparando a recuperação extrajudicial e a judicial, podemos apontar algumas vantagens da primeira em detrimento da segunda, as quais podem ser facilmente identificadas pela leitura das disposições contidas no texto legal, dentre elas: quórum simplificado para aprovação; menor custo; maior flexibilidade nas negociações entre devedores e credores; maior celeridade; menor participação do judiciário; impossibilidade de convolação em falência, muito embora eventual credor aderente à recuperação extrajudicial não seja impedido de requerer a falência do devedor.

Há que se ressaltar que há previsão de duas modalidades de recuperação extrajudicial, a meramente homologatória e a impositiva, devidamente disciplinadas nos artigos 162 e 163, respectivamente.

Na recuperação extrajudicial homologatória há aderência, de forma voluntária, dos credores ao plano de pagamento, sendo a homologação judicial uma faculdade apenas para garantir que com a sentença se terá um título executivo judicial, muito embora o acordo entre as partes já tenha o condão de novar as obrigações.

Por sua vez, na modalidade impositiva, nem todos os credores sujeitos ao procedimento de recuperação extrajudicial aderem de forma voluntária ao plano de pagamento; sendo certo que na hipótese de mais de 50% destes credores de cada classe concordarem com o plano proposto, é possível requerer a homologação deste plano, fazendo que este seja imposto aos credores dissidentes de determinada classe ou grupo, restando evidente que diante desta hipótese, a homologação judicial é obrigatória para que possa produzir efeitos legais.

Dentre as modificações trazidas pela reforma da lei referente a recuperação extrajudicial, consagra-se justamente a possibilidade de suspensão das ações e execuções, o chamado stay period, relativas aos créditos sujeitos ao plano de recuperação extrajudicial, desde a distribuição do pedido e desde que conte com a anuência dos credores que representem pelo menos 1/3 (um terço) de todos os créditos de cada espécie.

A suspensão das ações e execuções deverá ser ratificada pelo juiz competente pelo processamento do pedido de recuperação extrajudicial, após a confirmação do preenchimento pelo devedor dos requisitos acima mencionados.

Anteriormente, não havia previsão expressa quanto ao tempo de suspensão às ações e execuções movida em face do devedor que distribuísse pedido de recuperação extrajudicial, entretanto, a reforma, justamente veio corrigir esta lacuna, assegurando que a suspensão pelo prazo de 180 (cento e oitenta) dias, prorrogáveis por igual período uma única vez em caráter excepcional, ou seja, desde que o devedor não tenha colaborado com eventual atraso no curso do processo, nos termos do artigo 6º, da lei 11.101/05.

Portanto, considerando a hipótese de prorrogação do stay period, o magistrado não está obrigado a prorrogá-lo por mais de um período de 180 (cento e oitenta) dias, devendo analisar o estágio do processo e das negociais para estabelecer o período que entende justo para concretização dos trabalhos, evitando um prolongamento indevido do processo

A suspensão das ações e execuções individuais com relação aos credores signatários, bem como com relação aos credores dissidentes, é de extrema relevância na medida em que garante que não haja constrição patrimonial até que o devedor consiga atingir o quórum necessário à homologação do pedido de recuperação extrajudicial, assegurando o resultado útil do processo e a preservação da função social da atividade empresarial, sem beneficiamento de nenhum credor sujeito ao respectivo procedimento.

Nesse sentido, pode-se citar recente decisão de tutela recursal em recurso de agravo de instrumento proferida pelo desembargador Jorge André Pereira Gailhard, do TJ/RS, que determinou a prorrogação da suspensão das ações e execuções de uma empresa em recuperação judicial1, cujo pedido havia sido negado pelo magistrado de primeira instância, até que o julgamento definitivo de referido recurso.

Pela análise do caso em questão, é possível verificar que o devedor formulou pedido de recuperação extrajudicial em 10/12/20, tendo sido deferido seu processamento na data de 13/01/21, ocasião em que o stay period pelo prazo de 180 dias também foi assegurado ao devedor.

O devedor antes da finalização do prazo de suspensão (que findava-se em 12/07/21), formulou pedido de prorrogação por mais 180 (cento e oitenta) dias, pedido este o qual fora devidamente deferido pelo juízo de primeira instância.

Ocorre que, durante o curso do prazo de suspensão das ações e execuções, não fora possível a finalização do procedimento de recuperação, o que motivou novo pedido pelo devedor de prorrogação do stay period para além do prazo previsto legalmente.

O magistrado de primeira instância, entendendo diante da ausência de previsão legal para prorrogação além de uma única vez, indeferiu o novo pedido de prorrogação, o qual, como mencionado anteriormente,  em sede de tutela recursal foi prorrogado pelo TJ/RS, até que se decida definitivamente o recurso apresentado pelo devedor.

Nesse contexto, é importante ponderar que o benefício legal de suspensão das ações e execuções tem por objetivo permitir que o devedor em crise reorganize suas atividades empresariais, impedindo que bens de seu ativo possam ser constritos em benefício apenas de um credor e em detrimento dos demais.

Permitir o prosseguimento das ações e execuções de credores sujeitos a recuperação, pode ensejar graves prejuízos, possibilitando que constrições e restrições recaíam sobre bens do ativo do devedor, inclusive aqueles essenciais às atividades e ao cumprimento do plano de recuperação.

Muito embora pressuponha-se maior celeridade ao procedimento de recuperação extrajudicial, nem sempre a homologação do plano ocorre na velocidade que as partes necessitam e desejam e, nesse sentido, a questão envolvendo a suspensão das ações e execuções ganha relevância, pois nenhuma parte envolvida no processo pode ser prejudicada pela superação do lapso temporal que não tenha concorrido.

Salienta-se que a prática processual tem demostrado que mesmo a prorrogação do prazo autorizada pela lei, por muitas vezes, se mostra insuficiente e incompatível com sua finalidade, que é justamente a preservação da empresa e a superação da crise empresarial, notadamente nos casos quem as demandas tramitam em Varas não especializadas.

Nestas circunstâncias, não tendo o devedor corroborado com a superação do lapso temporal, não é correto considerar que a prorrogação possa ocorrer somente uma única vez, devendo ser mantido o posicionamento jurisprudencial que até aqui se utilizou e que motivou a adequação e reforma da Lei de Recuperações e Falências, permitindo-se nova prorrogação do stay period para além do prazo fixado em lei, de modo a possibilitar que o procedimento atinja sua finalidade maior que é a restauração dos passivos, permitindo que o devedor supere a crise econômico-financeira, quitando seus credores e gerando riquezas.

___________

1 Agravo de Instrumento 5039803-26.2022.8.21.7000, em 04/03/22.

Cybelle Guedes Campos

Cybelle Guedes Campos

Sócia do Moraes Jr Advogados.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca