Pedantismo cruel

23/6/2022
Diego Vetter

"Admito que sou favorável ao aborto, na forma da legislação vigente. Acredito que exposto como está, é perfeito e sem exageros. Admito que tive o mesmo julgamento deste periódico sobre o assunto ao saber da notícia. Mas algo me chamou a atenção. Em matéria do site Globo; a informação é de que a gestação já se encontrava com 22 semanas no momento do exame, ou seja, chegando no sexto mês. Desde a data do exame até o processo na mesa da juíza, se passou mais algum tempo e dias se somaram ao período – não se sabe quanto, ao certo. Admito, também, que a partir daí a decisão da juíza não me pareceu mais ser uma aberração. Eu, particularmente, fiquei comovido. Diante da situação como está (estava), a opinião da redação continua sendo a mesma? Não quero me alongar sobre a legalidade ou não na matéria específica sobre o aborto. Mas, como está, não conflita com o primeiro eixo do ECA, o direito à saúde e à vida da criança? Não se sabe ao certo o risco da criança mãe, os dados do processo são escassos, e que continue assim para o bem de ambas, mas com o que temos, a juíza merece ser criticada nesse tom, se é que, de fato, ela incorreu em falha? Acredito que devemos refletir melhor sobre o assunto, e pesar com sabedoria sobre os direitos da mãe e da criança. Se não há pena de morte para bandidos no país, também não tem para crianças onde o maior erro imputado a ela é existir."

Envie sua Migalha