MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Migalhas de peso >
  4. Proteção ambiental vs. comércio: O conflito no acordo UE-Mercosul

Proteção ambiental vs. comércio: O conflito no acordo UE-Mercosul

O acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul levanta preocupações significativas sobre a proteção ambiental e os direitos dos povos indígenas. No entanto, a crescente influência da China na América do Sul, especialmente no Brasil, apresenta um desafio significativo, colocando a UE em um dilema delicado.

quarta-feira, 2 de agosto de 2023

Atualizado às 13:57

O acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul busca estabelecer uma parceria comercial e econômica entre os dois blocos, com o objetivo de reduzir tarifas, facilitar o acesso a mercados e promover a cooperação. Sendo assim, o acordo é visto como benéfico para ambos os lados, criando oportunidades para crescimento, empregos e desenvolvimento sustentável.

Contudo, as preocupações ambientais, incluindo a destruição acelerada da Floresta Amazônica e o aparente descaso com os direitos dos povos indígenas, têm sido pontos de controvérsia significativos.

Essas questões ambientais e sociais levantaram dúvidas sobre a viabilidade do acordo, com alguns membros da UE questionando se o Brasil está realmente comprometido com os princípios de sustentabilidade e direitos humanos que a UE defende. Essas preocupações foram agravadas por políticas e declarações do governo Bolsonaro, que muitos veem como contraproducentes para a proteção ambiental e os direitos indígenas.

A preocupação da União Europeia (UE) em incentivar o Brasil a se moldar aos padrões europeus de proteção ambiental é de extrema importância. Isso porque a conservação da Amazônia e de outros ecossistemas brasileiros é uma questão de interesse global, uma vez que essas áreas desempenham um papel crucial na regulação climática e na manutenção da biodiversidade.

A UE tem sido um importante defensor dos princípios de sustentabilidade e proteção ambiental em acordos comerciais internacionais. Logo, incluir normas ambientais rígidas no acordo UE-Mercosul poderia ser um poderoso estímulo para o Brasil reforçar suas políticas ambientais e comprometer-se ainda mais com a preservação da floresta amazônica.

No entanto, surge um desafio significativo quando se considera a crescente influência da China na América do Sul, especialmente no Brasil. Dado que Pequim tornou-se o maior parceiro comercial do Brasil e está aumentando cada vez mais sua presença na região, buscando estreitar laços comerciais com os países sul-americanos.

Aqui reside o dilema: enquanto a União Europeia almeja incentivar práticas sustentáveis, a China não possui os mesmos padrões ambientais rigorosos em suas negociações comerciais. Como resultado, se a UE se mantiver inflexível e não considerar as dificuldades enfrentadas por agricultores e produtores brasileiros para cumprir todas as normas ambientais estipuladas, há uma possibilidade real de que os sul-americanos recorram à China como uma alternativa comercial.

A China tem demonstrado disposição para aumentar os investimentos e o comércio com a América do Sul, incluindo o Brasil, independentemente de preocupações ambientais. Então, se o acordo UE-Mercosul não levar em conta a realidade dos desafios enfrentados pela produção agrícola brasileira, os países sul-americanos podem ver na China um parceiro comercial mais acessível e menos restritivo. Portanto, a União Europeia enfrenta um dilema delicado.

Por um lado, é crucial manter seus padrões ambientais elevados e buscar influenciar positivamente a política ambiental do Brasil. Por outro lado, a UE deve ser realista sobre as dificuldades enfrentadas pelos agricultores brasileiros e considerar medidas de apoio à transição para práticas mais sustentáveis.

Considerando que grandes empresas e produtores já têm infraestrutura e recursos para se adaptar a essas normas, os agricultores menores podem encontrar dificuldades em cumprir todos os requisitos impostos, o que pode colocá-los em desvantagem competitiva.

Pequenas propriedades agrícolas muitas vezes operam com recursos limitados e, por vezes, enfrentam dificuldades para investir em tecnologias e práticas mais sustentáveis. Nesse sentido, a aplicação rígida das regras europeias poderia aumentar os custos de produção, criar burocracias adicionais e, em alguns casos, até mesmo inviabilizar a continuidade de determinadas atividades agrícolas.

Ao buscar um equilíbrio, é necessário encontrar maneiras de incentivar e apoiar os pequenos e médios agricultores para que possam se adaptar gradualmente às normas ambientais, sem comprometer sua subsistência.

Medidas de capacitação, acesso a financiamento e assistência técnica são cruciais para auxiliar esses agricultores na transição para práticas mais sustentáveis e no cumprimento das exigências ambientais. Além disso, a flexibilidade nas negociações do acordo também pode ser uma via para alcançar o equilíbrio necessário.

Estabelecer prazos realistas para a implementação das mudanças e permitir ajustes de acordo com a realidade de cada região e produtor pode ser uma abordagem sensata para evitar que pequenos agricultores fiquem à margem do processo.

É importante destacar que, embora haja desafios, a busca por um equilíbrio não significa enfraquecer as exigências ambientais. Pelo contrário, é um esforço para garantir que as políticas de proteção ao meio ambiente sejam efetivas, ao mesmo tempo em que sejam socialmente justas e economicamente viáveis.

Uma possível abordagem seria a de cooperação e parceria com o Brasil, fornecendo incentivos e apoio técnico para ajudar o país a implementar políticas ambientais mais eficazes. Isso poderia fortalecer o compromisso brasileiro com a proteção ambiental, permitindo que o país se torne um aliado valioso para a União Europeia em questões ambientais globais.

Por consequência, é de suma importância que a União Europeia se preocupe com o meio ambiente e tente influenciar positivamente as políticas ambientais do Brasil por meio do acordo UE-Mercosul. No entanto, a flexibilidade e o pragmatismo também são essenciais para evitar que os países sul-americanos busquem soluções comerciais menos sustentáveis com outros parceiros, como a China.

Uma abordagem equilibrada e cooperativa pode oferecer a melhor chance de alcançar resultados positivos tanto para a proteção ambiental quanto para o comércio internacional. Somente através do diálogo e da colaboração será possível construir uma parceria comercial que beneficie tanto o meio ambiente quanto o desenvolvimento econômico sustentável para todas as partes envolvidas.

Pedro Vitor Serodio de Abreu

VIP Pedro Vitor Serodio de Abreu

Mestrando em Direito Internacional e Europeu pela Universität des Saarlandes. Especialista em Direito Econômico Europeu, Comércio Exterior e Investimento. Legal Assistant na MarketVector Indexes.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca