domingo, 23 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Regulamentação do paralegal busca inserir profissionais no mercado
Advocacia

Regulamentação do paralegal busca inserir profissionais no mercado

Ao contrário do que tem sido veiculado, PL aprovado na CCJ da Câmara não permite advogar.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Muita controvérsia tem cercado o PL 5.749/13, que conforme Migalhas noticiou, foi aprovado no último dia 6 na CCJ da Câmara.

De autoria do deputado Sérgio Zveiter, o PL altera a lei 8.906/94, Estatuto da Advocacia, para inserir no art. 3°, §2°, ao lado do estagiário, a figura do paralegal, bacharel em Direito sem a inscrição na Ordem a quem caberiam funções auxiliares às do advogado.

No direito norte-americano existe função homônima, algo como um assistente do advogado para "assuntos externos", sem a necessidade de formação jurídica. Existe também a possibilidade de especialização da carreira daquele que estudou Direito ("lawyer") em pesquisas, redação de peças ou atuação perante os tribunais, sendo que somente para essa última o profissional precisa integrar a Bar Association.

No Brasil, tem se tornado comum em escritórios de advocacia que alguns bacharéis em Direito sejam contratados como "assistentes jurídicos" enquanto se preparam para o exame de Ordem. A lei viria, pois, para reger o contrato de trabalho durante esse lapso temporal, que poderia ser aproveitado, inclusive, para mais aprendizado.

Nesse cenário, a iniciativa legislativa não teria por que encontrar óbices.

Motivações

Ocorre, contudo, que a quantidade de formandos em Direito - fala-se em cerca de 100 mil novos profissionais a cada ano! -, a qualidade dos cursos e a impossibilidade de o mercado absorver todos esses profissionais confere outra perspectiva ao tema. Muito mais do que simplesmente regulamentar o que seria uma "nova" ou provisória profissão, tão digna quanto qualquer outra, para muitos críticos da ideia o objetivo da lei mascararia, isso sim, uma tentativa de alocação de vasta mão de obra que, malformada, não teria condições de praticar a advocacia.

Sob esse enfoque, a própria OAB colocou-se contra o projeto. Na visão do presidente do Conselho Federal, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, a iniciativa pode criar duas categorias de advogados, o que não aproveitaria à sociedade, já que "não há cidadão ou causa mais ou menos importante".

Para outros advogados, existe o temor de que os próprios escritórios passem a preferir a contratação de paralegais, que ganharão menos do que os advogados.

PL 5.749/13

O texto do PL é simples. Composto de quatro artigos, pode ser assim resumido:

Inclui a figura do paralegal ao lado do estagiário, deixando claro que as funções da profissão a ser regulamentada não são aquelas privativas do advogado:

Art. 2º. O Art. 3º, §2º, da Lei 8.906/94, passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 3º..................................................................

§1º........................................................................

§ 2º O estagiário de advocacia e o paralegal, regularmente inscritos, podem praticar os atos previstos no art. 1º, na forma do regimento geral, em conjunto com advogado e sob responsabilidade deste." (grifos nossos)

Em seu artigo 3°, enumera os requisitos para a inscrição do profissional como paralegal, dentre os quais:

"Art. 9º-B: Para a inscrição como paralegal é necessário:

(...)

II - diploma ou certidão de graduação em Direito, obtido em instituição de ensino oficialmente autorizada e credenciada;

(...)

IV - não exercer atividade incompatível com a advocacia;

§1º A inscrição do paralegal deve ser feita no Conselho Seccional em cujo território pretende o interessado estabelecer o seu domicílio profissional.

§2º. A inscrição como paralegal será deferida por tempo indeterminado,sendo automaticamente cancelada em caso de obtenção de inscrição como advogado.

§3º Além da hipótese de cancelamento prevista no artigo anterior,cancela-se a inscrição do paralegal que:

I - assim o requerer;

(...)

IV - perder qualquer um dos requisitos para a inscrição."

Outra iniciativa

O PL 232/14, de autoria do senador Marcelo Crivella, também tratava do mesmo assunto, de maneira muito semelhante, razão pela qual na mesma data em que o PL da Câmara foi aprovado na CCJ, foi "retirado [de pauta] pelo autor" e remetido ao arquivo.

Aprovado na CCJ da Câmara, o PL 5.749/13 segue agora para o Senado.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/8/2014 16:50