quinta-feira, 22 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Direito marcário

Teoria da actio nata em ação de contrafação de marca advém de conhecimento do suposto uso ilícito por terceiros

STJ mantém decisão de prescrição.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

O ministro Antonio Carlos Ferreira, do STJ, manteve decisão que reconheceu prescrição em ação de abstenção de uso da marca "Cambirela".

Em agosto de 2012 foi ajuizada a ação de contrafação por Hotel Cambirela Ltda. em desfavor de Cambirela Empreendimentos Turísticos Ltda.

O juízo de 1º grau acolheu a prejudicial de mérito relativa à prescrição, julgando, assim, extinto o feito, "haja vista que a ação foi proposta em 07/08/12, ou seja, vinte e um anos após a constituição da ré como pessoa jurídica". A 3ª câmara de Direito Comercial do TJ/SC manteve a sentença.

t

Na apreciação de agravo em recurso especial, o ministro Antonio Carlos destacou que o entendimento exarado pelo Tribunal de origem estaria em consonância com a jurisprudência do STJ, "para o qual, a pretensão concernente à abstenção de uso de marca ou nome empresarial nasce para o titular protegido a partir do momento em que ele toma ciência da violação perpetrada (princípio da actio nata)".  

"A Corte local, com base no contexto fático-probatório dos autos, concluiu que o recorrente teve ciência do alegado uso indevido da marca no dia 19/8/1991, data do registro do nome empresarial da recorrida na Junta Comercial de Santa Catarina."

Deste modo, a Cambirela Empreendimentos Turísticos Ltda. poderá continuar se valendo do nome empresarial para identificação de seu estabelecimento.

A banca Denis Borges Barbosa Advogados representou a Cambirela Empreendimentos Turísticos Ltda. na causa.

  • Processo: AREsp 1.394.657

Veja a decisão.

__________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/8/2019 11:41

LEIA MAIS