quinta-feira, 30 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Procuradora do Estado de SP que acusou chefe de assédio moral não será indenizada
Assédio moral

Procuradora do Estado de SP que acusou chefe de assédio moral não será indenizada

TJ/SP concluiu que as provas evidenciam que não houve perseguição da autora.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

A 12ª câmara de Direito Público do TJ/SP negou provimento ao recurso de uma procuradora do Estado de SP que alegou ter sido vítima de assédio moral praticado por sua chefe. O colegiado verificou que as provas evidenciam que não houve perseguição da autora ou conduta inadequada de sua superior.

t

A procuradora alegou que seu trabalho estava sujeito a aditamento e correção de pareceres, sem apontamentos específicos. Sustentou também que houve supressão de pareceres, problemas com o estacionamento, tratamento diferenciado por conta de horário de trabalho, problemas com faltas justificadas. Ao alegar ter sofrido assédio moral, a autora pediu indenização por danos morais e materiais.

O pedido foi julgado improcedente em 1º grau. O juiz de Direito Emílio Migliano Neto, da 7ª vara de Fazenda Pública de SP, não verificou a prática de qualquer ato ilícito apto a gerar dever de indenizar. Diante da decisão, a procuradora recorreu.

No entanto, seu recurso no TJ/SP não prosperou. Relator, o desembargador Edson Ferreira acatou as provas trazidas pelo Estado paulista, que demonstravam que o trabalho da procuradora continha equívoco insuperável. Além disso, também não constatou conduta inadequada de sua chefe. "Diante das alegações da autora e das provas dos autos, ausente a ocorrência de assédio moral nas circunstâncias indicadas", afirmou.

Assim, por unanimidade, a 12ª câmara negou o recurso da procuradora.

Veja o acórdão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 31/5/2019 07:45