MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Migalhas de peso >
  4. A transferência do Financiamento Estudantil- FIES e o direito dos estudantes

A transferência do Financiamento Estudantil- FIES e o direito dos estudantes

A necessidade de intervenção do Judiciário para afastamento das normas ministeriais e efetivação da transferência FIES.

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

Atualizado em 14 de setembro de 2022 11:00

A necessidade de intervenção do Judiciário para afastamento das normas ministeriais e efetivação da transferência FIES.

Conforme Contrato padrão de Financiamento Estudantil - FIES, a transferência de curso ou de Instituição de Ensino Superior - IES, está condicionada à observação do prazo regulamentar bem como da validação pela Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento - CPSA.

O estudante que efetuar a transferência de curso ou de IES poderá permanecer com o financiamento, desde que no momento da solicitação da transferência a entidade mantenedora da instituição de ensino cumpra os seguintes requisitos:

  1. Esteja com a adesão ao FIES vigente e regular;
  2. O curso destino possua avaliação nos processos conduzidos pelo MEC,
  3. O curso de destino possua informações no FIES Oferta para o semestre de referência da transferência.

Cumpre registrar que o prazo máximo de utilização do financiamento será o período remanescente para a conclusão do curso de destino, observados a sua duração regular.

A Transferência é disponibilizada apenas para o estudante que ainda não realizou o Aditamento de Renovação e que esteja adimplente com as parcelas de coparticipação, de modo que, caso a competência da Instituição de Ensino tenha iniciado o processo de aditamento, é necessário rejeitá-lo para viabilizar o procedimento de transferência.

As parcelas pagas de coparticipação até a data da solicitação da transferência são creditadas para a IES de origem do estudante, ou seja, a IES para a qual o FIES foi contratado e as parcelas que serão pagas após a solicitação de transferência serão creditadas para a IES destino.

A Transferência de IES é iniciada pelo estudante e validada pela IES de origem e IES de destino. Já a Transferência de Curso é iniciada pelo estudante e validada apenas pela IES de origem, sendo de cinco dias corridos o prazo para as IES de origem e de destino aprovar/rejeitar a solicitação de transferência.

Ocorre que, as regras atuais do MEC impõem que a transferência de curso ou de IES só poderá acontecer se a nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do estudante que solicitou o procedimento, utilizada para a contratação do FIES, for igual ou maior que a do último aluno pre'-selecionado do curso de destino no processo seletivo mais recente do programa em que houver estudante pré-selecionado para o financiamento estudantil.

Essa tem sido a maior problemática dos estudantes hoje quando da realização de transferência do FIES, com necessidade de ingresso na justiça para garantia do seu direito de permanecer nos estudos.

A melhor interpretação do caso, certamente, impõe a preservação da vontade contratual que, por sua vez, não traz essa imposição, em detrimento da prescrição da Portaria 535/20, art. 84 - C, com a imposição de média aritmética do ENEM para fins de realização da transferência do FIES, seja entre cursos, seja entre instituições de ensino, em total violação às normas federais e Constituição Federal acerca do acesso à educação.

O fato é que não pode nova restrição prevista através de mera portaria ministerial impedir a transferência do financiamento estudantil - FIES, entre universidades particulares, em total prejuízo a estudante na manutenção dos estudos e futura colação de grau.

E, uma vez eivado de inconstitucionalidade, o ato administrativo pode ser revisado pelo Judiciário, notadamente, ao atingir a esfera de direitos do estudante impedido de realizar a transferência FIES e continuar o curso superior.

A previsão ministerial é absolutamente incompatível com a função social do programa de financiamento estudantil - FIES, em total arrepio ao direito constitucional do estudante.

Destaca-se que o programa de financiamento estudantil deve ser tratado como programa social como verdadeira se faz e não como um mero contrato de empréstimo, sendo ilegal a negativa de transferência FIES do estudante que atende os requisitos legais mínimos, inclusive, com indicação de fiador para fins de garantia do contrato a ser formalizado.

Assim é que, deve ser formalizado o pedido na via administrativa, de acordo com o prazo e normas legais e, em caso de negativa por motivo de nota do Enem, vale a ação judicial para salvaguarda do direito do estudante, com efetivação da transferência FIES via judicial e garantia da manutenção dos estudos no ensino superior até o final.

Milena Cintra

VIP Milena Cintra

Advogada Cível e Consumidor. Especialista em Direito Educacional e FIES. Pós Graduada em Direito Público. Atualmente desempenhando também função de juíza leiga na Comarca de Salvador.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca