domingo, 17 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Tabeliães devem aguardar definição do CNJ para editar regras para preservação digital de acervos

Tabeliães devem aguardar definição do CNJ para editar regras para preservação digital de acervos

Em debate quanto às normas que os cartórios deverão seguir para o armazenar digitalmente os documentos públicos, Marcelo Berthe, juiz auxiliar do CNJ, alerta aos tabeliães da Amazônia Legal que, antecipadamente, vem migrando seus acervos documentais para meios eletrônicos.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Digitalização

Tabeliães devem aguardar definição do CNJ para editar regras para preservação digital de acervos

Em debate quanto às normas que os cartórios deverão seguir para o armazenar digitalmente os documentos públicos, Marcelo Berthe, juiz auxiliar do CNJ, alerta aos tabeliães da Amazônia Legal que, antecipadamente, vem migrando seus acervos documentais para meios eletrônicos.

"Em breve, editaremos normas de preservação do documento em meio eletrônico. Seria prudente aguardar a edição dessas normas, pois elas virão e deverão ser seguidas. Essas pessoas se arriscam a fazer duas vezes o trabalho", afirmou Berthe, juiz coordenador da Comissão Especial para Gestão Documental do Foro Extrajudicial, que dentro de 120 dias deverá propor ações que recuperem, modernizem e garantam maior agilidade e segurança jurídica aos atos de registro de imóveis.

De acordo Sergio Jacomino, 5º oficial de registro de imóveis de São Paulo, milhares de livros de registro e indicadores estão sendo digitalizados em formatos que não seguem qualquer critério ou padrão que garanta à Justiça e ao cidadão os efeitos legais esperados.

"Estão vendendo digitalização sem garantir nenhum tipo de segurança - nem jurídica, nem de preservação documental. E isso está acontecendo descontroladamente. Sequer as normas baixadas pelo Conarq - Conselho Nacional de Arquivos vem sendo observadas. Não há qualquer segurança jurídica", disparou o registrador, membro da Comissão Especial.

Palestras

Em reunião, no dia 4/4, os membros da Comissão Especial ouviram palestras do coordenador de Preservação da Fundação Biblioteca Nacional, Jayme Spinelli Júnior, do especialista em Preservação Digital Carlos Augusto Silva Ditadi, e do físico convidado Luis Fernando Sayão, que apresentou o paradoxo da preservação digital. "Nos meios tradicionais preservar significa manter imutável e intacto; no ambiente digital, preservar representa mudar os formatos, renovar mídias, recriar hardwares e softwares", disse.

Jayme Spinelli apresentou à Comissão o Plano de Gestão de Risco para a preservação dos conteúdos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. "Se adaptado, não tenho a menor dúvida que pode servir para o acervo dos cartórios de imóveis", afirmou o especialista, que vê similitudes entre os acervos, que trabalham basicamente com livros.

A Biblioteca Nacional tem quase 20 anos de trabalho de preservação digital e já conta com um acervo em meios eletrônicos de boa parte de sua biblioteca.

Para Berthe "é impossível abrir mão do documento físico". "Em meio digital o acesso aos documentos é mais fácil; os procedimentos ficam mais ágeis, mas para mantermos a segurança jurídica esperada desses papéis não há formato digital ainda tão seguro", ponderou.

Na próxima reunião, agendada para o dia 26, será a vez dos registradores e tabeliães apresentarem seus desafios e contribuições sobre o tema.

Insegurança

Os cartórios dos Estados da região Norte foram escolhidos pela Comissão Especial para iniciar o projeto. Além de totalizarem 61% do território nacional, os nove Estados se caracterizam pelos frequentes e violentos conflitos fundiários, causados muitas vezes pelo sistema caótico de registro de imóveis.

"O registro de imóveis assegura a quem pertence os direitos sobre as terras e, até hoje, esse sistema se baseia em papel. Na Amazônia, assim como em todo o país, encontramos cartórios com livros se desfazendo, documentos esfarelados, perdidos, e informações imprecisas. O sistema, como um todo, não vem oferecendo a segurança que deveria", apontou Antonio Carlos Alves Braga Junior, juiz auxiliar da presidência do CNJ e membro do Comitê de Assuntos Fundiários do Conselho.

Ao todo são 533 cartórios, distribuídos nos nove Estados da região. Se as ações nesses Estados derem certo, o trabalho se replicará nas demais regiões brasileiras. A medida faz parte do Plano Nacional de Modernização dos Cartórios da Amazônia Legal, coordenado pelo CNJ.

Dentre as medidas que devem ser sugeridas pela Comissão, estão criação de softwares; informatização de serviços; restauração de livros; capacitação de servidores do Poder Judiciário e serventuários de cartórios e a elaboração de repositórios digitais destinados ao arquivamento desses milhões de documentos.

No ano passado, um acordo de cooperação firmado entre o CNJ e o Incra disponibilizou R$ 10 milhões para custear pesquisa, compra de equipamentos de informática, produção de software de registro eletrônico e a realização de cursos de capacitação.

_____________
_______

Leia mais

  • 28/2/11 - TJ/AP recebe juiz do CNJ para tratar do programa de modernização dos Cartórios de Imóveis da Amazônia Legal - clique aqui.

  • 15/2/11 - TJ/MT adota via digital e reduz custos com postagem - clique aqui.

  • 18/11/10 - OAB/SP elogia uso da tecnologia nos tribunais? - clique aqui.

  • 13/11/2010 - TJ/SP inaugura fórum 100% digital em São Luiz do Paraitinga - clique aqui.
  • 13/11/2010 - TJ/RS irá ampliar estrutura de digitalização de processos - clique aqui
  • 3/11/2010 - TJ/BA incentiva uso de ferramenta para atingir Meta 6 do CNJ - clique aqui.
  • 26/9/2010 - TJ/SP realiza primeira sessão com julgamento eletrônico - clique aqui.
  • 23/9/2010 - TST começa a eliminar 60 milhões de páginas de processos em papel - clique aqui.
  • 10/8/10 - Advogado comenta sobre as certidões de processo trabalhista feitas via internet - clique aqui.

  • 1/8/10 - STF digitaliza processos que tramitam na Presidência e cria o serviço carga programada - clique aqui.
  • 4/7/10 - STJ decide em agosto se documentos da internet servem para comprovar tempestividade de recurso - clique aqui.
  • 13/6/10 - STJ - Informações sobre processo na internet não dispensam publicação oficial - clique aqui.
  • 25/2/10 - Advogados e partes podem iniciar processos pela internet no E-CNJ - clique aqui.
  • 28/12/09 - Processômetro divulgará entrada de processos eletrônicos no STJ - clique aqui.
  • 15/9/09 - TJ/DF é o 29ª tribunal a aderir ao projeto Justiça na Era Virtual - clique aqui.
  • 9/9/09 - TRFs estarão 100% online com o STJ nesta sexta-feira - clique aqui.
  • 3/9/09 - TJ/MT, TJ/BA e TRF da 3ª região também aderem ao Justiça na Era Virtual: serão 20 novos tribunais - clique aqui.
  • 2/9/09 - Justiça na Era Virtual : 75% dos tribunais de 2º grau aderem à remessa eletrônica de processos - clique aqui.
  • 9/7/09 - STJ abre as portas da era digital para o Poder Judiciário - clique aqui.
  • 3/3/09 - TRF da 3ª região implantou ontem precatório exclusivamente eletrônico - clique aqui.
  • 25/1/08 - TJ/CE implementa novas tecnologias da informação - clique aqui.
  • 21/6/07 - STF inicia hoje tramitação de primeiros processos eletrônicos - clique aqui
  • 31/5/07 - Supremo regulamenta processo eletrônico (e-STF) - clique aqui.

_________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 7/4/2011 08:29